Fronteira Los Libertadores - Potrerillos (Ar) a Los Andes (Cl)

Acordamos por volta de oito horas da manhã, ainda cansados pela noite mal dormida, desmontamos o acampamento, providenciamos o café da manhã, não conseguimos tomar banho quente pois nos explicaram que o sistema de aquecimento só e ligado das 18:00 as 23:0

  
  

Acordamos por volta de oito horas da manhã, ainda cansados pela noite mal dormida, desmontamos o acampamento, providenciamos o café da manhã, não conseguimos tomar banho quente pois nos explicaram que o sistema de aquecimento só e ligado das 18:00 as 23:00 horas.
Fomos conhecer a Vila de Potrerillos e tirar algumas fotos e descobrimos que as casas eram de um assentamento resultante do deslocamento da população devido a formação de um lago. Conversamos com algumas pessoas que não estavam contentes com a mudança, pois antes viviam em um bosque e hoje vivem em um deserto, apenas com algumas `mudas` de arvores em formação. A Vila tem esse nome porque na região existiam muitos potros selvagens e guanacos. O local é bem árido e as casas tem um padrão de construção, todas com detalhes em pedra e madeira, sempre em cor terracota ou ocre. As rua de terra possuem uma calha de drenagem de cada lado feita de grandes pedras arredondadas. Em toda extensão das ruas existem postinhos de luz de ferro. Particularmente achei tudo de muito bom gosto. Sem falar que de todos os lados podíamos avistar as montanhas da Cordilheira.
O caminho para a fronteira `Paso dos Libertadores` pela Ruta 7 é muito bonito, sempre entre as montanhas da Cordilheira, algumas ainda com neve em seus picos.
Tínhamos que parar a cada 40 min para `sangrar` a embreagem da Land e já estávamos `craques` no assunto. Tiramos muitas fotos de todas as belas paisagens que nos encantaram por serem tão diferentes do nosso cotidiano.
Percebemos um grande contraste na topografia que ora se apresenta muito irregular e montanhosa, diferentemente das planícies até então percorridas. Nos pareceu que Deus foi benevolente com a Argentina permitindo-lhes uma região de agricultura fácil pela planície e uma outra região de grande beleza cênica como e a Cordilheira. Para nós que gostamos da natureza, achamos essa última um verdadeiro `playground`.
Após passarmos por Uspallata chegamos ao Parque Provincial Aconcágua, onde entramos para registrar em nossas memórias e em filmes e fotos as paisagens do local. Encontramos com gente do mundo inteiro. Escaladores buscando o Cerro Aconcágua falando diversas línguas e se entendendo apenas no mesmo objetivo, a conquista do pico de 6.952m eternamente nevado.
O Nilton entrevistou três garotas belgas que estavam caminhando para um acampamento aos pés do Aconcágua e buscou as impressões dessas pessoas sobre o que estavam presenciando.
Depois de muitas fotos seguimos rumos a fronteira margeando o Rio Mendoza formado pela água do degelo das montanhas. Passamos por varias estações de esqui que nessa época do ano apresentam-se como que `abandonadas`. Cruzamos o túnel onde pudemos a placa com a indicação de fronteira. Ao sairmos do túnel nos deparamos com o complexo aduaneiro onde demos saída da Argentina e entrada no Chile, sempre de forma muito burocrática. Os oficiais de fronteira com muito cuidado olhavam desconfiados os documentos cedidos pela Fiat do Brasil para uso do veículo, mas conseguimos passar sem nenhum problema. A vistoria do Doblo Adventure feita pelos chilenos, teve até brincadeiras e carinhos para a Lisa.
Sentimos a temperatura da altitude com o ar mais fresco em comparação com todos os dias muito quentes nas planícies do pampa argentino.
Começamos a descida pelas 19 curvas dos `Caracoles` em direção a Santiago. Confessamos que achávamos que seria mais impressionante, mas a Serra do Rio do Rastro em Sta. Catarina não fica devendo nada em termos de beleza quando comparada a esta. Presenciamos o lindo pôr-do-sol quase as 22 horas e nos alojamos no Hotel Rio Colorado (mais parecido com uma pousada) as margens da rodovia no município de Los Andes. Uma família de alemães nos recebeu muito bem, assim como aos nossos `perritos`, que se somaram aos deles.

Vila de Potrerillos

Vila de Potrerillos
Foto: Nilton Val

Vale do rio Mendoza

Vale do rio Mendoza
Foto: Roberto Cano

Parque Provincial Aconcágua

Parque Provincial Aconcágua
Foto: Roberto cano

Vista do Cerro Aconcágua

Vista do Cerro Aconcágua
Foto: Paula Lima

Los Caracoles

Los Caracoles
Foto: Paula Lima

  
  

Publicado por em

Amarildo Martos

Amarildo Martos

22/10/2009 22:30:12
Olá, li esta matéria e achei legal, fiz o percurso de Santiago a Mendoza em Junho de 2009 e adorei as impressões que relataram. Sou fotógrafo e fiz um percurso de 4000 Km pela Argentina e Chile! Fui de avião a Buenos Aires, aí fui para Bahia Blanca numa viagem de trem de 17 horas por 640 Km . Daí Onibus até Viedma a capital da província do Rio Negro. De Viedma o Trem Trans-Patagônico por 1000 Km até San Carlos de Bariloche. De Bariloche fomos até Osorno no Chile e Puerto Varas e seguimos a Port-Montt. Seguimos para Santiago de Onibus e fomos a Viña del Mar e retornando a Santiago - Los Andes por uma noite num hotel no centro em de onibus para Mendoza. Hotel um dia e seguimos para Buenos-Aires. Viajamos de Lan A-320 e B-767. Foi maravilhoso . Fiz 2000 fotos. Sou fotógrafo há 26 anos. Vou voltar . . .foi muito bom os 16 dias de aventuras . . . Meu e-mail é martos182@hotmail.com