Torres del Paine a Puerto Natales

Acordamos com o som da chuva sobre a barraca e isso nos desanimou. Aliás, isso é sempre um convite para se enrolar mais nos cobertores (ou sacos de dormir) e ficar quietinhos, mas.......já eram 10 horas da manhã !!! Levantamos , desarmamos acampamento , f

  
  

Acordamos com o som da chuva sobre a barraca e isso nos desanimou. Aliás, isso é sempre um convite para se enrolar mais nos cobertores (ou sacos de dormir) e ficar quietinhos, mas.......já eram 10 horas da manhã !!!
Levantamos , desarmamos acampamento , fomos cobrados pelo camping (3500 pesos por pessoa) , demos uma geral nas coisas. Separamos alguns materiais de cozinha e de limpeza que estavam com a Land , nos despedimos do Beto, da Márcia e do Pith, pois o tempo de férias deles havia se expirado e nós ainda seguiríamos até Ushuaia e fomos para o outro lado do parque. Buscávamos a Geleira Grey , junto ao Lago Grey onde pudemos viver umas experiências incríveis que irei contar mais a frente.
No caminho , passamos pelo salto grande , uma enorme queda d’água que impressiona pela força e volume e também pela cor da água de um azul turquesa maravilhoso. Visitamos uma sede do parque que fica meio escondida, em nossa opinião e encontramos muitas informações sobre a flora , a fauna e sobre a geologia e clima do parque. Visitamos também uma Hosteria às margens do Lago Grey e pudemos ver como são caras e luxuosas as instalações para os mais exigentes e abastados. Ao chegarmos ao fim da estrada , onde existe um bolsão de estacionamento e um casa de guarda parques , encontramos com uma família de Brasília que estava encantada com tudo que estavam vendo nesses dias de férias pelo Chile e Argentina. Entramos pela trilha que dá acesso a um banco de seixos que leva a uma ilha no meio do lago Grey , donde se pode observar a geleira. Nesse caminho encontramos com os gaúchos de Caxias do Sul , Sr. Humberto e família , que também estavam maravilhados com todas as paisagens observadas, trocamos mais algumas informações e cumprimentos e seguimos para o mirante.
O caminho segue pela beira do lago e por um banco de rípio que se liga a uma pequena ilha. Há enormes blocos de gelo encalhados na beira do lago e pudemos chegar bem perto. Alguns blocos transparentes e menores são levados para a beirada do lago e foi com um desses que a Lisa invocou! Foi muito engraçado! Ela entrou na água gelada e foi xeretar o bloco de gelo e toda vez que ele se mexia ela latia e abanava o rabo ao mesmo tempo. Ficou um tempão brincando com o bloco. Os blocos tem uma cor azul incrível com formas esculpidas pelo vento. Parecem esculturas. Quando a luz do sol batia nos blocos a azul ficava mais intenso, ficamos um tampão admirando essa paisagem, que para nós é tão distante só vista em filmes e fotos de livros. Continuamos a trilha subindo na ilha e do outro lado também vimos enormes blocos ancorados no lago. Ao fundo podia-se avistar o Glaciar Grey. Há uma trilha no parque em que se chega a um camping bem próximo do glaciar. O tempo foi curto para nós, mas gostaria muito de chegado até lá. O céu estava limpo e ficamos sentados imaginando como esses blocos foram parar lá, o quanto eles são grandes e pesados e quanto tempo demorariam para derreter.
Quando estávamos retornando vimos um show da natureza: pudemos presenciar a ruptura de um grande bloco de gelo. Ao perder um pedaço (o que provocou um imenso estrondo) o bloco procurou uma nova posição de equilíbrio, oscilando sobre a superfície do lago e mostrando sua grande massa de gelo submersa. Foi incrível! Pena não ter dado tempo de filmar.
Queríamos ainda chegar em Puerto Natales, aproveitando a luz do sol. Chegando na saída do parque o guarda abriu a cancela para nós e nem fomos cobrados.
Cruzamos com um brasileiro de Campos de Jordão, Robson Flores que estava indo para o parque. Trocamos algumas palavras e depois de recomendações mil seguimos rumo a nosso destino. Seriam mais 90 km até Puerto Natales cidade conhecida como Fiordes da Última Esperança. Chegamos na cidade por volta de 23:00 h e após abastecermos o carro e procurarmos algumas hospedarias, acabamos ficando no Hostal Nikos II com preço razoável (em torno de 15 reais por pessoa, com café da manhã mas sem banheiro no quarto).
Para terminar a noite, fomos jantar uma bela `parrilla` na cidade após passar o dia comendo somente lanches.

Complexo Paine ao fundo

Complexo Paine ao fundo
Foto: Paula Lima

Vista do Glaciar Grey

Vista do Glaciar Grey
Foto: Nilton Val

Lisa se divertindo com o bloco de gelo!

Lisa se divertindo com o bloco de gelo!
Foto: Nilton Val

Blocos no Lago Grey

Blocos no Lago Grey
Foto: Nilton Val

  
  

Publicado por em