A Trilha Inca e Machu Picchu

Tendo terminado com êxito a Trilha Inca e apreciado Machu Picchu e toda a energia que esse lugar leva consigo, havíamos realizado mais uma parte importante da nossa viagem . . . mais um sonho!

  
  
As ruínas de Sacsayhuaman

Chegamos em Cuzco, a capital Inca, no dia 23 de março e gostamos tanto que ficamos até o dia 27. Durante nossa estadia pudemos conhecer a cidade, apreciar sua arquitetura e saber um pouco mais sobre os Incas e sua filosofia. Realmente muito interessante e fascinante!

Fomos visitar as ruínas de Sacsayhuaman onde, dentre outras coisas, conhecemos o ‘Templo do Sol’, a pedra sagrada, os ‘portais’ e mais.

Templo do Sol

Aprendemos sobre a crença e a relação que os Incas tinham com alguns animais. O Condor representa a paz e a vida após a morte (pois voa alto, próximo dos Deuses); o Puma representa a força e a vida atual e a Serpente é o símbolo da sabedoria e representa a vida sub-terrestre.

Banda típica peruana

Tivemos a oportunidade, de ouvir uma banda típica Peruana e suas músicas, enquanto jantávamos no nosso restaurante preferido, que era muito bom e barato, e ainda por cima tinha um ‘buffet de saladas’.

Saímos ansiosos na manhã do dia 27, a caminho da Trilha Inca. Seriam quatro dias de caminhada e muita energia . . .

O começo

Às 6:30 da manhã estávamos prontos, na porta do nosso hotel em Cusco, esperando o ônibus chegar para iniciarmos nossa viagem. As 7:45am subimos no ônibus e depois de algumas paradas ‘típicas turísticas’, chegamos ao KM 82 onde almoçamos, fomos divididos em grupos e em seguida começamos a caminhar. Nosso grupo era bem legal e consistia em 6 americanos, um casal inglês e nós.

Nosso grupo

Foi uma caminhada tranqüila até nosso primeiro local de acampamento, aonde chegamos por volta das 6:30pm e relaxamos apreciando a noite e o local. Depois de um jantar com direito à sopa, prato principal e sobremesa, ficamos conversando um pouco e depois fomos dormir, razoavelmente cedo.

Às 5:00am, estava chovendo e, fomos acordados com um chá ‘motivador’, pois realmente começar a caminhar logo cedo, debaixo de chuva, não era nada animador. Mas em pouco tempo, estávamos todos prontos e empolgados para prosseguir, afinal o segundo dia era o mais esperado, por ser o mais difícil.

Warmiwañusca

Andamos debaixo de chuva, praticamente a manhã toda, e sem brincadeira, somente subimos! Cada um caminhava no seu ritmo e nós aproveitamos a vista e o momento. Depois de termos caminhado umas 5h chegamos na passagem mais alta, 4200m chamada Warmiwañusca (“Dead Woman’s Path”), leva esse nome, pois dizem que a montanha tem o formato de uma mulher morta. Estava muito frio então pusemos nossas luvas e gorros para nos aquecer. Sem dúvida, estávamos muito felizes e nos sentindo bem de ter alcançado este marco.

Sabendo que ‘depois de toda subida, vem sempre uma descida’, seguimos andando e dessa vez sem muito cansaço, somente maneirando no impacto, por causa dos joelhos. Chegando lá embaixo, pudemos relaxar por um bom tempo e também almoçamos.

Vista Panorâmica

Muitos grupos iriam passar a noite neste local, mas para nossa ‘infelicidade’ (nesse dia, mas felicidade no outro dia) ainda tínhamos mais umas 3h de caminhada. Detalhe: mais subida!

Com um pouco de energia renovada, depois do almoço e descanso, seguimos até nosso local de acampamento. No caminho paramos para visitar umas ruínas desta região. Para nossa surpresa, chegando no acampamento, fomos mimados com um superlanche incluindo até chocolate quente e pipoca: muito bom! Ficamos apreciando as montanhas e a natureza em geral.

O terceiro dia de caminhada para nós foi tranqüilo, então acordamos sem pressa e a caminhada foi bem descontraída e gostosa. Chegamos no Acampamento III por volta das 3pm e fomos visitar as ruínas próximas. Depois ficamos relaxando no barzinho que tinha lá, onde passamos uma tarde bem legal, na qual nosso grupo estava super unido.

Chegada na 'Porta do Sol'

Outro dia que começou bem cedo foi nosso último dia. Acordamos às 4am, mais uma vez debaixo de chuva, mas ninguém estava preocupado com isso. Queríamos chegar na ‘Porta do Sol’ para podermos ver Machu Picchu.

Na boa, parecia que estávamos numa corrida de 100m rasos, pois o ritmo que caminhamos foi bem rápido, mas estávamos todos ansiosos e ninguém reclamou! Fomos o segundo grupo a chegar e o último a partir, realmente aproveitamos este momento e pudemos tirar algumas fotos legais.

A primeira vista de Machu Picchu

Fizemos o tour para conhecermos Machu Picchu e saber um pouco mais sobre os Incas e sua história. Em seguida, nos dois (do nosso grupo) subimos ao topo de ‘Huayna Picchu’, que apesar de ser mais subida, valeu totalmente a pena! Infelizmente, por volta da 1pm tivemos que deixar Machu Picchu, então caminhamos até Águas Calientes, onde re-encontramos o pessoal do nosso grupo, trocamos e-mails e fomos ate a estação de trem.

Montanha 'Huayna Picchu'

Tivemos sorte e conseguimos o trem direto para Cusco. Foram 4h de viagem, que foram super agradáveis, pois, fomos junto com nossos amigos ingleses: Jane e Roger. Chegando em Cusco, voltamos para nosso hotelzinho e fomos jantar juntos, nós quatro.

Missão Cumprida

Tendo terminado com êxito a Trilha Inca e apreciado Machu Picchu e toda a energia que esse lugar leva consigo, havíamos realizado mais uma parte importante da nossa viagem . . . mais um sonho!

  
  

Publicado por em

Ruan

Ruan

23/04/2009 16:40:36
beleza muito bonita mesmo

Grace Downey e Robert Ager

Grace Downey e Robert Ager

Ficamos felizes que tenha gostado! = )