Visitando a Reserva Nacional Paracas e Ilhas Ballestas

No caminho para Paracas, passamos por Nasca novamente, conhecemos Pisco e finalmente estávamos na Reserva Nacional.

  
  
Centro de Visitantes da Reserva Nacional Paracas

Estava na hora de seguirmos adiante! Tentamos chegar mais perto da floresta amazônica, nos arredores de Pt. Maldonado. Infelizmente, após viajarmos em estradas bastante precárias até Ocognate, chegando lá descobrimos que as estradas adiante estavam piores ainda, e que levaríamos por volta de 10 dias para chegarmos até Pt.Maldonado.

Ou seja . . . tivemos que dar meia volta e retornar a Cusco. No caminho para Paracas, passamos por Nasca novamente, conhecemos Pisco e finalmente estávamos na Reserva Nacional.

'La Catedral'

Logo que chegamos, fomos ao Centro de Visitantes para descobrir mais sobre este ecossistema. Em seguida fomos ao ‘Mirante dos Lobos’ e conseguimos vê-los de longe.

Seguimos de carro pelas ‘dunas’, passando por ‘La Catedral’, uma formação rochosa criada naturalmente. No final da tarde chegamos ao ‘Playon’, onde acampamos. Pudemos apreciar um pôr-do-sol maravilhoso e ficamos na companhia das ondas do mar e das estrelas.

'Playon'

Ao amanhecer, passamos um tempo simplesmente apreciando a beleza deste lugar e pensando na vida . . .

Arrumamos tudo e fomos até o vilarejo de Paracas para investigarmos sobre passeios para as ‘Islas Ballestas’. Depois de tudo resolvido, voltamos à reserva e ficamos em ‘Lagunillas’ onde, desta vez nossos companheiros foram os pássaros.

Havíamos ouvido falar muito nas ‘Islas Ballestas’ e sua colônia de Leões Marinhos. Nos preparamos para o passeio de barco e logo cedo estávamos no mar, à caminho das ilhas.

'El Candelabro'

Conhecemos ‘El Candelabro’, um desenho na areia, que é um grande mistério, e até hoje ninguém sabe ao certo a razão de sua existência.

As ilhas rochosas, que através dos anos foi esculpida pelo vento e o mar, forma lindos arcos e são santuários ideais para a vida selvagem. Dentre as centenas de aves, a grande atração é os Leões Marinhos que usam as ilhas para recriar. Com isso, gerações de Leões Marinhos podem ser vistas de perto se divertindo no mar ou simplesmente tomando sol nas rochas.

Leões Marinhos tomando sol

Apesar desta época não ser propícia para a imigração dos Pingüins Humboldt, tivemos sorte de ver um pequeno grupo deles em uma das ilhas, mas infelizmente eles conseguiram escapar de nossas lentes fotográficas.

Depois de uma hora ao redor das ilhas, retornamos ao porto e seguimos viagem rumo a Lima.

  
  

Publicado por em