Fomos recebidos com festa no Panamá

Chegamos a Colón, no Panamá, completando exatamente 7 dias de viagem desde que deixamos o norte do Alasca. E o odômetro cravou, também, a metade do percurso: 12 mil quilômetros rodados até o Panamá. Nossa chegada a Colón foi um tremenda surpresa. Havia po

  
  

Chegamos a Colón, no Panamá, completando exatamente 7 dias de viagem desde que deixamos o norte do Alasca. E o odômetro cravou, também, a metade do percurso: 12 mil quilômetros rodados até o Panamá. Nossa chegada a Colón foi um tremenda surpresa. Havia policiais batedores nos escoltando da entrada da cidade até a praça principal, banda de música brasileira, muitos carros nos seguindo e autoridades presentes: foram nos receber a prefeita da cidade e a governadora da província, acompanhadas de vários jornalistas locais. Isso tudo foi armação do Jorge Nieckele, que está aqui há 5 dias preparando nosso transporte de navio até a Colômbia. Mas não esperávamos por isso. Estávamos bem cansados, mas depois de cumprir as formalidades com a recepção, fomos direto a concessionária Subaru local para uma completa revisão. Apesar de ser domingo, uma equipe de 5 mecânicos foi mobilizada para fazer todo e qualquer serviço com um prazo de apenas 2 horas. Instalaram, inclusive, um par de enormes faróis de milha para facilitar nossos deslocamentos noite adentro. Tinha de ser rápido, pois logo em seguida já estaríamos levando o carro para o porto, onde também fomos calorosamente acolhidos. Em algumas horas já havíamos jantado e colocado o carro em um contâiner. No início da noite, ainda de domingo, ele já estaria dentro do navio e agora pela manhã, segunda, zarpa em direção a Cartagena, na Colômbia. O Jorge fez muitas amizades aqui em Colón e temos uma assessoria incrível. O Carlos, dono da agenciadora de cargas Sopisco, conseguiu o impossível: carregar uma carga no mesmo dia, ainda mais em pleno domingo. Autoridades locais foram mobilizadas para nos liberar. Agora, segunda às 11 da manhã (horário local - 13hs no Brasil) estamos embarcando de avião, os três, para Cartagena. Lá esperaremos a chegada do carro, para tentar um desembaraço rápido. O relógio continua correndo, mas estamos melhor do que o previsto. O que mais preocupa agora é a passagem pela Colômbia, uma terra assolada pelas guerrilhas. Vamos falar com caminhoneiros e quem mais for possível sobre as melhores opções para cruzar o país com segurança. É natural que nenhuma garantia é absoluta, e ainda vamos avaliar bem as possibilidades. Depois contamos nossa decisão. Até depois!

Após 12 mil km, Forester passa por revisão

Após 12 mil km, Forester passa por revisão

Crianças apreciam nossa passagem

Crianças apreciam nossa passagem

  
  

Publicado por em