Manutenção Day

O dia foi de dedicação total ao Forester. Cheguei logo cedo à concessionária Subaru em Anchorage. Fui recebido pelo dono da Continental que, além da Subaru, representa as marcas Honda, Mazda, Suzuki, Volvo e Acura, com lojas espalhadas por toda a cidade.

  
  

O dia foi de dedicação total ao Forester. Cheguei logo cedo à concessionária Subaru em Anchorage. Fui recebido pelo dono da Continental que, além da Subaru, representa as marcas Honda, Mazda, Suzuki, Volvo e Acura, com lojas espalhadas por toda a cidade. Bahne Martensen deixou que eu falasse detalhadamente sobre o Projeto e ficou encantado. Ele emigrou da Alemanha em 1965 e tivemos a oportunidade, rara para nós dois, de praticar um pouco o alemão. Logo estávamos em sua oficina e, com a presença de toda a equipe, deu claras recomendações para que o Forester fosse examinado e cuidado com todo o carinho. Aliás, o Forester Turbo chamou bastante a atenção de todos: além de se destacar pela adesivagem, ele é o primeiro a rodar aqui. Apesar da Subaru ter uma grande fatia do mercado de importados no Alaska (18%), e o Forester ser um dos mais vendidos, o modelo Turbo não é vendido nos EUA. Em algumas horas o veredicto: o carro está em perfeitas condições e o que fizeram foi substituir todos os fluídos por sintéticos, que têm mais durabilidade e se comportam melhor no clima frio daqui. Ah, adquiri um acessório importante, que quase todos os carros aqui usam: um defletor para o capô do Forester. O defletor cria uma corrente de ar com um ângulo, evitando que insetos batam diretamente no pára-brisa. Em grande parte dos 10 mil quilômetros que viajamos de Miami até aqui por áreas rurais tivemos de parar a cada hora para tirar os insetos. O defletor também poderá ajudar um pouco na proteção contra pedradas, que já deixaram várias marcas no pára-brisa.
Depois da missão estar cumprida, Bahne convidou-me para jantar. Peixe, é claro. Salmão e Halibut, os mais típicos do Alaska. Que anfitrião atencioso e agradável. Pude entender porque ele se entusiasmou tanto com o Desafio Pan-Americano. Quando chegou aos Estados Unidos, em 65, ele dirigiu um DKV de Nova York até aqui - uma verdadeira aventura para a época. Ele era formado mecânico pela Mercedes e tinha um sonho ainda maior: viajar de carro até a América do Sul. Ele construi um império automobilístico aqui, mas nunca realizou o seu sonho. De repente, aparece um brasileiro preparando essa viagem com um Subaru. Ele estará, com certeza, indo conosco para a Patagônia. Na mão-de-obra, na lavagem do carro, nos fluídos sintéticos que nos ofereceu, e no coração.
Well, mais um dia até o Cacá chegar. Estarei fazendo alguns últimos contatos em Prudhoe Bay, de onde partiremos. Aliás, uma curiosidade: estava preocupado que os mil quilômetros de estrada até o Ártico pudessem estar congelados. E estão! Mas, para minha surpresa, isto é uma boa notícia. Fui informado de que esta estrada fica muito pior quando começa a degelar: mais escorregadia e cheia de buracos. Soube que o Cacá fez treinamento de pilotagem em gelo na Suiça. Espero que ele tenha sido um aluno aplicado. O primeiro turno no volante certamente será dele. Até amanhã !

O amigo Bahne, representante da Subaru

O amigo Bahne, representante da Subaru
Foto: ms

Marcelo

Paul, Jake e Don, equipe técnica da Subaru

Paul, Jake e Don, equipe técnica da Subaru
Foto: ms

  
  

Publicado por em