Alter do Chão

Situado há 42 km de Santarém por estrada asfaltada (PA 457), Alter-do-Chão é uma vila com cerca de 2.000 habitantes localizada na margem direita do límpido rio Tapajós.

  
  

Apresentação

Praça de Alter-do-Chão

Praça de Alter-do-Chão
Foto: Adilson Moralez

Dando continuidade a matéria anterior onde falei sobre Santarém, Monte Alegre, Alenquer e Óbidos, vamos viajar agora pelas mais belas praias de água doce do Brasil: Alter-do-Chão e região.

Ilha do Amor

Ilha do Amor
Foto: Adilson Moralez

Situado há 42 km de Santarém por estrada asfaltada (PA 457), Alter-do-Chão é uma vila com cerca de 2.000 habitantes localizada na margem direita do límpido rio Tapajós.

Praias de Alter-do-Chão

Praias de Alter-do-Chão
Foto: Adilson Moralez

A beleza das águas do Tapajós e do lago verde, que rodeiam a vila, fizeram-na merecer o carinhoso apelido de Caribe brasileiro de água doce. Sua fama vem aumentando nos últimos anos e o turismo não para de crescer. Nos grandes feriados o fluxo de pessoas vindo de Santarém é muito grande e a vila fica praticamente intransitável.

Praias de Alter-do-Chão

Praias de Alter-do-Chão
Foto: Adilson Moralez

Fora desses dias a vila é um tremendo sossego e andar pelas suas praias de areia branca quase nos faz esquecer que estamos numa praia de rio.

Rio Tapajós

Rio Tapajós
Foto: Adilson Moralez

Até porque, o rio Tapajós tem em média 9-10 km de largura e próximo de desaguar no Amazonas chega aos incríveis 19 km de largura. Alter-do-Chão recebe muitos visitantes internacionais e é um paraíso ainda pouco conhecido por brasileiros, principalmente pelos do sul/sudeste.

Taketomi, eu Zeni e Igor

Taketomi, eu Zeni e Igor
Foto: Adilson Moralez

Uma das grandes festas de Alter-do-Chão é o Çairé que acontece na primeira quinzena de setembro e trata da disputa dos botos: cor-de-rosa e tucuxi. A festa do Çairé é uma das maiores e mais antigas manifestação da cultura popular da Amazônia. Sua origem remonta ao período de colonização, quando os padres jesuítas, na sua missão evangelizadora pela bacia do rio Amazonas, envolviam música e dança na catequese dos indígenas. O símbolo do Çairé era usado como saudação em festas de santos, tendo em sua origem um caráter religioso, incorporando características populares com danças e folguedos.

Com o tempo essas características foram se reforçando a tal ponto que a Igreja proibiu sua realização em 1943. Em Janeiro de 1973 os moradores de Alter-do-Chão resgataram o evento, agora com cunho mais folclórico que religioso. O evento passou depois para julho e finalmente para setembro. A palavra Çairé origina-se dos dois termos Çai Erê, que significa “Salve! Tu o dizes”, que era usada pelos índios como forma de saudação.

Neste trecho da viagem, além do convite da agência Travel In de Belém, tive o apoio do Sebrae que através da Gekko, empresa de atividades turísticas e soluções ambientais, está empenhado no desenvolvimento do pólo turístico do Tapajós. Isso deu um outro enfoque para viagem, pois além de visitar os pontos turísticos da região visitamos várias comunidades com o objetivo de promover e divulgar seus trabalhos artesanais. Para me mostrar toda a região pude contar novamente com a grande ajuda do Taketomi do receptivo Vento em Popa de Alter-do-Chão que com suas lanchas me levou para conhecer todos os pontos turísticos da região.

[[Alter do Chão-PA|Alter do Chão]]

Pousada do Guariba

Pousada do Guariba
Foto: Adilson Moralez

Eu e Taketomi chegamos em Santarém (retornando de Monte Alegre) por volta das 11h e fomos até a agência do Sebrae nos encontrar com Thomas e Zeni da Gekko. Pegamos o carro fornecido pelo Sebrae e fomos todos para Alter-do-Chão.

Ilha do amor vazia numa segunda-feira

Ilha do amor vazia numa segunda-feira
Foto: Adilson Moralez

Eu já estava sentindo saudades da vila e da pousada do Guariba, pois havia passado quatro dias viajando de carro e barco.

Final de tarde

Final de tarde
Foto: Adilson Moralez

Poder ver novamente a ilha do amor praticamente deserta numa segunda-feira foi muito gratificante.

Final de tarde

Final de tarde
Foto: Adilson Moralez

Aproveitei a tarde para fotografar a praia e ao cair da tarde fui passear de caiaque no igarapé do camarão.

Igarapé do Camarão

Igarapé do Camarão
Foto: Adilson Moralez

No dia seguinte, como o dia era livre acatei a sugestão do Marcos da pousada Casa do Guariba e fui conhecer a vida do Sr. Reinaldo, um caboclo muito espirituoso de 59 anos que vive num sítio a caminho de Santarém.

Sr Reinaldo preparando o Beiju

Sr Reinaldo preparando o Beiju
Foto: Adilson Moralez

Cheguei lá bem cedo e ele já estava trabalhando na preparação do beiju, um alimento muito comum a base de tapioca (mandioca). Enquanto contava suas histórias me levou para conhecer a mata de seu sítio.

Sr. Reinaldo em seu sítio

Sr. Reinaldo em seu sítio
Foto: Adilson Moralez

No dia seguinte, o Taketomi me levou de lancha para conhecer o Igarapé do Macaco.

Vegetação subaquática do Igarapé do Macaco

Vegetação subaquática do Igarapé do Macaco
Foto: Adilson Moralez

Este igarapé é um dos vários que abastece o lago verde e nos meses de seca é possível subir um bom trecho dele.

F130 Garça no Igarapé do Macaco

F130 Garça no Igarapé do Macaco
Foto: Adilson Moralez

Com a lancha desligada utiliza-se apenas uma vara para não turvar a água. Depois saímos no Tapajós e fomos conhecer outras praias rio acima.

Lago do Mureta

Lago do Mureta
Foto: Adilson Moralez

Passamos pelo lago do Muretá, Ponta do Caxambu e fomos até ponta do Pindobal.

Belterra

Casa da década de 40

Casa da década de 40
Foto: Adilson Moralez

Belterra fica há 48 Km de Santarém é acessível por estrada não pavimentada, barco e tem uma pista de 2.000 m para pequenas aeronaves. Sua população é de pouco mais de 14.000 habitantes e sua história é singular. Em 1927 a Ford Motor Company, líder na industria automobilística nos EUA, conseguiu junto ao governo brasileiro a concessão de uma área de um milhão de hectares para o plantio de seringueiras nos municípios de Itaituba e Aveiro.

Sistema de hidrante

Sistema de hidrante
Foto: Adilson Moralez

Assim surgiu a Fordlândia, uma cidade inspirada no estilo das pequenas cidades do sul do EUA com o objetivo de produção de borracha. Em 1934, devido ao surgimento dos primeiros problemas da “doença das folhas” e como Fordlândia ficava distante de Santarém e ainda pelo fato do rio Tapajós não oferecer navegabilidade durante os meses de seca para navios de grande porte, Ford conseguiu permutar uma área de 281.500 hectares por uma área de igual tamanho mais próximo de Santarém. Surgia assim, a cidade de Belterra, que tal qual Fordlândia tinha toda a infra-estrutura de uma cidade americana: hospital, escolas, sistema de água e esgoto, energia elétrica, telefone, fábrica de gelo, praças de esportes, serraria, etc.

Caixa d’água

Caixa d’água
Foto: Adilson Moralez

Em 1943 Henry Ford desistiu do projeto e dentre as muitas razões especuladas foram a falta de mão-de-obra e a morte repentina de seu filho Edsel Ford, que comandava a empresa.

Igreja Batista

Igreja Batista
Foto: Adilson Moralez

Hoje Belterra ainda preserva muito dessa história, porém boa parte das casas está em más condições de conservação e eles não conseguem investimentos para sua preservação.

Oficina mecânica

Oficina mecânica
Foto: Adilson Moralez

Nossa permanência em Belterra limitou-se a uma manhã onde além de fotografar fomos conversar com o secretário de Turismo e meio ambiente Chardival para obter informações sobre o município.

Ponta de Pedras e Ponta do Jarí

Barracas de Ponta de Pedras

Barracas de Ponta de Pedras
Foto: Adilson Moralez

Saímos bem cedo com destino à ponta do Jarí passando por Ponta de Pedras que é uma pequena vila há 20 min de lancha de Alter-do-Chão.

Maloca para eventos

Maloca para eventos
Foto: Adilson Moralez

Fomos visitá-la juntamente com a Zeni, pois lá o Sebrae está desenvolvendo um projeto junto à comunidade. Dentre outros, o projeto ajudou na padronização das barracas da praia e na construção de uma maloca (quiosque coberto de palha) para apresentações de danças e eventos da comunidade.

Praias de Ponta de Pedra

Praias de Ponta de Pedra
Foto: Adilson Moralez

As praias de ponta de pedra são maravilhosas e por estarem numa ponta mais exposta ao rio tem ondas como o mar.

Iguana

Iguana
Foto: Adilson Moralez

Em seguida partimos para a Ponta do Jarí, que é um canal de ligação entre Tapajós e Amazonas.

Jacaré nas margens do canal

Jacaré nas margens do canal
Foto: Adilson Moralez

Nesse canal é possível avistar jacarés, iguanas e muitos pássaros.

Igreja da comunidade

Igreja da comunidade
Foto: Adilson Moralez

Passamos na sede de uma das comunidades para divulgar um treinamento que o Sebrae estaria promovendo na próxima semana. Nosso almoço foi um piquenique na casa do Sr. Maia e passamos a tarde curtindo o sossego na rede aguardando o sol ficar mais fraco para retornar. No caminho de volta estava previsto ver a revoada de pássaros retornando para dormir na entrada do canal, mas nessa época do ano eles devem migrar para outro local, pois havia poucos deles.

Ana e Hugo organizaram a Piracaia

Ana e Hugo organizaram a Piracaia
Foto: Adilson Moralez

Chegamos em Alter-do-Chão já era noite e recebi um convite para participar da piracaia. Uma tradição na região que consiste em juntar um grupo de pescadores e suas famílias na praia para saborear peixe assado na brasa.

Peixes na brasa

Peixes na brasa
Foto: Adilson Moralez

O peixe é servido em cuias forradas com folha de bananeira e guarnecido com farinha de tapioca. Para a piracaia também foram convidados os alemães (que encontramos em Monte Alegre) que estavam de passagem pela vila.

Dança do boto

Dança do boto
Foto: Adilson Moralez

O peixe preparado pelo Hugo, consultor da Gekko, estava delicioso. Após a refeição tivemos uma apresentação folclórica da dança do boto.

Comunidades do Maguari e Jamaraquá

Preparo da manta de couro ecológico

Preparo da manta de couro ecológico
Foto: Adilson Moralez

Acordei bem cedo e após o café da manhã fomos de lancha para a FLONA (Floresta Nacional do Tapajós) onde estão as comunidade do Maguari e Jamaraquá que ficam na margem direita do Tapajós.

Em Maguari está sendo desenvolvido um projeto inovador que é a confecção do couro ecológico num processo comunitário e artesanal. O couro ecológico é constituído por um tecido de algodão, no qual são aplicadas várias camadas de látex da seringueira que, submetido a um processo de defumação ou secagem ao sol, torna-se impermeável e resistente.

F310 Trabalho da comunidade na confecção dos produtos

F310 Trabalho da comunidade na confecção dos produtos
Foto: Adilson Moralez

O produto final assemelha-se ao couro animal e tem despertado grande interesse nos artesãos e fabricantes de confecções e calçados. O projeto está recebendo apoio de diversas entidades: ProManejo/PPG7, Flona do Tapajós/IBAMA, USAID e Inst. Internacional de Educação no Brasil.

Produtos prontos

Produtos prontos
Foto: Adilson Moralez

Passamos boa parte da manhã vendo o processo de produção da manta, corte e montagem dos produtos. Muito interessante saber isso tudo começou de uma forma muito simples e já evoluiu para um trabalho em comunidade e já conseguiram construir galpões e comprar novos equipamentos com o apoio recebido.

Samaumeira

Samaumeira
Foto: Adilson Moralez

O próximo ponto no roteiro foi a comunidade de Jamaraquá onde fizemos uma trilha na mata para visitar uma das maiores árvores da Amazônia: a Samaumeira. Foram duas horas de trilhas para chegar nelas e segundo o guia ainda não é a maior da Flona. Ficamos impressionados com a força da natureza para criar e manter uma árvore daquele porte.

Nosso almoço com D.Conceição

Nosso almoço com D.Conceição
Foto: Adilson Moralez

Após a trilha retornamos para a casa de Dona Conceição para saborear uma deliciosa galinha caipira.

O último programa do dia foi mergulhar de snorkel num igarapé de águas cristalinas para observar as algas e peixes. Apesar da pouca luz, pois já estava tarde, deu para ter uma boa idéia das maravilhas daquele lugar. Me senti num enorme aquário rodeado de acará bandeira e acará disco (famosos peixes de aquário).

À noite fui jantar na vila e aproveitar para conversar com as pessoas e saber um pouco mais do local.

Comunidade de Urucureá

Nosso barco

Nosso barco
Foto: Adilson Moralez

A programação dos próximos dois dias foi conhecer a comunidade de Urucureá que fica cerca de 5 horas de barco rio abaixo. Para esse passeio tivemos que contratar um barco maior, pois é necessário cruzar o trecho mais largo do Tapajós. Após todo um esforço de logística conseguimos o barco, diesel e gelo para a viajem. Nesse destino além da Zeni tivemos a companhia da oceanógrafa Carol, e da bióloga Tâmara, que foram apresentar um novo projeto do Sebrae para a comunidade.

Dona Suzana tecendo a palha do tucumã

Dona Suzana tecendo a palha do tucumã
Foto: Adilson Moralez

Após muitas ondas e muito sacolejo chegamos em Urucureá por volta das 15h. Fomos até a casa de Dona Zumira, que nos hospedaria na comunidade naquela noite e em seguida fomos conhecer outras famílias de artesãos.

F370 Artesanato de Urucureá

F370 Artesanato de Urucureá
Foto: Adilson Moralez

Dentre elas a Dona Suzana, uma senhora de 82 anos que trabalha diariamente na confecção de peças com a palha do tucumã. Aliás, Urucureá é famosa pelo número de famílias que trabalham com artesanato e fiquei surpreso com as belas peças que elas produzem.

Artesanato de Urucureá

Artesanato de Urucureá
Foto: Adilson Moralez

A vida ali é bem simples sem qualquer infra-estrutura, banho e banheiro são externos, não há energia elétrica e foi minha primeira noite dormindo numa rede. Foi bom – gostei.

Caminhada na mata

Caminhada na mata
Foto: Adilson Moralez

Na manhã seguinte acordei às 5:15h e após o café a programação foi uma trilha na mata com os guias Jessé e Rodrigo. Após algumas horas caminhando ouvindo os sons de macacos conseguimos avistar alguns (zog-zog, amarelinho e sagüis).

Entrevista com a comunidade

Entrevista com a comunidade
Foto: Adilson Moralez

Retornamos para a comunidade e aguardamos a Carol e Tâmara terminarem sua palestra.

Palestra

Palestra
Foto: Adilson Moralez

Depois de um bom banho nas praias do rio Arapiuns retornamos para Alter-do-Chão.

Deixando Alter-do-Chão

Pôr-do-sol em Alter-do-Chão

Pôr-do-sol em Alter-do-Chão
Foto: Adilson Moralez

De volta à Alter fui direto para a praia, tomar meu último banho e em seguida saborear meu último filé de Pirarucu. Não podia partir sem isso.

A imagem que marcou a viagem

A imagem que marcou a viagem
Foto: Adilson Moralez

Aproveitei a linda luz de fim de tarde para fazer mais fotos da praia. Despedi-me de todos, pois foram muitas amizades nesses 15 dias que lá fiquei. Devo confessar que deixei Alter-do-Chão com o coração partido, pois nunca havia me envolvido tanto com um local.

Dicas do autor

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Alter-do-Chão tem suas belezas o ano todo, porém a melhor época para praias é de setembro a dezembro. Chove pouco e as praias estão maravilhosas. No inverno quase não há praias e a ilha do amor fica praticamente coberta pelas águas. Lembre-se que em setembro tem a festa do Çairé e a vila fica muito agitada. Outra grande vantagem da região do Tapajós e que devido a acidez de suas águas não há mosquitos (pernilongos).

Serviços

Freeway Adventures
Rua Capitão Cavalcante, 322, CEP : 04017-000, Vila Mariana, São Paulo - SP
www.freeway.tur.br
11 - 5088-0999
FAX : 11 - 5574-1141
freeway@freeway.tur.br

Travel In Turismo Ltda
Av Generalissimo Deodoro, 348 A, CEP : 66055-240, Umarizal, Belém - Pará
www.travelin.com.br
91- 252-4717
FAX : 91 - 230-2902
receptivo@travelin.com.br

Vento em Popa
Praça 07 de Setembro s/n Centro, CEP - 68109000, Alter do Chão - Pará
93- 527-1379
Cel: 93- 9654-4245
Itaketomi@bol.com.br

  
  

Publicado por em

MOACIR Alessio

MOACIR Alessio

11/5/2013 07:10:31
Alter e único ,e natureza inimaginavel ,merece se chamado de Caribe da AMAZONIA

Ana Maria

Ana Maria

5/11/2011 18:10:55
Olá,
Em outubro de 2010 estive neste local : ponta do Jari (Santarém/Pa), um paraíso e também almocei na casa do Sr Maia, que por sinal é uma pessoa muito gentil. Comemos Tucunaré, curimatã e Acari assado.
Recomendo este lugar, simplesmente maravilhoso.

APAIXONADA POR SANTAREM

APAIXONADA POR SANTAREM

12/5/2011 17:57:24
Eu sempre soube que tudo na area de Santarem e lindo, pena que somos obrigados a sair deste paraiso que Deus nos deu, moro ha mais de vinte anos em manaus, ate hoje nao esqueço de Santarem e do Lindo RIO ARAPIUNS. UM DIA EU TENHO FE EM DEUS QUE VOLTO. BEIJAO PRA TODOS.

Chinalterdochao

Chinalterdochao

6/12/2010 19:46:06
Olhando essas fotos desse lugar e dos costumes, como a piracaia, remetem me a minha infancia, pois, creci nesse paraiso!! Apanhando piranga no pé, correndo e brincando de pira por essas q sao as prais mais bonitas q ja vi, e olha q sou rodado.rsrsrr Sempre q tenho tempo, vou mergulhar e comer um bom peixe assado nesse que é, meu eterno endereço onde quer que eu vá.
valeu adilsom!!

MANOEL OLIVEIRA DE SOUZA

MANOEL OLIVEIRA DE SOUZA

20/9/2010 20:27:37
Tenho orgulho de ser paraense e saber que temos grandes e belíssimos pontos turísticos como ja comentei anteriormente.Moro em Manaus há 34 anos, sou de Oriximiná, onde tambem temos muitos lugares bonitos e que merecem ser divulgados tambem.Sou tecnólogo em GESTÃO AMBIENTAL, e o comentário que quero fazer é o seguinte: Não adianta termos tantas belezas se não cuidarmos delas, a Natureza pede socorro, o nossos meio ambientes está ficando cada vez mais poluído pela agressão do homem.Vamos nos unir e juntos vamos tentar mudar pra melhor.Se cada um do nós fizer um pouco, logicamente, a tendência é melhorar.Esse dever é de todos nós e não só dos governantes, ou seja, Prefeitos,Governos e presidente. Gd Ab

Manoel Oliveira de Souza

Manoel Oliveira de Souza

15/9/2010 19:03:10
Pode até existir lugar igual a esse, mas,melhor,tenho minhas dúvidas. Isso é um paraíso que todos deveriam conhecer.Fui pela primeira vez e fiquei adimirado de tantas belezas que só a natureza e o nosso DEUS para oferecer esse presente. Parabens SANTAREM pelas prais mais belas do mundo.

France Marinho

France Marinho

20/7/2010 10:33:42
Olá!

Este ano e a primeira vez que eu e meu marido vamos a alter do chao, pelas fotos ja sei que vamos gostar muito.
Vou procurar aproveitar o maximo dessas maravilhas.

tchauuuuuuuuuu!

Rogério

Rogério

24/6/2010 20:50:53
Antes de conhecer o exterior, optei por conhecer o nosso País.
Muito úteis as informações e fotos colocadas.
Qual melhor época do ano para conhecer Alter do Chão, quando as águas estão mais baixas e as praias mais expostas?
Obrigado.
Rogério

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Olá Rogério Obrigado pela visita. Eu estive em setembro e as praias estavam excelente. abs
Ramon

Ramon

21/5/2010 01:38:20
sou paraense e minha cidade e linda .

Ilma moraes

Ilma moraes

23/3/2010 18:13:42
sou de santarém no momento encontro-me morando em belém mas realmente alter do chão é um paraiso a ser descoberto por quem não a conhece,é uma maravilha essas fotos suas!!! só aumentou a saudades vendo as fotos!! parabéns pelas viagens e fotos!!

Maria helena

Maria helena

29/1/2010 13:16:37
adorei tudo que vc contou Adilson, mas não entendi: vc é da freeway é jornalista , pesquisador ou viajava por conta própria ? abs da MHelena

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Olá Maria Helena Muito obrigado pela visita e pela mensagem. A opção correta é a quarta :-) Na verdade meu hobby é viajar, fotografar e postar as viagens e imagens em meu blog e também no portal. Tenho mais de 5.000 fotos e 100 viagens postadas em meu blog. Vale uma visita: www.ecofotos.com.br Grande abraço
Watusy pingarilho

Watusy pingarilho

25/5/2009 22:46:31
Acho santarem linda!!!parabens

Maria do rosário monteiro

Maria do rosário monteiro

12/4/2009 18:15:10
olá Adilson,sou alenquerense,moro no Paraná, estou fora da minha terra a 40 anos,bem que você poderia colocar mais fotos de Alenquer,para eu matar as saudadea,é a nossa casa em alenquer fica na praça da matriz onde é o cartório do 2 segundo ofício que é do meu irmão Toninho Bentes vê se coloca essa casa para mim obrigada Deus te abençoe nessa tarefa. bjs...

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Olá Maria Infelizmente não tenho imagens desta rua. Todas imagens que tenho estão postadas. Abraços
Netto mergulhao

Netto mergulhao

11/4/2009 23:05:39
Olá. Gostaria de uma informação.
Você ja falou que a melhor época para visitar alter do chão é de setembro a dezembro.
Porém, devo ir a Santarém agora no final do mês de Abril. É completamente impraticável visitar alter do chão nessa época? Ou apenas fica um pouco prejudicado? Vale a pena??
Obrigado

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Olá Netto De forma alguma. Alter é bonita o ano todo. O que acontece nesta época é que o rio Tapajós está mais cheio e as praias não ficam tão bonitas. Minha sugestão é dar uma ligada para o pessoal de lá pra saber como está. Veja os telefones e contatos em meu site. Abraços e boa viagem
Liliane Mendes

Liliane Mendes

9/4/2009 16:35:05
Sou goiana,mas moro em castanhal-PA á 5 anos e tenho o sonho de conhecer Alter.
Como faço pra chegar ate lá.
E quais os pontos mais indicados pra eu conhecer?
O lugar é lindo visto pelas fotos,mas confeço q
pretendo ver pessoalmente.

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Olá Liliane Para chega em Alter voce tem que pegar um vôo até Santarém, lá existe ônibus para Alter. Eu recomendo os pontos que divulgo na matéria. Todos valeram a pena. Abraços
Nayandra Mendes

Nayandra Mendes

9/3/2009 10:05:33
Eu fiquei maravilhada com tanta beleza do meu estado do PARÁ, poxa eu só posso agradecer mesmo por esse lindo DOM q Deus lhe concedeu q é de fotografar as maravilhas q existe nessa terra abençoada.
Eu só tenho a agradecer a Deus por vc nos aproximar dessa imensa blz, e q Deus venha lhe abençoar grandemente. Muitos bjs em seu coração.

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Olá Nayandra Eu é que agradeço por sua bela mensagem. Um grande abraço
Lidia madalena vianasilva

Lidia madalena vianasilva

15/1/2009 20:22:53
boas fotos maravilhosas lindas
parabens pelas fotos beijos e parabens

Elaine costa ribeiro

Elaine costa ribeiro

24/11/2008 17:56:38
Ótimo mostrar as coisas lindas que alter-do-chão tem.

Giane

Giane

12/11/2008 01:45:56
Fica mto caro uma viagem dessa?
Estou no MT!

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Giane Para preços recomendo que voce procure uma agência de viagem. Quem deu suporte na época foi a Travel In Turismo Ltda Av Generalissimo Deodoro, 348 A, CEP : 66055-240, Umarizal, Belém - Pará www.travelin.com.br 91- 252-4717 FAX : 91 - 230-2902 receptivo@travelin.com.br