Chapada dos Veadeiros / GO

A Chapada dos Veadeiros está a 220 km ao norte de Brasília e é composta pelos municípios de Alto Paraíso de Goiás, Cavalcante, Colinas do Sul, São João da Aliança, Teresina de Goiás.

  
  

Apresentação

Vista do Parque Nacional

A Chapada dos Veadeiros está a 220 km ao norte de Brasília e é composta pelos municípios de Alto Paraíso de Goiás, Cavalcante, Colinas do Sul, São João da Aliança, Teresina de Goiás. O parque nacional da Chapada dos Veadeiros com 65 mil hectares foi fundado em 11/01/61 pelo então presidente JK e seu acesso é através de São Jorge.

Palipalã ou Sombreiro

A vegetação característica da região é o cerrado de altitude e suas variações. Os principais atrativos são a beleza das cachoeiras de águas límpidas e a riquíssima biodiversidade. Como a altitude média é 1.300 m é normal haver noites frias durante outono e inverno. O clima é bem distinto com um verão chuvoso e inverno seco.


1o. dia – Cachoeira dos couros

Tucano

Antes mesmo de tomar o café da manhã na pousada Camelot, eu já estava fotografando os tucanos que fazem parada por ali. Em seguida o Deni, guia da Alternativas Ecoturismo, veio me apanhar e partimos em meu jipe juntamente com mais duas turistas em direção às cachoeiras do Couro. Também se juntou ao grupo um casal que estava em São Jorge.

Caminhada

Após algumas dezenas de quilômetros deixamos os carros e começamos caminhar pelo cerrado. Eu fiquei impressionado com a quantidade e a beleza das flores. Praticamente não andava mais de 10 minutos sem parar para fotografá-las. Não bastando as flores, havia uma variedade enorme de tons de liquens nas pedras.

Flor-do-cerrado

Logo em seguida começamos a caminhar margeando as corredeiras do rio dos couros e a primeira parada foi para ver as cachoeiras da franja, bujão e parafuso. Impossível não entrar na água e curtir bons momentos da vida. Após um lanche apreciando as dádivas da natureza iniciamos o retorno parando na cachoeira da muralha. Dessa vez eu fui o único a tomar outro banho.

Liquens

No retorno para Cavalcante fizemos o característico “almojanta” da região no restaurante do Hotel Tradição, onde Da. Iracena preparou uma saborosa comida caseira.


2o. dia – Cachoeiras do prata e Kalungas

Estrada para cachoeiras do Prata

Mais um dia acordei cedo para ver os tucanos e na seqüência o guia Joni me apanhou para irmos para Cavalcante – 90 km de Alto Paraíso. A programação era conhecer as cachoeiras do Prata. Chegando a Cavalcante o guia local Daniel já nos aguardava juntamente com a Mônica e Hélio, um senhor de 66 anos mostrando que para ecoturismo não há limite de idade.

Palipalã

Após 60 km de estrada de terra bem conservada, deixamos o carro e começamos a caminhada. A seqüência de cachoeira é lindíssima e foi difícil decidir em qual parar para um banho. Numa das paradas o Joni deu uma demonstração de coragem saltando de cerca de 10m num dos poços.

Cach.do Prata

Nos trechos de corredeira fiz belas imagens da erosão das águas nas rochas. Quando decidimos voltar o tempo já estava fechando e fomos pegos no caminho com uma chuva forte. Incrível como rapidamente a estrada estava cheia de água. Não demorou muito e o sol já estava brilhando novamente. No caminho de volta passamos pelo quilombo dos Kalungas - Engenho II. Uma comunidade que fugindo da escravidão viveu isolada por muitas décadas e que ainda hoje vive de forma muito simples com uma agricultura de subsistência. Conversamos com o Sr. Cirilo que é o representante da comunidade.

Cach.do Prata

Na seqüência passamos pela cachoeira da Ave Maria e para encerrar o dia fizemos outro “almojanta” no restaurante Sol da Chapada. De volta para Alto Paraíso era vez de trocar de pousada e me transferi para a aconchegante Casa Rosa.


3o. dia – Cachoeira do Macaco

Trilha para Cach.Macaco

Como a pousada tinha uma vista para o nascer do sol, acordei muito cedo para recepcioná-lo - valeu a pena. Muitas araras, tucanos e outras aves também fazem uso do pomar da pousada para alimentar-se ela manhã. Após o café fui apanhar o Joni e o lanche com a Vidya para cumprir a programação do dia: cachoeira do macaco. Esse dia foi interessante, pois o acesso a essa cachoeira só é possível com 4x4, justamente o que estava esperando.

Cach.do Macaco

Muitos sacolejos depois deixamos o carro e iniciamos a caminhada rio abaixo parando para fotografar as inúmeras quedas d’água, uma mais linda que a outra. Escolhemos um local tranqüilo para o lanche e um bom banho.

Cach.do Macaco

Na volta para Alto Paraíso fui conhecer a gota, famosa construção da cidade onde se realizam apresentações de música.

Cach.do Macaco

Uma recomendação para o jantar é a pizzaria Oca Lilá, uma filial da famosa pizzaria paulistana Cristal.


4o. dia – Rapel, Cachoeiras e Arvorismo

Sassá no rapel

O dia foi bastante agitado com uma programação super ativa. Logo pela manhã fui fazer um rapel na cachoeira água fria. A cachoeira é fantástica com seus 70m de queda. Por motivos de logística fizemos o rapel apenas na primeira parte que é de 40m. O Sassá e o Deni da Alternativas Ecoturismo chegaram antes para a montagem do equipamento. Após o rapel desci pela lateral da cachoeira para fotografá-la de frente - fantástica.

Cachoeira Água Fria

Logo em seguida parti com a guia Luzimara para conhecer as cachoeiras de Almécegas I e II que ficam na estrada para São Jorge. Incrível a beleza da Almécegas I.

Trecho do rapel

Na seqüência fui para o Portal da Chapada onde o guia Acauã da Travessia Ecoturismo me aguardava para fazer arvorismo. Trata-se de uma adaptação esportiva de uma técnica utilizada por biólogos para estudar a vida nas copas das árvores.

Essa foi uma experiência totalmente nova para mim e adorei. O nível de dificuldade vai aumentando e para fechar com chave de ouro a descida é uma tirolesa de 50m. Resumindo: o dia foi mais do que agitado!


5o. dia – Pq. Nacional e Vale da Lua

Trekking no parque

A programação do dia foi conhecer as atrações do parque nacional. Dentre elas a janela, salto 80 e salto 120. A entrada é através de São Jorge, uma simpática vila ainda sem calçamento e com várias pousadas e lojas de artesanatos. O Deni estava comigo e lá reencontramos o casal Henrique e Marina e a guia Luzimara.

Salto 80 e 120m

O trecho de carro é pequeno e logo já estávamos caminhando novamente pelas variações do cerrado. O ponto alto do passeio é a vista para as cachoeiras Salto 80 e 120 através das pedras, o que caracteriza a Janela. Lá de cima é possível ver uma boa extensão do parque e suas belezas.

Janela

A próxima parada foi na cachoeira do abismo, que na ocasião estava com pouca água. Retornamos para São Jorge e fomos visitar as incríveis formações rochosas do vale da lua.

Incrível imaginar o tempo que a natureza levou para esculpir todas aquelas obras de arte. No final da tarde retornando para Alto Paraíso passamos pelo jardim de Maytrea com uma luz maravilhosa.


6o. dia – Sertão Zen e Mountain Bike

Pica-pau-do-campo

Como era meu último dia na chapada a programação foi escolhida a dedo: sertão zen com o guia Acauã. Trata-se de uma caminhada de cerca de 5-6 horas por campos de altitude com muitas flores, capins, liquens e uma seqüência de cachoeiras maravilhosas, sendo que a última despenca de mais de 100 metros até o vale do macaco.

Detalhe capim

O Acauã deu um show a parte e após escalar as pedras da cachoeira saltou de mais de 10m no poço.

Capim

No final da tarde ainda arrumamos um tempinho para uma trilha de mountain bike nos arredores Alto Paraíso.


Dicas do Autor

Adilson Moralez

Adilson Moralez
adilson@ecofotos.com.br
www.ecofotos.com.br

A chapada muda a cada estação do ano e uma boa época é a partir de maio/junho onde as cachoeiras ainda têm um bom volume d’água, as chuvas já pararam e a temperatura é amena.

Apesar de estar no centro oeste as noites são frias, não esqueça do agasalho.

Programe no mínimo uma semana para ter uma boa idéia da região.

A cidade oferece muitas opções de souvenir e se gostar de cristais, prepare-se para voltar com as malas bem mais pesadas.

Lembre-se das regras do ecoturismo, pois esta é uma área de grande visitação.

Serviços

Agência Alternativas Ecoturismo
Alto Paraíso de Goiás – GO
www.alternativas.tur.br
(62) 3446-1000
alternativas@alternativas.tur.br

Agência Travessia Ecoturismo
Alto Paraíso de Goiás – GO
www.travessia.tur.br
(62) 3446 1595
travessia@travessia.tur.br

Pousada temática Camelot inn
Rodovia GO-118, km 168 (entrada de Alto Paraíso)
www.pousadacamelot.com.br
(62) 3446-1581
(62) 3446-1449

Casa Rosa – Pousada das Cerejeiras
Rua Gumercindo Barbosa, 233
www.pousadacasarosa.com.br
(62) 3446-1319
contato@pousadacasarosa.com.br

  
  

Publicado por em

Heitor

Heitor

28/08/2011 13:46:16
Oi! Gostei das dicas e das fotos. Estou pesquisando sobre as pousadas. O que você me diz sobre a Pousada Camelot. Gostou do atendimento? É longe da cidade? Ir a pé é perigoso?

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Olá Heitor Obrigado pela visita. Fui muito bem tratado lá e a pousada é bem legal, no estilo castelos medievais. Ela fica um pouco fora da cidade - pra ser sincero não me lembro quão distante pois estava de carro. Mas creio que dá pra caminhar sim. Nâo há perigo não - basta cruzar a rodovia (pista simples). Abs
Vânia Ramos

Vânia Ramos

16/06/2011 22:12:16
Parabéns pelo Blog. Estou indo para lá na próxima semana.

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Oi Vânica Com certeza vai adorar. Abs
Igor gomes da cunha

Igor gomes da cunha

16/05/2010 19:09:48
eu acho um lugar otimo para passeios,a natureza é totalmente preservada gostei muito de passar por ai é tudo muito lindo.

Cida

Cida

04/10/2009 20:26:57
Nooooossa!!!!!! Que lindo! Eu ainda não conheço, mas certamente irei lá.
Tomara que a consciência de preservação ecológica tenha lugar nas bagagens dos visitantes, porque só assim as gerações futuras poderão desfrutar dessa bela obra que Deus nos deu. As fotos estão lindas, parabéns!

Cida - Santa Maria - DF

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Olá Cida Tenho que concordar com você. A chapada é maravilhosa. Bem, tem que ir mesmo até porque fica muito próximo para você. Não perca, abraços
Daniela

Daniela

01/12/2008 15:08:35
muito lindo
o brasil é fantastico
esse lugar tbm