Serra Fina

A Pedra da Mina está localizada na Serra da Mantiqueira mais especificamente na Serra Fina e é composta por mais dois picos: Cupim de Boi (2543 m) e Pico dos 3 Estados (2689 m).

  
  

Pedra da Mina

Pedra da Mina

Pedra da Mina
Foto: Adilson Moralez

A Pedra da Mina está localizada na Serra da Mantiqueira mais especificamente na Serra Fina e é composta por mais dois picos: Cupim de Boi (2543 m) e Pico dos 3 Estados (2689 m). Após a reavaliação dos maiores picos brasileiros pelo IBGE em 2004, a Pedra da Mina foi alterada para 2798 m e considerada o quarto ponto mais alto do Brasil -1º) Pico da Neblina-AM (2994 m) – 2º) 31 de Março-AM (2973 m) – 3º) Pico da Bandeira–MG/ES (2890 m) – Fonte http://www.ibge.gov.br

Nessa viagem, que foi um convite da Agência Rota Turismo de Itamonte e da Harpia Adventure de Passa Quatro, eu estava programando fazer a travessia da Serra Fina, porém, devido ao mal tempo tivemos que cancelá-la e mudar de planos.

Apesar da correria de última hora consegui me encaixar com o Alberto do Rio que também estaria fazendo a travessia no feriado de Tiradentes. A Rota Turismo contratou o guia Zeca de Itanhandú para nos conduzir nessa grande aventura. Uma cara super tranquilo e bom conhecedor da região.

Primeiro dia

Estrada para Alagoa

Estrada para Alagoa
Foto: Adilson Moralez

Para agilizar a logística dormi em Itamonte e pela manhã a Lily da Rota Turismo me apanhou no hotel e fomos no meu jipe para Itanhandú pegar o Zeca e o Alberto. Apesar do tempo não estar firme tínhamos esperanças de uma boa caminhada. Porém, na natureza tudo pode acontecer e é imprescindível saber reconhecer sua soberania. Estavamos subindo, ainda no jipe, até o ponto onde iniciaríamos a caminhada, quando o o tempo fechou totalmente e em pouco tempo começou a chover forte com muitos raios. Apesar do grande desapontamento todos foram sensatos em decidir cancelar a travessia, pois além do sacríficio de caminhar molhados e sem visão nenhuma, iríamos nos expor a um risco muito grande com os ventos fortes e raios. Voltamos até Passa Quatro onde nos encontramos com outro grupo que nem havia saido da pousada na esperança do tempo melhorar.

A opção foi mesmo aproveitar o dia fazendo outra programação e esperar um dia melhor na sexta-feira para fazermos a Pedra da Mina. Resolvi então apreveitar o restante do dia passeando de jipe pela região. Como já era hora do almoço, aproveitei e fui saborear a já conhecida truta da Pousada Ribeirão do Ouro em Itamonte. De lá, pequei a estrada (de terra) para Alagoa e fui conhecer algumas pousadas e trilhas da região que ainda não havia visitado. Rodei a tarde toda, passando pela entrada do Parque Estadual do Papagaio e chegando até Alagoa. Retornei para Itamonte ao cair da noite e fui dormir ancioso para ter uma bela manhã de sol no dia seguinte.

Segundo dia

A partida

A partida
Foto: Adilson Moralez

Acordei 6h, abri a janela e o dia estava com muita serração. Me alegrei, pois serração significa sol em poucas horas. Tomei um café rápido e fui até Itanhandu pegar o Zeca para irmos até o bairro do Paiolinho. Nesse momento soube que meu parceiro Alberto havia mudado de idéia, portanto subiríamos apenas eu e o Zeca. Chegamos até o ponto onde deixariamos o carro às 9h. O dia estava lindo e nos presenteava com sol e temperatura agradável.

O lanche

O lanche
Foto: Adilson Moralez

Checamos o equipamento, alimentação e partimos com as mochila bem pesadas, mas ainda sem água. Essa, seria adicionada à nossa carga alguns quilometros acima, no rio vermelho, após cerca de uma hora de caminhada. No começo a trilha tem uma vegetação bem densa e árvores de médio porte. Paramos para um lanche ao meio dia num local que também é utilizado para acampamento.

A dura subida

A dura subida
Foto: Adilson Moralez

Retomamos a caminhada logo em seguida para não esfriar muito o corpo. A medida que se sobia a vegetação ia diminuindo de porte e começavam os campos de altitude. Em alguns ponto havia a presença de um capim muito alto e fechado que além de dificultar a caminhada permite a criação de trilhas alternativas. No meio da tarde o tempo já havia mudado bastante e a serração começava a ser uma constante companheira na caminhada.

Nosso acampamento

Nosso acampamento
Foto: Adilson Moralez

Cerca de 16:30h chegamos no ponto onde seria nosso acampamento. Esse ponto ainda estava cerca de 200m abaixo do pico, mas o Zeca preferiu ficar ali por ser mais protegido dos ventos. Montamos o acampamento, preparamos o local da cozinha e fui explorar a região e fazer algumas fotos de fim de tarde. Muito interessante ver como o vento moldava as nuvens criando formas incríveis e a serração “se protegendo” dos ventos nos vales da serra.

Preparo do Jantar

Preparo do Jantar
Foto: Adilson Moralez

Ao cair da noite fomos preparar nosso delicioso jantar: sopão e miojo com atum e queijo parmezão. Finalmente após, 4 anos de espera pude inaugurar, em alto estilo, meu fogareiro de alta montanha MSR. Ferver a água para o sopão não levou mais do que dois minutos - não que estivessemos com pressa.

A dupla

A dupla
Foto: Adilson Moralez

Após o jantar fui fazer algumas fotos, pois também fomos presenteados com uma noite super aberta e com lua cheia. Sem muito mais o que fazer fomos para o merecido descanso às 20h.

Terceiro dia

Nascer do Sol

Nascer do Sol
Foto: Adilson Moralez

Após uma boa noite de dez horas de sono, acordei às 6h e o termômetro marcava 5 ºC. Já sai com a câmera na mão para as fotos do nascer do sol. Incrível. Nada como ver essa cena a mais de 2500m de altitude. Logo em seguida partimos para o pico, numa caminhada de cerca de 20 min. Lá, encontramos outros dois grupos que já se preparavam para partir.

Nascer do Sol

Nascer do Sol
Foto: Adilson Moralez

O visual foi magnifíco e se podia ver 360º, pois o dia estava muito favorável. Num contraste com a natureza peguei o celular e liguei para a família, pois devido a altitude o sinal é bem forte. De lá é possível avistar várias cidades e o vale do Paraiba.

Nascer do Sol

Nascer do Sol
Foto: Adilson Moralez

Após a sessão de fotos, voltamos ao acampamento, preparamos o café, desmontamos a barraca e iniciamos a longa e cansativa descida às 9h. Apesar de ter menos água, a mochila ainda estava bem pesada e o fato de descer freando a musculatura torna o retorno bem cansativo.Praticamente não paramos para comer e chegamos no carro às 15:30h sentindo bastante os musculos da perna.

GPS confirmando altitude

GPS confirmando altitude
Foto: Adilson Moralez

Apesar de ser bastante cansativa a viagem valeu cada instante. Tanto que já estou fazendo planos para voltar e fazer a travessia completa que dura 4 dias com 3 acampamentos.

Dicas do autor

Fazer a Pedra Mina requer um bom preparo físico e capacidade para caminhar com uma mochila cargueira com cerca de 15-17 kg. A maior dificuldade é a ausência de água no caminho e no pico. Portanto toda a água da subida, jantar, café e retorno tem que ser levada. É recomendável pelo menos 4 litros d´água por pessoa. Os meses de invernos são mais indicados devido a menor probalidade de chuva. Porém, nessa época a temperatura lá em cima cai abaixo de 0 ºC facilmente.

Serviços

Rota Turismo
Rua Joaquim Murtinho, 105, Centro-Itamonte-MG
www.rotaturismo.com.br
35 3363 3207
rotaturismo@turnet.psi.br

Harpia Adventure
Passa Quatro-MG
35 3371 2616

  
  

Publicado por em

Willian Diniz Leite

Willian Diniz Leite

17/09/2010 21:57:31
Sinceramente não é facil,mas eu venci a travessia,com muito esforço e sacrificio quatro dias andando,e com toda certeza eu posso afirmar É UM PASSEIO INESQUECIVEL,se tiverem oportunidade não deixem de conferir. desde que estejam acompanhado por um bom guia.

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Olá Willian Realmente, Serra Fina não é para qualquer um não. Eu considero um dos mais difíceis, mas mais bonitos do Brasil. Vale a pena o sacrifício. E reforço sua dica: Serra Fina só com um bom guia. Grande abraço
Márcio Caio

Márcio Caio

09/10/2009 15:42:47
Hehe...vou ainda em 2010, mas desde já estou planejando quase tudo, pela dificuldade que ela é, sem duvida, preparativo e treinamento pesado para ser uma travessia com "poucas surpresas"...

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Márcio Sim, tem que se preparar e ter um bom planejamento. Esta travessia é bem pesada e tem muitas surpresas para os não preparados. Abraços e bons treinos
Guilherme Mayo

Guilherme Mayo

07/07/2009 10:09:28
Vou pra lá agora dia 09/07/09, estou ansioso e com um pouco de receio, a adrenalina já começou, tenho 16 anos e essa excurssão vai marcar pra caramba

um abraço

Adilson Moralez

Adilson Moralez

Olá Guilherme Com certeza vai gostar. Não se esqueça que o trekking é pesado e esteja preparado para chuva, frio e leve bastante água, pois só existe 3 pontos de água em toda travessia. Bom trekking
Henrique Lima

Henrique Lima

16/06/2009 16:36:17
Simplesmente a caminhada mais difícil e técnica que fiz ao longo dos meus 42 anos,dos quais 25 dedicados às Montanhas...
Não é uma atividade que se indique para qualquer pessoa " Definitivamente não é Ecoturismo..."
O ideal seria uma preparação física antecipada e treinamentos...

No mais, ano que vem estarei de volta,rsrsrsrsrsr....

Henrique Lima - Abrigo de Montanha do Velho - Andradas, Sul de Minas Gerais....

Evandro Queiroz Glória - Volta Redonda - RJ

Evandro Queiroz Glória - Volta Redonda - RJ

06/09/2008 22:19:57
Conheci a Serra Fina e a Pedra da Mina, foi emocionante, já fui a Bandeira, Serra da Canastra, itatiaia, Cucuruto, Marins e etc... , mas nada se compara com Serra Fina, mas lembre-se precisa-se de muito preparo fisico e principalmente emocional, pois passei por momentos de desequlibrio devido ao alto grau de dificuldade, ficou na história.

Amanda

Amanda

31/08/2008 15:45:22
voces podiam fazer fotos dos picos brasileiros...