Cachoeiras e cavernas de Eldorado - SP

O Vale do Ribeira é considerado o maior remanescente contínuo de Mata Atlântica do Brasil. Além disso, possui uma das maiores concentrações de cavernas e comunidades quilombolas do território nacional.

  
  

Apresentação

Trilha na Mata Atlântica

Trilha na Mata Atlântica
Foto: Claudia Silveira

O Vale do Ribeira é considerado o maior remanescente contínuo de Mata Atlântica do Brasil. Além disso, possui uma das maiores concentrações de cavernas e comunidades quilombolas do território nacional. A região foi declarada `Reserva da Biosfera do Patrimônio Mundial` pela UNESCO em 13 de fevereiro de 1993 e, em julho de 2001, considerada uma das áreas de maior importância ecológica do Planeta. Ironicamente, é também considerada a região mais pobre dos Estados do Paraná e São Paulo.

Quedas Ribeirão das Ostras

Quedas Ribeirão das Ostras
Foto: Claudia Silveira

Com a criação de diversas Unidades de Conservação, os problemas sociais se agravaram pois, para muitas comunidades, o uso dos recursos naturais, a caça, o extrativismo e a agricultura de subsistência era tudo que dispunham para a sobrevivência. Quando e ecoturismo começou a surgir como alternativa de desenvolvimento as coisas começaram a mudar. Além da Mata Atlântica e das cavernas, o município de Eldorado guarda uma abundância de pequenos córregos e ribeirões de águas límpidas que possuem inúmeras cachoeiras e piscinas naturais excelentes para banhos e mergulhos.

Primeiro dia

Praça de Eldorado

Praça de Eldorado
Foto: Claudia Silveira

Passamos a primeira noite hospedados no Pirâmide Hotel, no centro do município de Eldorado. Após tomarmos o café da manhã, fomos recepcionados pelos Monitores Ambientais Lélis, Moisés e Elton, todos nativos da região, que nos fariam agradável companhia durante toda a nossa viagem. Já passava das 8h00 da manhã quando saímos para percorrer a pé o centro de Eldorado. Visitamos a Aldeia Cultural, onde fomos recepcionados pelo prefeito e pela secretária de turismo. Lá pudemos conhecer o trabalho de artistas e artesãos da região.

Parque Estadual do Jacupiranga

Parque Estadual do Jacupiranga
Foto: Claudia Silveira

Dando seqüência à nossa caminhada, fomos à Igreja Matriz Nossa Senhora da Guia, e passamos por restaurantes e outros locais que oferecem serviços à população e aos visitantes. Retornamos para o hotel e seguimos de ônibus pela estrada SP-165, que dá acesso ao Parque Estadual do Jacupiranga. O dia havia amanhecido frio e com uma forte cerração mas, quando chegamos no Parque, a temperatura já era mais amena.

Todos com os equipamentos de segurança

Todos com os equipamentos de segurança
Foto: Henrique Wuilleumier

Após a distribuição dos equipamentos de segurança (capacetes, de uso obrigatório no interior das cavernas, e lanternas e reatores de gás acetileno para a iluminação), os monitores nos passaram algumas instruções e exercícios de alongamento antes de iniciarmos a Trilha do Bugio. No percurso, os monitores chamavam a nossa atenção para as formações da floresta e para as diversas espécies arbóreas que ornamentam a paisagem. O ar puro e fresco e o esplendor da mata enchem olhos e pulmões.

Formação no interior da gruta

Formação no interior da gruta
Foto: Henrique Wuilleumier

Antes de entrarmos nas Grutas de Rolado III e Rolado II, a mata se apresenta de maneira mais compacta, com grandes extensões de capoeiras - sinal que se encontra em estado de regeneração. O percurso nas cavernas dura aproximadamente uma hora. A travessia é maravilhosa e no caminho os monitores foram explicando as formações e os detalhes geomorfológicos. Molhar os pés é inevitável... A água é um gelo, e fazia frio, mas nada que pudesse incomodar e atrapalhar nossa expedição.

Gruta do Rolado

Gruta do Rolado
Foto: Gabriel Hallai

Na saída da Gruta de Rolado II, já pudemos observar a mata primária ou virgem, com árvores de troncos grossos e imensos, bem espaçados entre si. No meio da trilha, nosso grupo parou diante de troncos ceifados, que soubemos pelos monitores serem do Palmito Jussara - espécie arbórea característica da Mata Atlântica - e que foram cortadas antes mesmo de frutificarem. Antes de esboçarmos nossa reação de indignação, o Lélis foi nos explicando a grande problemática que afeta a região e as numerosas comunidades locais.

Foram criadas diversas Unidades de Conservação no Vale do Ribeira, que é o maior remanescente contínuo de Mata Atlântica do Brasil e uma das áreas de maior importância ecológica do Planeta, declarada pela UNESCO `Reserva da Biosfera do Patrimônio Mundial`. Sendo assim, as comunidades foram impedidas de utilizarem os recursos naturais, como caça, extrativismo e agricultura de subsistência - os únicos dos quais dispunham para a sobrevivência. Daí surge a tentativa de gerenciar e melhorar as relações entre o homem e o meio-ambiente, de maneira integrada e sustentável.

Não se pode pensar em preservar uma área e desprezar as comunidades que ali vivem há séculos, e o ecoturismo surge como uma saída para este impasse, tornando-se meio de sobrevivência para as comunidades locais. Pessoas que estavam sem emprego ou praticavam atividades ilegais como o corte predatório de Palmito Jussara, caça ou desmatamento em áreas protegidas, hoje são Monitores Ambientais ou trabalham dignamente em atividades direta ou indiretamente ligadas ao Ecoturismo. Naquele momento, pudemos perceber a diferença que existe entre ter uma atitude passiva e uma atitude ativa de preservação.

A exuberante Caverna do Diabo

A exuberante Caverna do Diabo
Foto: Gabriel Hallai

Após percorrermos os 5 km de uma trilha cheia de beleza pura, mais um espetáculo nos aguardava: entramos na Gruta da Tapagem (ou Caverna do Diabo, popularmente conhecida). Como descrevê-la? Sua beleza, a imensidão de seus salões e a diversidade de espeleotemas causam espasmo! É belíssimo! Já estava escuro quando saímos da Caverna e alguns morcegos que passavam bem próximos às nossas cabeças deram uma pitada de adrenalina no final do nosso passeio. O cansaço e a fome pesavam um pouco, mas um generoso jantar nos foi servido no restaurante do próprio parque.

A travessia era feita de balsa ou canoa

A travessia era feita de balsa ou canoa
Foto: Henrique Wuilleumier

Seguimos de ônibus para a Pousada Fazenda Passagem, que fica na margem do Rio Ribeira. Atravessamos o rio com uma curiosa balsa movida apenas pela correnteza da água, e chegamos ao casarão. O lugar é encantador e muito aconchegante. Foi lá que aconteceu a Roda de Viola, em volta de uma fogueira e sob uma lua cheia que iluminava a paisagem de uma maneira especial. O monitor Moisés e sua viola de 10 cordas deram um show à parte, tocando belas músicas que falam da história, cultura, ecologia e lutas do povo do Vale do Ribeira. Foi um momento de beleza e tranqüilidade indescritíveis, que fecharam com chave de ouro o nosso dia repleto de belas visões e grandes experiências.

Segundo dia

Vale das ostras

Vale das ostras
Foto: Henrique Wuilleumier

Acordamos por volta das 8h00 e um café da manhã com frutas e deliciosos bolos, pães e geléias caseiras já nos aguardava. Seguimos para a trilha do Vale das Ostras. O dia estava mais quente que o anterior, o que ajudou muito, pois a trilha passa por dez cachoeiras e várias piscinas naturais, o que significa que a água é farta em todo o percurso. Cabe aqui dar a dica para quem quer visitar o parque nos períodos de frio: levem toalha e uma lycra para arriscarem a prática do cascading ou um mergulho, que é tentador em muitas partes do Ribeira.

A adrenalina da descida ...

A adrenalina da descida ...
Foto: Gabriel Hallai Hallai

A trilha é maravilhosa e quase tão extensa quanto a trilha do Bugio, que fizemos em aproximadamente 5 horas. Passamos por diversas cachoeiras, como a do Engano, do Vomito, a Escondida, o Poço das Esmeraldas, entre outras. Uma mais linda que a outra, com água límpida e cristalina... Paramos na cachoeira do Funil, onde o equipamento para o cascading já estava preparado. Apenas duas pessoas do nosso grupo - que já tinham praticado o rapel em cachoeira anteriormente - se arriscaram nas águas geladas e na aventura. O tempo estava escasso, e não deu para o resto do grupo descer a cachoeira. Mas certamente serviu de estímulo para todos voltarem para lá!

... E a beleza da queda!

... E a beleza da queda!
Foto: Henrique Wuilleumier

Seguimos para o ponto culminante do percurso, que é a Queda de Meu Deus, com os seus 53 metros de altura. Muito lindo! Voltamos para a pousada, extasiados depois de tanta beleza. Todos tomaram um banho quente depois de passar horas com os pés e calças molhados. Tomamos um café e nos preparamos para ir embora, com a certeza de que voltaríamos àquele lugar de beleza esplendorosa.

Serviços

Caveland Ecoturismo e Aventura
www.caveland.tur.br
(11) 3743-8575
6871-1386
info@caveland.tur.br

Tupinambis Ecoturismo e Educação Ambiental
www.tupinambis.com.br
tupinambis@tupinambis.com.br

  
  

Publicado por em

Talita Martins

Talita Martins

28/05/2011 18:05:54
O melhor lugar que tem no vale do ribeira é a cachoeira queda do meu deus.é um lugar divino que nos faz refletir e pensar sobre como deus é maravilhoso e grandioso.a caverna do diabo é um lugar lindo tbm deus abençoou lindamente esse pedaço de chão

Thalia

Thalia

24/01/2011 21:00:20
Oi pessoal, meu nome é Thalia , meu papai Isau me leva frequentemente para passear em todos estes lugares, pois meus avós moram bem pertinho da caverna, eu amo este lugar.... façam uma visita na caverna, meu tio Miro é guia turista la.... bom passeio a todos... logo logo eu to devolta neste lugar linnnnnndo.......

Emilly

Emilly

09/12/2009 21:12:49
Meu tio Vanderlei,faz parte da equipe Selva! Ele é monitor. Ele fala que é um dos lugares mais bonitos que ele já trabalhou com o Vagner Laluna!

Ewginaldo pinto

Ewginaldo pinto

30/10/2009 12:56:38
Acho maravilhoso, pois naci lá né! Minha cidade é demais, nesse domingo estarei lá, vou nas caverna e cachoeiras.

Dicleu

Dicleu

23/05/2009 11:07:59
eu ja estive nessas cachoeiras e adorei ♥

Giovana

Giovana

05/04/2009 16:19:30
Gostei muito dessas fotos e tenho vontade de conhecer esse lugar maravilhoso na qual fazem uma pesquisa de escola acabei me deparando com essas imagens lindas...
Não vou ficar passando vontade...quando for maior ou pode ser agora enquanto sou pequena pedir para meus pais que me levem a esse lugar lindo e fantástico

Valquiria

Valquiria

08/03/2009 16:10:56
Adorei ver estas fotos, são lindas.
Muito bonita mesmo, devemos cuidar desde lugar.
O nosso Brasil tem muita riqueza assim .
Nunca fui em lugares assim , s vi por foto mesmo, me passa uma paz muito grande, pra mim é fonte de energia vital.

DANIEL JONATAS SILVA

DANIEL JONATAS SILVA

27/01/2009 17:01:40
O VALE DO RIBEIRA E LINDO EM TUDO PENA QUE SEJA TAO ESQUECIDO E MAL DIVULGADO MORO EM ILHA COMPRIDA E VEJO COMO O NOSSO VALE SOFRE E OS GOVERNANTES NADA FAZEM O VALE PRECISA SER MAIS DIVULGADO NA MIDIA TEMOS A LINHA FERREA QUE VAI SE EU NAO ME ENGANO DE CAJATI ATE SANTOS COMO PODEMOS DEIXAR NOSSO PATRIMONIO SE PERDER ASSIM?SERA QUE NAO TEM EMPRESSAS INTERESSADAS A EXPLPRAR O ECO TURISMO DO VALE DO RIBEIRA NAO FALO SO DE ELDORADO OU ILHA COMPRIDA E SIM DE TODO O VALE DO RIBEIRA QUE E LINDO POR NATUREZA.OBRIGADO A TODOS

Talitha

Talitha

12/01/2009 23:02:14
Oi tudo bem? queria saber quanto é pra fazer o rafitng 5 pessoas no sabado... trabalhava na trilha radical, e nunca tive oportunidade de fazer, então quero aproveitar minha ferias e levar alguns alunos. sou de Poços de Caldas.

Equipe EcoViagem

Equipe EcoViagem

Talitha, para conhecer Eldorado, digite: www.eldorado.vou.la e... Boa Viagem!
Emerson f de oliveira

Emerson f de oliveira

08/01/2009 10:53:28
lindo maravilhoso passeio dos sonhos

Elizabeth

Elizabeth

06/01/2009 19:21:45
Amo Eldorado, minha mãe nasceu lá, costumava passar minhas férias escolares ( quando criança), no sitio de meu avô, rio acima, tenho boas recordações. Agora, já adulta, faz um tempo que não vou lá, talvez este ano ainda, para matar saudades.

KAMILA

KAMILA

27/11/2008 11:03:45
eu fui quase desisti no caminho graças a deus não desisti foi a melhor coisa que fiz em 2008 quem já foi sabe o que eu senti e do que eu to falando,falando não porque é tão lindo que voçê fica sem palavras.E pros que não foram não sabem o que estão perdendo.