Ilha de Marajó/PA - Fazenda São Jerônimo

Muito mais do que praia deserta, a fazenda de Sr. Brito tem kilometros de mata fechada, centenas de animais, alguns até em extinção, igarapés, mangues e muito, mas muito calor humano.

  
  

Apresentação

A imensidão da praia deserta

A Fazenda São Jerônimo foi palco do programa No Limite, da Rede Globo. Sr. Brito, o proprietário, conta: `Eles sobrevoaram a área e vieram dizer que tinha que ser aqui por causa da imensa praia deserta`.

Visual da praia do Limite

Muito mais do que praia deserta, a fazenda de Sr. Brito tem kilometros de mata fechada, centenas de animais, alguns até em extinção, igarapés, mangues e muito, mas muito calor humano. Brisa boa, ventinho na varanda, sons de pássaros e de macacos. Conforto e comida farta, diversificada e exótica.

Fazenda São Jerônimo

O IBAMA acaba de entregar ao sr. Brito uma guariba de dois meses, que foi encontrada sendo maltratada. O combinado foi cuidar dela e, em seguida, solta-la na mata da Fazenda. O macaquinho já tem nome: Zulu, o hóspede fotogênico da São Jerônimo, além do sr. Brito, claro!

Localizada em Soure, cidadezinha da Ilha de Marajó, a Fazenda São Jerônimo vive das atividades do ecoturismo além dos coqueirais.

Búfalos e Tirolesa

Tirolesa puxada por bufalo

Ao chegarmos, uma surpresa: tirolesa puxada por búfalos! Major Dourado, idealizador do circuito, comenta que a ilha é o único lugar do país onde a polícia está montada em búfalos. A manada da ilha é a maior do país. O animal é considerado um verdadeiro aliado da população, fornece leite, delicioso queijo, carne, artesanato, segurança, transporte e até diversão pois, no carnaval, são eles que puxam as carroças equipadas de som, e agora eles são também responsáveis pela aventura!

O búfalo brinquedo

Símbolo da ilha, o búfalo chegou a Marajó por acaso, um navio carregado de animais, que seguia para a Guiana Francesa, encalhou na costa da ilha. Os animais, excelentes nadadores, vieram até a praia e se adaptaram ao clima inóspito. Diz-se que ainda é possível encontrar animais selvagens nas matas marajoaras.

Praia do Limite

Visual passeio de canoa

Saindo de canoa pelo igarapé Tucumandubinha, podemos presenciar o fenômeno das marés, de seis em seis horas o igarapé seca completamente. No caminho da Praia do Limite, as garças, o pássaro Martim-pescador e as araras sobrevoavam entre o mangue o os coqueirais.

Chegada na praia

A remo, chegamos ao paraíso desértico onde o Rio Pará se encontra com o Oceano Atlântico. Devido ao rio, a água passa quase o ano todo doce, para nadar é uma delícia!

Carimbó

Carimbó mirim

De noite, na Fazenda São Jerônimo, um show de Carimbo-Mirim. Um grupo de crianças de Soure, que mantêm seriamente as atividades ensaiando três vezes na semana, mostrou como o folclore é importante para resgatar e manter a tradição e características de uma localidade. Com amor e entusiasmo, elas contagiaram a todos com a dança típica do Marajó. Impossível não entrar na dança, os lindos caboclinhos e caboclinhas tiram as pessoas para dançar cheios de sensualidade.

A batucada do carimbó

O folclore marajoara segue a linha das lendas do índio e as do africano. Em geral, todo o folclore amazônico é cultuado assim como as pagelanças da herança indígena.

Igarapés

Cutia

O dia começa cedo para sr. Brito: 5h40 é a hora certa para avistar as cutias que atravessam a trilha. Lá fomos nós, calados, subindo em uma das torres estratégicas construídas na época do programa No Limite. E não é que ele tinha razão? Valeu a pena acordar tão cedo!

No café da manhã, quem reina é o búfalo, ou melhor, a búfala. Na mesa serve-se o leite, a manteiga, a coalhada, o famoso queijo marajoara, doce de leite... Satisfeitos, saímos com seu Brito de canoa pelo igarapé passando entre um incrível manguezal, que chega a 30 metros de altura.

Saída do passeio pelo Igarapé

O delicioso percurso desemboca na praia deserta do Araraúna. De lá, caminhamos por mais uma praia deserta até a Fazenda Araraúna, um verdadeiro `point` dos Guarás. É garantido encontrá-los por ser uma área encharcada e repleta de sarará, o crustáceo causador de sua cor avermelhada.

Cavalgada

Cavalgada

Montados em cavalos marajoaras, saímos rumo à Praia do Pesqueiro, a mais badalada praia de Soure. Passando com os cavalos entre trilhas, manguezais e campos, onde estão instaladas algumas provas do programa feito pela rede globo, alcançamos a praia deserta da propriedade e cavalgamos kilometros na areia, entre o mar e o mangue, até chegarmos na Praia do Pesqueiro. Cenas de filme!

Provas no limite

Na volta, uma curiosidade: em meio à fazenda, um homem camuflado e munido de uma espingarda vigia a área... Logo explica sr. Brito: `(..) este é o Nascimento, segurança que contratei para cuidar das 40 tocas de camaleoas que temos por aqui, agora em época de desova.` Sr. Brito está preocupado, pois a população local está habituado a se alimentar dos ovos e das próprias camaleoas, e por isso está empenhado em assegurar a sobrevivência dos filhotes. `Aos poucos, os nativos vão perceber que vale mais a pena preservar as espécies e trazer o turista para admirarem, do que caçarem para comer, isso dá emprego mais digno...`.

Fazenda Bom Jesus

Entrada bom Jesus

A 9 Km da São Jerônimo, está a Fazenda Bom Jesus. D.Eva Bufaiad, proprietária de 5000 hectares de terras marajoaras, nos mostrou seu emocionante trabalho de adestramento de búfalos. Com um sussurrar no ouvido do animal e um carinho, ele se deitou no chão como um cachorrinho.

Búfalo adestrado

A Fazenda Bom Jesus tem também arte barroca. Uma capela reúne telas centenárias, além de porcelanas e louçarias inglesas típicas das antigas fazendas tradicionais. D.Eva é também veterinária, o IBAMA freqüentemente entrega animais silvestres apreendidos para que ela cuide e solte na área de 300 hectares de mata que ela preserva a anos.

Caminhando pelos campos e avistamos facilmente os guarás, garças-azuis e marrecos.

Soure - Artesanato

Soure

A fim de retratar um pouco mais da vida marajoara, fomos ao centro de Soure. Interessante observar os búfalos soltos na praça... Na sorveteria, os sabores do Pará: bacuri, cupuaçu, açaí. Por todos os cantos vê-se uma banderinha vermelha, é sinal que tem açaí à venda, normalmente compra-se por litro.

Visitamos o Curtume Marajó, onde é feito artesanato em couro. Vimos todos os processos de tratamento do couro (de boi e de búfalo), desde a chegada do matadouro até a sandália pronta. Fantástico, apesar de fedido!

Tingimento couro

No artesanato, bijuterias com sementes amazônicas, que oferecem colorido e aparência diversificada. As camisas marajoaras são marca registrada dos vaqueiros, decoradas com bordados, representando a arte das tribos indígenas que ocuparam o Marajó.

A cerâmica marajoara, legado de uma tribo indígena de cultura avançada que há 3000 anos povoou a Ilha, é a arte mais reproduzida por artesãos da região. Estes índios dominavam a técnica da horticultura na floresta e desenvolviam a agricultura itinerante. Além de habilidosos arquitetos, os marajoaras tinham estratégias para preservar suas casas nas épocas de cheia. Por volta de 1300 esse povo sumiu misteriosamente.

Curtume

Em Soure, um artesão trabalha exclusivamente com réplicas de peças originais encontradas por ele mesmo e, paralelamente a isto, aprofunda-se nas pesquisas da cultura e das lendas.

Artesão de cerâmicas

Na foto, o `Cumaru Uarabo`, uma espécie de copo, era usado quando um pretendente de um clã diferente pedia ao pai a mão de sua filha. Este jovem passaria então por uma prova de coragem.

Dentre uma série de provas, uma consistia em capturar um animal de grande porte, como um jacaré ou uma onça, e presentear o pai da maça. O Cumaru Uarabo era dado ao jovem como a permissão de casamento, e era utilizado na cerimônia, onde cada um bebia de um lado.

Serviços

Travel In Turismo Ltda
(91) 230-2902
242-5440
receptivotravelin@bol.com.br

Fazenda São Jerônimo
www.marajo.tk
(91) 3741-2093 begin_of_the_skype_highlighting              (91) 3741-2093      end_of_the_skype_highlighting
saojeronimo@canal13.com.br

Freeway Trilhas e Natureza Viagens e Turismo Ltda
www.freeway.tur.br
(11) 5088-0999
juliana@freeway.tur.br

ECHO Tour Operator
www.echo.tur.br
(11) 3237-1771
info@echo.tur.br

QPC Turismo
www.qpctur.com.br
(31) 3273-4626
qpctur@qpctur.com.br

Dicas dos autores

Marcelo

O clima no Marajó pode mudar totalmente a paisagem e o estilo de sua viagem. Devido ao fraco desnível da Bacia Amazônica, parte da ilha fica alagada metade do ano, o que resulta em belas paisagens e emocionantes passeios. Já no inverno, o clima é mais seco, e não chove nem alaga, assim, outra paisagem e muito calor.

Esta viagem foi feita no inverno, quando a paisagem estava menos verde, porém, com mais pássaros. As cavalgadas, menos cheias de aventura e de água, foram mais light.

Marajó é um lugar para todas as idades, não tenha receio de levar a vovó e nem as crianças, todos vão se divertir.

Não deixe de provar o Tacacá, o típico açaí, o sorvete de bacuri e a maniçoba.

O Pará é cheio de cores, sabores, aromas e nomes de frutas totalmente diferentes, por isso, o ideal é vir com calma, para dar tempo de participar realmente da cultura e saborear os mais inusitados gostos.Vá e fique no mínimo uma semana, vai valer a pena!

Salvaterra (Ilha de Marajó) Soure (Ilha de Marajó)

  
  

Publicado por em

Mariana

Mariana

12/01/2011 11:42:57
Ameeeeeeei esse lugar , um PARAíso . Pretendo voltar mais vezes . Esse passeio da fazenda onde foi gravado o no limite é perfeito . Amei tuuuuuuuuuuudo .Vltei apaixonada.

Antônio Jorge

Antônio Jorge

09/07/2010 23:56:43
Salvaterra pra mim é tudo de bom
é natureza pura o luau é inesquecivel
o pô do sol é maravilhoso.

Apaixonado

Apaixonado

19/11/2009 20:37:28
Salvaterra é tudo de bom, a cidade mais bonita de se curtir umas férias, suas belas praias, seu povo acolhedor, sua cultura, sinceramente a melhor opção!! Quem tiver a oportunidade de conhecer o Marajó, principalmente Salvaterra, não vai se arrepender. Visite o Marajó e desfrute de suas belezas naturais!!

Luciana

Luciana

21/01/2009 19:25:17
Soure é minha cidade preferida da infância. O primeiro namorado. A primeira rival. Que saudades das noites na pracinha... dos bailes nos terreiros ao som de musica caribenha. Das tardes esperando o navio no porto.Dos passeios de canoa em Salvaterra...

Junior

Junior

04/12/2008 20:26:10
Ilha do Marajó em especial Salvaterra, seu clima é tropical; rica em belezas naturais; Praias, igarapes em fim... Um lugazinho ideal para curtir algumas férias.

LOURDES

LOURDES

09/11/2008 13:37:07
qual a melhor epoca do ano para passear por ai gosto de passeios pela naturaza, mas sou muito sensivel quanto a insetos mosquitos etc. nao tenho mais idade para passeios aventuras o que me recomendaria na ilha de marajó???

Equipe EcoViagem

Equipe EcoViagem

Lourdes, experimente www.ilhademarajo.vou.la e entre em contato direto com hospedagens e agencias de lá. Boa Viagem!