Viagem às águas das Nascentes das Gerais - MG

As Nascentes das Gerais é uma região montanhosa, próxima a Serra da Canastra, um antigo mar que sedimentou há 1 bilhão e 500 mil anos.

  
  

Introdução

As Nascentes das Gerais é uma região montanhosa, próxima a Serra da Canastra, um antigo mar que sedimentou há 1 bilhão e 500 mil anos. Deste processo originou-se quartzito. Caminhando pela região encontramos muitas pedras brancas e acinzentadas, lembra muito mármore.

As Nascentes das Gerais é composta por 15 cidades que oferecem muitas cachoeiras e piscinas naturais de águas transparentes cercadas por grandes canyons profundos, formados pela ação eólica e hidráulica.

As principais atividades agrícolas são: o plantio de milho, café, cana de açúcar, banana, arroz, feijão e melancia, e a pecuária com gado de corte, suinocultura, leite e seus derivados. Além de ser conhecida como o pólo regional da moda mineira. São mais de 200 fábricas de confecções, onde foi criada a Avenida da Moda, próximo ao centro de Passos.

O turismo ainda está em fase de crescimento, mas já é possível encontrar diversas opções de esportes náuticos e pescaria, além das opções de ecoturismo e aventura, como: boiacross, trekkings, motocross, mountain-bike e cavalgadas.

A Viagem

Numa quinta-feira, véspera de feriado, que muitos desistiram de viajar devido ao mau tempo dos dias anteriores. Com certeza quem cancelou a viagem se arrependeu, pois o sol nos acompanhou todos os dias, deixando o passeio ainda mais agradável.

Saí de São Paulo às 21h15, mais precisamente do metrô Sta Cruz numa Sprinter junto com um grupo de passageiros que optaram conhecer as Nascentes das Gerais - um roteiro montado pela operadora de turismo ecológico Andaluzs Adventures.

Cada um recebeu um saquinho com lanches, isso foi bom, pois eu não havia jantado, serviu para enganar a fome até a primeira parada.

Chegamos na cidade de Passos (MG) por volta das 3h00, chovia enquanto procurávamos placas que indicassem o hotel, passamos direto e chegamos no final de uma rua, onde havia um enorme muro. Ao retornar, fomos abordados por policiais militares, verificaram a presença de algumas senhoras, pediram os documentos ao motorista e disseram achar estranho uma van nos arredares do presídio. Depois de muitos risos, fomos gentilmente escoltados até o hotel. Tudo em ordem, depois do banho, um sono mais confortável na cama.

Primeiro dia

Vista da cachoeira da lagoa azul

O dia amanheceu logo, mesmo sonolenta sabia o que me esperava pela frente. Decidi pular logo da cama e tomar o café da manhã. O negócio é não ficar na cama até tarde, pois alguns itens do café podem acabar e corremos o risco de ficar sem, como por exemplo, a coalhada. Mesmo assim me fartei com pão, queijos, frios, frutas, sucos, leite, ovos com presunto e bolos.

Trilha do Ribeirão do Tamborete

Às 9h conhecemos os guias locais, Anderson e Wladis da agência Salva Terra, quem nos apresentou parte da beleza existente na região.

Saímos para a Trilha do Sol que faz parte do município de Capitólio, fica há uns 40 minutos de Passos.

Tivemos uma parada estratégica para conhecermos a cachoeira da Lagoa Azul vista de cima. Um enorme canyon com águas verdes e uma bela cachoeira.

Passagem por dentro d`água

Enfim chegamos à Trilha do Sol, o local é agradável e com excelente infra-estrutura. Possui um restaurante típico mineiro e panorâmico para a Represa de Furnas, banheiros limpos e muito bem decorados, diversas árvores frutíferas, piscinas com água corrente e quadras, além de funcionar uma pequena pousada.

Fim da trilha

Mas o que nos interessava mesmo naquele momento era a trilha do Ribeirão do Tamborete, composta de uma enorme variedade de formações rochosas, onde a vegetação subterrânea do cerrado se encontra com samambaias aéreas, formando uma verdadeira cortina vegetal.

As trilhas são bem sinalizadas. Seguimos caminhando ora pelas margens dos rios e riachos, ora por dentro deles. Ainda bem que a água não estava fria e o sol brilhava sobre nossas cabeças. A trilha é bem fácil, havia inclusive crianças, estas se divertiam quando o caminho era por dentro d`água.

Canyon da trilha do sol

No final da trilha uma das melhores quedas, onde deu para aproveitar a hidromassagem natural.

Depois de horas dentro d`água voltamos famintos para o ponto de partida - o restaurante. Esperamos um pouco e logo o almoço foi servido. Comida típica mineira - leitão a pururuca, arroz com pequi, tutu de feijão, frango caipira, pão de queijo, e outros deliciosos pratos, só senti falta de um doce de leite com queijo, mas tudo bem, o melhor ainda estava por vir.

Matriz Senhor Bom Jesus dos Passos

Parecia miragem, mas havia um redário, isso mesmo, diversas redes amarradas numa pequena floresta de eucaliptos. Não pensei duas vezes, fui a primeira a correr em direção. Cochilei por quase uma hora, quando o pessoal já se preparava para a segunda parte do passeio.

Caminhamos na parte superior dos canyons, na trilha batizada de `No limite` infelizmente não pudemos fazer todo o percurso, pois teríamos que cruzar um rio e a correnteza estava muito forte.

Mesmo assim curtimos a piscina natural e deitamos sobre as pedras - uma enorme calçada de pedra mineira, aproveitando os últimos raios de sol daquele maravilhoso dia.

Nós mulheres, estávamos loucas para encontrar uma loja aberta, já que em Passos há a avenida da Moda - famosa pelas confecções a preços de fábrica.

Como era feriado não encontramos uma só loja aberta, isso demonstra que ainda não estão preparados para receber turistas.

Fizemos um tour pela cidade e paramos na Igreja da Matriz Senhor Bom Jesus dos Passos, construída em entre 1865 e 1875, com pinturas famosas do século XVI e VXII.

De volta ao hotel para banho e descanso. Às 20h30 saímos para o jantar ao lado do hotel. Jantamos um dos pratos mais famosos, segundo os moradores, o prato foi batizado de JK, pois o ex-presidente Juscelino Kubstichek quando ia à Passos adorava aquela comida - frango ou bife a milanesa coberto com ervilhas, queijo derretido e batata palha, ao redor do prato pedaços de frutas como: abacaxi, pêssego, maçã, figo e banana... Impossível não engordar com este roteiro gastronômico.

Segundo dia

Paraíso Perdido

Mesmo acordando mais cedo estava animada para ir ao `Paraíso Perdido`. O lugar faz jus ao nome, são aproximadamente 2 Km caminhando por lindos canyons onde corre o Ribeirão do Quebra-Anzol. Composto de 8 cachoeiras de águas cristalinas, canyons com mais de 70 metros e 18 piscinas naturais, algumas com escorregas.

Banheirinha

Pouco mais das 10 horas iniciamos a caminhada do dia, o percurso também é fácil, mas é necessário estar atento onde pisar, pois se anda o tempo todo pelas pedras, e onde ela está esverdeada há limo, portanto, é escorregadio.

Para cruzar os rios o melhor é olhar bem para o fundo, o que é fácil de ser visto, devido à transparência da água, pisar nas fendas, apoiando bem os pés.

Águas límpidas e na temperatura ideal, o negócio foi entrar e aproveitar as piscinas e o escorrega.

Como a área é grande e a cada metro encontramos um lugarzinho para curtir, mesmo tendo muitas pessoas no local, há espaço para todos curtirem

Após diversas paradas chegamos a uma `banheirinha`, na minha opinião o lugar mais belo do Paraíso Perdido. Fiquei ali a maior parte do tempo aproveitando a cachoeira que caia sobre a piscina natural de águas transparentes e com pedras claras ao fundo. A perfeição é tanta que parece que foi projetada por um paisagista para nos proporcionar uma hidromassagem e um banho maravilhoso.

`Close` da banheirinha

Já quase no final do percurso, subi numa pedra para fotografar uma das cachoeiras num melhor ângulo e fui surpreendida por marimbondos que me atacaram como se estivessem em guerra. Comecei a me debater e corri em direção à água, entrando nela. Mesmo assim tomei duas picadas, uma no braço e outra no pé direito. A área que foi picada logo ficou avermelhada e começou a queimar. Alguns minutos depois passei pomada de arnica, o que deu um alivio momentâneo. Mesmo assim continuei, queimava um pouco, mas a dor era suportável e como a maior parte da caminhada era por dentro d`água parecia que ia melhorar.

Último trecho do Paraíso Perdido

Última parada do dia para banho, numa enorme piscina natural com cachoeira.

A volta é sempre mais rápida, voltamos pela estrada de terra caminhando por cima do canyon.

A fome começava a bater e a dor ia aumentando, eu já não caminhava normalmente, mancava.

Tucano no Paraíso Perdido

Almoçamos na `sede` do Paraíso Perdido, desta vez uma comida mais simples, porém saborosa. O restaurante fica na entrada, onde há uma área de camping familiar com banheiros e vestiários limpos e conservados.

Depois do almoço deitamos no gramado e escutamos o barulho das aves que por ali passavam. Tínhamos a intenção de descer e conhecer uma outra cachoeira, mas o céu estava ficando cinza e parecia que ia chover. Mesmo assim nosso fotógrafo correu e fez algumas fotos. Esta região exige muito cuidado, pois se der uma forte chuva na cabeceira, desce uma tromba d`água entre os paredões que sai levando tudo que tiver à frente. Para evitar esse tipo de problema, existem placas no local e os guias estão sempre atentos à qualquer sinal de chuva.

Enquanto passávamos pela cidade, para a felicidade da mulherada, encontramos uma loja aberta, onde foi impossível ficar apenas meia hora. Mesmo com o pé e o braço doloridos olhei e provei algumas peças, é claro, afinal de contas também sou mulher e por natureza consumista!

Tivemos quase duas horas para tomar banho e descansar, antes do jantar. Não consegui levantar da cama e colocar o pé no chão, a dor era intensa, tomei um antialérgico e tentei dormir. O pessoal foi jantar e em seguida foram para uma sorveteria. Acabei ficando no quarto e jantando por lá mesmo.

Terceiro dia

Solidariedade do grupo

Acordei com muitas dores, mesmo assim decidi ir ao passeio, pois não havia caminhada, iria ser apenas o passeio de chalana. Desci para o café da manhã e seguimos rumo ao Lago de Furnas.

O passeio estava marcado para as 9h, mas só chegando lá soubemos que haviam alterado para as 10h. Tratei de arrumar uma das poucas cadeiras confortáveis, sentei e apoiei o pé numa outra cadeira, pois são 3 horas de passeio.

Entrada do canyon

Começavam a chegar mais e mais pessoas para o passeio. Na empolgação a organização aumentava o som - axé e pagode eram o repertório. Muitas vezes não sabia o que era pior o som ou a dor no pé. Não era totalmente meu dia de azar, havia no grupo uma massagista - a Keico, que acabou `trabalhando` por algum tempo, fazendo com que minha tensão e a dor do pé melhorassem.

Cachoeira da Lagoa Azul

O passeio começou, infelizmente não aproveitei muito a vista, mas como já tinha feito numa outra viagem não fiquei tão curiosa. O que mais impressiona as pessoas é quando a chalana começa a entrar no canyon, causando curiosidade no que vem depois da curva, além da cor da água.

Lagoa Azul

Outro atrativo do passeio de chalana era os espetinhos de carne, frango e lingüiça, cervejas, refrigerantes e água (R$ 1,50 cada).

Passamos pela primeira cachoeira e a parada foi na segunda, a Cachoeira dos Namorados. A maioria pulou n`água aproveitando aquele sol escaldante que fazia. A segunda parada foi na cachoeira da Lagoa Azul, onde forma a piscina natural mais bela da Represa de Furnas. Com a ajuda de cordas o pessoal subiu até a piscina curtindo aquela maravilha. Enquanto isso eu escutava o som ensurdecedor e aguardava a volta.

Enfim de volta ao restaurante Enseada do Turvo (local de partida da chalana), esperamos uns 40 minutos para servirem o almoço, o qual já estava encomendado. Foi servido tilápia, traíra sem espinhos em grandes travessas com arroz, fritas, pirão e purê. Mais uma vez foi impossível comer pouco, de sobremesa doce de leite enrolado na palha do milho.

Voltamos ao hotel para banho e acertos de contas. A viagem de volta à São Paulo foi mais curta, em 5 horas e meia estávamos no ponto de partida, metrô Sta Cruz.

Serviços

Andaluzs Adventures - Turismo Ecológico
www.andaluzsadventures.com.br
5506-4076
5506-7072
info@andaluzsadventures.com.br

Dicas da autora

Rute Alves

Para as caminhadas dentro dos rios, a melhor opção é calçar papete, principalmente as que são a prova d`água e com solados antiderrapantes;

Quem não sabe nadar, deve levar colete salva-vidas nos passeios para não perder uma piscina natural sequer; No passeio de chalana podem ser alugados coletes por R$ 1,00;

Não encontrei pernilongos, mas fique atento às casas de marimbondos para não se aproximar demais, como no meu caso;

É recomendável que se encomende o almoço e jantar, evitando longa espera;

Para quem não suporta som alto e principalmente o estilo de som tocado durante o passeio da chalana, procure alugar um barquinho de pescador, que pode tornar o passeio mais prazeroso e agradável, com a opção de ficar por mais tempo nos melhores locais;

A rede de hotelaria está na cidade de Passos - o ponto de equilíbrio entre o rural e o urbano, mas se quiser sossego a melhor opção é ficar nas pousadas na vizinhança como: São João Batista do Glória, Piumhi e Capitólio;

Vale conferir as lojas da Avenida da Moda em Passos, pois além de bonitas confecções, os preços são excelentes. Durante a semana funciona das 8h30 às 18h e nos sábados das 9h às 13h. Durante o mês de dezembro haverá horário especial, permanecendo abertas por mais tempo;

São Roque de Minas

  
  

Publicado por em

Suzana montauriol

Suzana montauriol

12/01/2011 20:38:41
Gostaria de saber mais sobre esse passeio - Quem faz? Qual a agencia? como posso entrar em contato? gostaria de fazer agora no carnaval!
Obrigada!
Tudo é muito Lindo! Mas me parece que não é uma cidade só!
preciso saber como é feita essa excurção - Quanto tempo de campinas-SP?

JAIR ALCANTARA DOURADO

JAIR ALCANTARA DOURADO

06/12/2009 11:47:53
ADOREI MESMO VER ESSE PARAISO ECOLOGICO. MUITO LINDA A NATUREZA

Flavio

Flavio

04/04/2009 16:33:57
Graças a Deus moro neste paraíso,
Valeu Flavio Lara

Liliane Marques

Liliane Marques

26/02/2009 15:51:34
São João Batista do Glória é realmente um paraíso ecológico. Vale a pena conhecer. E não deixe de visitar o Cantinho de Minas, ou como é conhecido por lá, o "Bar do Barão". O Restaurante e Bar tem a melhor comida mineira da cidade, sem falar no atendimento que é de primeira...

Letícia Barbosa dos Santos

Letícia Barbosa dos Santos

11/02/2009 16:25:25
INCRÍVEL, APESAR DO MUNDO ESTAR COMO ESTÁ AINDA EXISTE MARAVILHAS PARA PODERMOS APROVEITAR O QUE A NATUREZA NOS OFERECE....

Marcos Parada

Marcos Parada

08/01/2009 16:27:00
amo mto esses lugares e gostaria de receber o maximo de informações possiveis a respeito!! parabens Ruth Alves, adorei a matéria!!! grande abraço a todos!!!

Nicole tereza rigon

Nicole tereza rigon

15/12/2008 14:42:12
lindo depois do natal vou la é o paraiso

Maria Mendonça Nicacio da Silva

Maria Mendonça Nicacio da Silva

26/11/2008 15:20:33
Gostaria de asaber mais desta cidade! Distancia de São Paulo, o turismo, as acomodações! a vida noturna em fim tudo!
Obrigada
Maria Mendonça