A Amsterdã que você não viu...

Nossa passagem pela capital holandesa foi muito mais do que o fatídico assalto no sábado à tarde. A casa de Anne Frank foi nossa primeira parada na sexta-feira. Não importa a hora do dia, sempre há uma fila imensa de turistas na entrada da casa que fica e

  
  

Nossa passagem pela capital holandesa foi muito mais do que o fatídico assalto no sábado à tarde. A casa de Anne Frank foi nossa primeira parada na sexta-feira. Não importa a hora do dia, sempre há uma fila imensa de turistas na entrada da casa que fica em frente a um belíssimo canal. Quando chegamos havia 100 pessoas na nossa frente. A espera foi rápida. Os lugares mais impressionantes da casa são o armário usado para esconder a passagem secreta que dava acesso ao esconderijo usado pela família de Anne e de uma outra também judia por dois anos durante a Segunda Guerra Mundial, que ainda guarda alguns arquivos da época, e o quarto onde Anne escreveu seu famoso diário. As paredes do quarto ainda estão preservadas com os recortes de revistas que a menina colou na época.

Fachada da casa de Anne Frank

Fachada da casa de Anne Frank

Cortamos alguns canais no centro de Amsterdã e chegamos até a praça Dam que fica em frente ao Palácio Koninklijk. Um lugar cheio de turistas e de pessoas um pouco diferentes, para dizer o mínimo. A Holanda é um dos países de maior diversidade da Europa, o que às vezes chega a chocar. Observar pessoas fumando maconha nas ruas é tão comum como encontrar alguém comprando pão. Quem não está acostumado realmente se imprenssiona. A praça é a cara de Amsterdã. Café elegantes, prédios antigos e gente. Gente de todos os jeitos, cores e gostos.

Canais que recortam Amsterdã

Canais que recortam Amsterdã

Seguimos algumas quadras e, ainda no centro da cidade, o famoso bairro da Luz Vermelha. Mulheres com pouquíssima roupa ficam em vitrines à espera dos clientes que circulam pela rua. O lugar funciona 24 horas por dia e é muito parecido com o que encontramos em Bruxelas, na Bélgica.

Dam: praça de todas as tribos

Dam: praça de todas as tribos

A próxima parada foi no Museu da Maconha. O lugar é interessante. Lá é possível conhecer a história da maconha no mundo, ver pés da erva crescendo em estufas e produtos feitos à base da folha, como tecido, tênis e bebidas. No fim da visita, por apenas alguns centavos, o turista pode dar uma tragada sem culpa.

Manifestação pela paz que reuniu milhares de pessoas em Amsterdã

Manifestação pela paz que reuniu milhares de pessoas em Amsterdã

No sábado, participamos de uma incrível manifestação pela paz na praça Dam. Milhares de pessoas estavam reunidas num protesto contra os ataques americanos no Iraque. Foi realmente emocionante participar... Lá encontramos brasileiros, americanos, libaneses, iraquianos, holandeses. Velhos e novos. Gente de todas as tribos reunida pela paz.

Eurotrip também não quer a guerra

Eurotrip também não quer a guerra

Da manifestação seguimos para o Rijksmuseum. O mais importante museu de Amsterdã. A história da Holanda é contada através de quadros e objetos antigos. Nos salões vimos também obras de grandes pintores como van Gogh e Rembrandt.

A partir daqui você já conhece a história. Voltamos para o carro e o encontramos arrombado... Mas isto já é passado.

  
  

Publicado por em