Chegamos à Itália

A noite foi tranqüila e o despertar bem animado. Bem ao nosso lado, estacionou, logo cedo, um ônibus lotado de velhinhos super divertidos. Foi difícil não acordar de bom humor ouvindo aquelas risadas que parecem da avó da gente. Abrimos a janela pra dar u

  
  

A noite foi tranqüila e o despertar bem animado. Bem ao nosso lado, estacionou, logo cedo, um ônibus lotado de velhinhos super divertidos. Foi difícil não acordar de bom humor ouvindo aquelas risadas que parecem da avó da gente. Abrimos a janela pra dar uma espiadinha e nos deparamos com uma mesa cheia de delícias. Bolo, pão, lingüiça, café com leite. O pessoal do ônibus fez uma espécie de acampamento no estacionamento e tomou o seu café. Aqui é muito comum, os carros e ônibus pararem na estrada, abrirem o porta-malas, preparar uma mesa e fazer a refeição ali mesmo. É um costume bem interessante.

Praça de pedágio na Itália

Praça de pedágio na Itália

O nosso café não teve bolo, mas também estava ótimo. Cláudia limpou alguns armários, enquanto a Pati e a Fá davam um jeito no esgoto. Logo pegamos a estrada rumo à Itália. Claudia e Patrícia sempre imaginavam o dia em que estaria em terras italianas, pra Fabiula isso não fazia muita diferença. O sonho dela era conhecer Berlim e isso já está feito.

Castelo no caminho para o Lago de Garda

Castelo no caminho para o Lago de Garda

A região do Tirol, ainda na Áustria, é belíssima. A paisagem é formada por cadeias de montanhas e vales. A estrada é ótima. O pedágio só que é meio salgado, pagamos oito euros na Áustria e nove e sessenta euros na Itália (observação: na Itália, existe uma rodovia com pedágio e outra não que segue logo ao lado. Quando se entra no país, todos os carros que trafegam na pedagiada recebem um papel informando qual praça de pedágio começou a rodar. Não há praças ao longo da rodovia. O pedágio é cobrado quando se sai da estrada. O motorista entrega o cartão que recebeu e paga proporcionalmente ao que andou. Nós achamos caro. Rodamos cerca de 150 quilômetros, tudo bem que eram montanhas, mas tivemos de desembolsar o equivalente a R$ 32 reais...)

Entardecer no lago

Entardecer no lago

Na Itália, fazia um calor infernal. Passamos por um termômetro que marcava 38 graus. Nossa idéia era seguir até Veneza, mas no caminho encontramos umas placas que indicavam o Lago da Garda. Fizemos uma rápida reunião e seguimos para o lugar... Mais uma vez demos uma dentro. O lago fica no pé de várias montanhas. Pra chegar lá tivemos que rodar por umas estradas super estreitas ao lado de precipícios. Mas cegamos sãs e salvas.

O difícil foi conseguir um lugar para estacionar o carro, simplesmente não tinha. Rodamos para um lado, para outro e nada. A sorte que a paisagem era muito bonita. O lago estava lotado de pessoas praticando windsurf. Cruzamos por uns 980 motorhomes, alguns com mais sorte e outros na mesma situação da gente. Loucos atrás de uma vaga. Todas nós estávamos mortas de cansaço e queríamos parar nem que fosse por alguns minutos.

Paramos num estacionamento, mas metade do nosso carro ficava fora da vaga. Nada feito. Decidimos então seguir até um mercado. O estacionamento era muito pequeno. Patrícia teve de suar mais um pouco pra espremer o carro na vaga... Fizemos algumas compras urgentes, mas nada de molhar os pés na água que a Patrícia tanto queria. Seguimos um pouco e encontramos outro mercado, aí sim com um estacionamento bem grande. Paramos novamente e dessa vez compramos outras coisas com um pouco mais de calma. Decidimos seguir viagem. Não conseguiríamos mesmo um lugar para parar perto do lago aqui nesta cidade...

Dirigimos então costeando o lago e alguns quilômetros à frente: Bingo... um estacionamento com vaga que caberia o nosso carro. O preço era um euro e cinqüenta a hora. Iríamos ficar pouco mesmo, uma hora seria o suficiente.

Cláudia e Fabiula não se mobilizaram em colocar roupa de banho, mas Patrícia se arrumou rapidinho e em minutos estava dentro d’água. No início, era bastante fria, mas depois o corpo acostumou. A água é transparente era possível enxergar o corpo todo submerso e as pedras que ficavam no chão. Foi um banho super relaxante. Patrícia ficou realizada... Na saída, o senhor que cuidava da portaria nos dispensou do pagamento. “Até amanhã”, disse... Estamos achando esse pessoal da Itália bem legal.

Seguimos mais um pouco e encontramos um outro mercado. Dessa vez queríamos só passar à noite. Foi o que fizemos. Uma noite um pouco barulhenta, porque estávamos a metros da rodovia, mas uma noite segura.

  
  

Publicado por em