Em Oviedo, com o presidente Lula

Ao chegarmos à cidade de Oviedo, percebemos uma movimentação que nos parecia fora do comum. Em uma das praças principais, um batalhão de caminhões de canais de televisão. Pelas ruas, algumas senhoras com trajes típicos espanhóis pareciam ir a uma festa. I

  
  

Ao chegarmos à cidade de Oviedo, percebemos uma movimentação que nos parecia fora do comum. Em uma das praças principais, um batalhão de caminhões de canais de televisão. Pelas ruas, algumas senhoras com trajes típicos espanhóis pareciam ir a uma festa. Infelizmente fomos descobrir o que acontecia quase dois dias depois, quando já estávamos em Santiago de Compostela. Parece que estou adiantando o diário de bordo. Já hoje, dia 24, estou falando do que aconteceu no dia 25. Calma aí, garotinha! Deixemos pra depois...

Placa com a “Vieira” – concha do mar, símbolo dos peregrinos

Placa com a “Vieira” – concha do mar, símbolo dos peregrinos

Logo após o jantar maravilhoso e bem quentinho de ontem, ótimo para dias chuvosos e friozinhos como hoje, saímos da cidade, pela primeira vez sem conhecer quase nada. Fomos para um grande estacionamento em um centro comercial já perto da saída que indicava o caminho que deveríamos tomar logo cedo. No estacionamento, apenas nós e um funcionário que fazia a limpeza. A noite foi ótima, silenciosa como nunca. Sem dúvida, todos puderam descansar.

Trecho de um dos caminhos milenares usados pelos peregrinos para chegar a Santiago de Compostela

Trecho de um dos caminhos milenares usados pelos peregrinos para chegar a Santiago de Compostela

Com o sábado já em pleno vapor, preparamos tudo para a viagem ainda cedo. Antes da partida, uma passada básica no supermercado. Na seção de eletrodomésticos um som bastante típico pra nós. No canal de televisão espanhola um clip da baiana Daniela Mercury nos levou ao Brasil. Em outro canto da seção, um cartaz com o jogador Ronaldinho Gaúcho – hoje atuando no Barcelona - mais uma vez lembrava a terrinha querida. Ainda no futebol, o Real Madrid mantém os craques Ronaldo e Roberto Carlos. Parece que aqui na Espanha estamos muito bem representados.

Jorge, caminhando a Santiago em busca de respostas para sua vida

Jorge, caminhando a Santiago em busca de respostas para sua vida

Pelos pouco mais de 300 quilômetros, pudemos passar por alguns trechos do místico Caminho de Santiago de Compostela, popularizado no Brasil pelo agora imortal Paulo Coelho através de seu Diário de um Mago. É difícil explicar a sensação de se estar em um lugar assim santo, conhecido e percorrido por peregrinos do mundo inteiro. Os brasileiros estão em quarto lugar entre os estrangeiros que mais fazem o caminho, ficando atrás apenas dos franceses, alemães e representantes dos Países Baixos.

Sentada à beira do caminho, esta senhora espanhola testemunha a passagem dos peregrinos

Sentada à beira do caminho, esta senhora espanhola testemunha a passagem dos peregrinos

Estávamos quase chegando a Santiago e nada de ver os benditos peregrinos. Será que a proximidade do inverno e as chuvas constantes afastaram os compostelanos? Começamos pelo norte e hoje estamos percorrendo o caminho francês, que começa em Saint-Jean-Pied-de-Port e é o único que atravessa os Pirineus. Pelo que sabemos, existem outros dois, o aragonês e o da costa atlântica.

Peregrinos na estrada há poucos quilômetros de atingirem a sua meta

Peregrinos na estrada há poucos quilômetros de atingirem a sua meta

Em média estes trechos que começam logo ali na fronteira com a França têm cerca de 800 quilômetros e são feitos em mais ou menos quarenta dias. O ritmo é marcado pela disposição e preparação física de cada um. Os albergues estão espalhados por todo os trechos. Além dos três caminhos mais famosos, existem dezenas de outros feitos pelos fiéis. Existem saídas até mesmo de Istambul, na Turquia, assim como de cidades do Reino Unido, Alemanha, Polônia e Portugal. Como os próprios guias explicam, o caminho é vivo como seus peregrinos.

Já no final da tarde, cruzamos com o primeiro deles: um cozinheiro que seguia desde o sul da Espanha. O entrevistamos e o seguimos por alguns metros. Foi difícil acompanhar o ritmo dele. Em poucos segundos e nem sinal de Jorge. Ele provavelmente deveria andar mais alguns quilômetros e pararia em um albergue para descansar e no dia seguinte, depois de mais uns vinte quilômetros, chegaria finalmente a Santiago de Compostela. Jorge ainda não havia encontrado as respostas que procurava, esperava tê-las até que chegasse à Catedral.

Mais alguns quilômetros e vimos outros poucos peregrinos pelo caminho. Geralmente eles caminham até bem mais cedo, já que começam a caminhada nas primeiras horas do dia. Seguimos então até nosso destino, rezando e, de certo modo, fazendo a nossa penitência e preparação para a chegada na cidade que hoje abriga os restos mortais do Apóstolo Tiago, um dos companheiros de Jesus na anunciação da Palavra. Pouco antes de morrer decapitado a pedido de Herodes, Tiago peregrinou até esta região da Espanha, sempre divulgando a Palavra.

Chegamos ao camping de Santiago bem no final da tarde. Mas ainda tivemos tempo para irmos até um centro comercial da cidade comprar pães e mais tarde prepararmos o jantar. A Catedral, o ponto final da maioria dos peregrinos, vai ficar para amanhã, quando também faremos nossa peregrinação, ao menos por dois quilômetros, agora a pé até o centro antigo de Compostela. Mas, desta vez ainda não receberemos a tão desejada compostelana, o certificado de peregrino. Pelo menos não agora... talvez da próxima vez.

Ah! Como eu havia começado a comentar no começo, aquela movimentação toda ontem em Oviedo era por conta da cerimônia de entrega do título de Príncipe das Astúrias a algumas personalidades internacionais, entre eles estava o nosso presidente Luís Inácio Lula da Silva. O nosso representante brasileiro estava na capa dos principais jornais espanhóis. Dá-lhe, Brasil!

  
  

Publicado por em