Estamos na Cidade-Luz...

Passamos a noite quase nos portões de entrada da Disney. Dali, bem cedo seguimos para a capital francesa, mais conhecida como Cidade-Luz. A expectativa era grande, afinal estávamos indo para uma das cidades mais citadas em livros e filmes por todo o mundo

  
  

Passamos a noite quase nos portões de entrada da Disney. Dali, bem cedo seguimos para a capital francesa, mais conhecida como Cidade-Luz. A expectativa era grande, afinal estávamos indo para uma das cidades mais citadas em livros e filmes por todo o mundo. São muitas as histórias que envolvem Paris e seus monumentos incomparáveis. É difícil segurar a emoção ao se deparar com algumas atrações como a Torre Eiffel, mesmo que só se veja um pedacinho dela de longe, o Arco do Triunfo, a Champs Élysées, o Palácio dos Inválidos – que guarda o túmulo e os restos mortais do imperador Napoleão, a igreja de Nôtre-Dame ou a magnífica Sacré-Coeur.

O nosso motorhome já faz parte do mais famoso cartão-postal da Cidade-Luz

O nosso motorhome já faz parte do mais famoso cartão-postal da Cidade-Luz

Logo que se passa pelos diversos viadutos que cercam a capital, se tem acesso a estas maravilhas. Os livros de história, a tela do cinema e as revistas de viagem parecem se abrir bem ali na nossa frente. E como se vivêssemos por aqui há algum tempo, vamos “instintivamente” indicando o caminho e apontando os famosos monumentos. Não é exagero dizer que quem chega a Paris pela primeira vez logo se apaixona pela cidade. Ou como o escritor americano Hemingway escreveu a um amigo em 1950: “Se você teve a sorte de viver em Paris, quando jovem, sua presença continuará a acompanhá-lo pelo resta da vida, onde quer que você esteja, porque Paris é uma festa móvel, que se carrega no coração.”

O famosos Arco do Triunfo, um dos símbolos da velha Paris

O famosos Arco do Triunfo, um dos símbolos da velha Paris

Paris é uma experiência pela qual todos deveriam passar. Os olhos se enchem a cada novo quarteirão, a cada novo cenário. Logo na chegada, passamos pela Place de la Concorde. O próximo passo seria cruzar a Champs Élysées e dar a volta em torno do Arco do Triunfo. Para os que olham o vai-e-vem de carros neste famoso cruzamento não entende muito como funciona aquele caos organizado, mas funciona. Passamos sem nenhuma buzinada no nosso ouvido. Parece que estamos nos ajustando ao trânsito das grandes cidades, logo que chegamos a elas.

Na Champs Élysées, o entardecer lembra os cenários de filmes

Na Champs Élysées, o entardecer lembra os cenários de filmes

Mais um pouco e estávamos no Palácio dos Inválidos com a dourada Ponte Alexandre III ao fundo. Dali para a Torre Eiffel foi um pulo. O símbolo maior de Paris não poderia ser outro. Milhares de pessoas se esparramam pelos gramados que a circundam e outras milhares esperam sua vez para subi-la. Aquela movimentação parece não parar nunca. À noite o agito é ainda maior. A cada hora cheia, a torre recebe uma iluminação adicional por dez minutos. Como se ela tivesse recebido uma carga elétrica, brilha igual a um pisca-pisca de Natal fora de época.

À noite, um dos mais belos espetáculos que já vimos nesta viagem: a Torre Eiffel iluminada

À noite, um dos mais belos espetáculos que já vimos nesta viagem: a Torre Eiffel iluminada

Sob este cenário, estacionamos o carro e passamos a nossa primeira noite na cidade européia preferida pelos casais apaixonados. Antes um probleminha, onde colocar o motorhome? Segundo fomos informadas, no mês de agosto em certas áreas o estacionamento é gratuito. Mas, na maioria deles placas indicavam a proibição para trailers e motorhomes. Pergunta pra um, pergunta pra outro e decidimos deixar o carro em um estacionamento particular com outros campings com o nosso. Vamos ver no que dá...

  
  

Publicado por em