Eurotrip no Castelo da Cinderela

O castelo, na verdade, tem outro nome, chama-se Neuschwanstein. Mas foi nele que Walt Disney se inspirou para criar o castelo da Cinderela, que aparece no desenho animado e nos parques da Disney. O castelo, bem ao sul da Alemanha, realmente é lindíssimo,

  
  

O castelo, na verdade, tem outro nome, chama-se Neuschwanstein. Mas foi nele que Walt Disney se inspirou para criar o castelo da Cinderela, que aparece no desenho animado e nos parques da Disney. O castelo, bem ao sul da Alemanha, realmente é lindíssimo, mas falaremos dele mais à frente. Como prometemos no diário de ontem, primeiro vamos ao filme das Panteras ao qual assistimos no último domingo.

Vista do castelo Neuschwanstein, no sul da Alemanha

Vista do castelo Neuschwanstein, no sul da Alemanha

Se você não viu, não precisa parar de ler o diário porque não vamos falar da história, somente fazer alguns comentários. O filme é uma sátira dele mesmo. Exageros não faltam do início ao fim. As cenas de salvamento são muito irreais, Super Homem, Mulher Maravilha e Batman parecem menos heróis do que as três. Não é de se estranhar, que as “panteras” tenham ignorado Demi Moore nas pré-estréias do filme pelo mundo. A atriz está muito melhor do que elas, embora pareça um pouco artificial de tanto puxa aqui, estica lá.

Uma das salas mais bonitas do castelo, a dos Cantores

Uma das salas mais bonitas do castelo, a dos Cantores

Que saudades da série verdadeira, saudade da Kelly, Sabrina e da Gill, as Três Panteras de antigamente eram muito melhores. Mostravam bem menos as barrigas e os bumbuns sarados, mas eram mais divertidas. Ah! Não dá pra esquecer do Santoro. Tudo bem que ele tem uma aparição rápida, não abre a boca e quase não veste a camisa. Mas preferimos ele àquele outro personagem, um cara chato e louco que arranca cabelo da mulherada e fica alucinado com o perfume. Resumindo: as melhores atuações do filme são de Charlie (que não aparece) e de Rodrigo Santoro (que não fala absolutamente nada)...

Vista privilegiada do alto do castelo

Vista privilegiada do alto do castelo

Voltando ao castelo... Ele fica a poucos minutos da minúscula cidade de Schwangau. Na verdade, de todos os castelos que vimos, este é o que mais se parece com um, cheio de telhados em vários níveis e torres. Fica no alto de uma montanha, não tão alta assim, e a vista que se tem das janelas é incrível: vales, lagos e as montanhas bávaras. O castelo foi construído para o excêntrico rei Ludwig 2°.

Castelo de Hohenschwangau

Castelo de Hohenschwangau

Normalmente os castelos têm reis, rainhas, príncipes e princesas. Mas este tinha apenas um rei que vivia só, apenas rodeado de empregados. Embora tendo assumido compromisso com Sofia, irmã mais nova da Imperatriz austro-húngara Sissi, nunca se casou. Foi retirado do castelo e deposto aos 41 anos por não ter mais condições de reinar. Dois dias depois, morreu afogado num lago. A morte trágica é um mistério até hoje. O rei Ludwig 2° é o mais querido dos moradores da Bavária.

Casarios antigos em Landsberg am Lech, na Rota Romântica

Casarios antigos em Landsberg am Lech, na Rota Romântica

A história trágica que envolve o castelo também está pintada nas paredes dos cômodos do castelo: a ópera Tristão e Isolda, de Richard Wagner, a preferida do rei.

Do castelo de Neuschwanstein, se avista o Hohenschwangau. Em beleza e majestade, este nem se compara ao “Castelo da Cinderela”, ou melhor, do rei Ludwig 2°. Os dois são ricamente decorados com afrescos em todas as paredes, mas as salas e ambientes do castelo de Neuschwanstein são maiores e mais douradas. O rei temia que seus súditos profanassem seu castelo, por isso as visitas eram estritamente proibidas. Semanas após sua morte, o castelo foi aberto à visitação, numa ousadia antes jamais permitida.

Estes dois castelos são as últimas paradas sugeridas no roteiro da Rota Romântica, no sul da Alemanha. A Romantische Strasse começa em Würzburg, próxima a Frankfurt, e passa por 26 cidades. Nem todas possuem castelos, mas foram incluídas por sua arquitetura singular e pala história de seus povoados. Entre os monumentos a serem visitados estão igrejas, vilarejos esculturas e pontes antigas. No ano 2000, a rota completou 50 anos de sua instituição.

Nossa próxima parada seria o campo de concentração de Dachau, no caminho de Munique, e resolvemos fazer parte do trajeto seguindo pelas pequenas estradas que formam a rota, considerado um dos atrativos mais populares da região da Bavária. Seguimos então de Füssen até Friedberg e completamos quase um terço da Romantische Strasse. Paramos apenas em Landsberg am Lech, onde vimos o casario antigo às margens do rio Lech e a torre da igreja, que datam de mais de 700 anos.

A propaganda feita em torno desta região é bastante grande, mas o que vimos de mais bonito e interessante mesmo foram os castelos de Schwangau. Mas, para quem gosta de paisagens bucólicas e de pequenas estradas que cortam vilarejos agrícolas, este é o passeio ideal. Quem quiser saber mais sobre a rota pode acessar o site www.romantischestrasse.de .O tour também pode ser feito de ônibus ou de bicicleta (www.deutsche-touring.com).

Amanhã estaremos em Dachau, o primeiro campo de concentração nazista. Até lá...

  
  

Publicado por em

Vera Maria

Vera Maria

15/11/2008 17:18:00
Tivemos a oportunidade de visitarmos "Landsberg Am Lech" (por acaso) e me encantei.....foi uma pena o castelo Neuschwanstein estar fechado, também fizemos a Rota Romântica. Adoramos!! Sem contar, que o povo Alemão é muito hospitaleiro e atencioso.
Vera Maria