Genebra sem o cartão-postal

Logo cedo percebemos que havia alguma coisa de errado no lugar que escolhemos para passar a noite. Acordamos com uma batida forte no carro. Ao olhar por uma das janelas, nos deparamos com um rapaz uniformizado (com pinta de guarda) que parecia incomodado

  
  

Logo cedo percebemos que havia alguma coisa de errado no lugar que escolhemos para passar a noite. Acordamos com uma batida forte no carro. Ao olhar por uma das janelas, nos deparamos com um rapaz uniformizado (com pinta de guarda) que parecia incomodado com a nossa presença ali. Não fomos falar com ele, nenhuma estava com o cabelo a menos de 15 centímetros de altura, o rapaz iria se assustar. Ele bateu novamente e depois parou. Deve ter desistido, pensamos...

Bandeiras que representam os países que integram a ONU, em frente à sede em Genebra

Bandeiras que representam os países que integram a ONU, em frente à sede em Genebra

Saímos do motorhome e antes de circular pela cidade, fomos dar uma volta no shopping. Encontramos uma loja de cds, vários com preços bem especiais, mesmo em francos suíços. Acabamos aumentando a nossa coleção de cds: temos agora mais dois de música clássica, um de música celta, um na voz de Marilyn Monroe e outros com Nat King Cole, Ella Fitzgerald, Billie Holiday, Mahalia Jackson, Peggy Lee, Carol Douglas e James Brown, esses últimos sob a influência do festival de jazz de Montreux. Também demos uma passadinha na C&A. Não se trata de propaganda, é que aqui e em Berna, a loja oferece acesso à internet de graça, a única exigência é que não se demore mais que vinte minutos por pessoa. A dica é boa, principalmente em um país onde a internet é tão cara como aqui.

Bem em frente à ONU fica esta escultura gigante, a cadeira tem a mesma altura do prédio

Bem em frente à ONU fica esta escultura gigante, a cadeira tem a mesma altura do prédio

Voltamos pro carro pra deixar os cds e percebemos que havia um bilhete no pára-brisas do carro. O papel informava o que já suspeitávamos, que estávamos onde não deveríamos estar. O estacionamento é privado. Resolvemos procurar outro lugar antes que aquele aviso se transformasse numa multa.

Torres da Cathédrale St. Pierre

Torres da Cathédrale St. Pierre

Encontramos uma vaga a poucos metros do lugar, agora no estacionamento da rua. E olha... Como tem brasileiros aqui. Ficamos poucos minutos no carro e logo passou a Cida, uma paulista que vive aqui trabalhando como babá (isso sem contar a Sandra que conhecemos no shopping e que mais tarde reencontramos passeando na beira do Lago Léman). Ou os suíços gostam muito de brasileiros ou são os brasileiros que gostam desse país e desse povo. Uma prova é o festival de jazz que sempre tem dois ou três dias reservados para os nossos artistas. Não é difícil encontrar cds de músicos brasileiros nas lojas por aqui. Outro fator que nos chamou atenção foi ver uma casa de câmbio trocar reais. Foi a segunda cidade nesses quase cinco meses de estrada que oferece esse serviço... A primeira foi Bruxelas. Legal!!!

Vitral no interior da Cathédrale St. Pierre

Vitral no interior da Cathédrale St. Pierre

No nosso passeio por Genebra, fomos ao Palais des Nations, sede da ONU na Europa... Depois seguimos para a cidade velha situada num monte rochoso. Diz-se que essa é a parte mais atraente da cidade. O lugar é cheio de vielas e becos, com uma arquitetura bastante charmosa. Bem no centro está a Cathédrale St. Pierre, uma igreja protestante, sem luxo, bem aos moldes da herança da Reforma. No seu interior, está em exposição uma cadeira usada por Calvin, que junto com Zwingli, difundiu o protestantismo no país no século 16.

Margem do lago florido

Margem do lago florido

Terminamos o dia às margens do lago em frente a um coreto, onde uma pequena orquestra tocava músicas tradicionais de fanfarras. A vista é bem interessante: água clara, barcos e algumas construções antigas na beira do Léman, além de um gramado imenso, ciclovia e passeio para pedestres. Só faltou o cartão-postal de Genebra, o Jet d’Eau. Uma fonte gigantesca, a maior do mundo, que lança água a uma altura de até 140 metros. São 500 litros de água por segundo jorrando de uma das extremidades do lago. Infelizmente por causa do vento, ela estava desligada... Que azar, hein??? Tudo bem, nós ainda teremos amanhã. Talvez nessa quinta-feira tenhamos mais sorte.

  
  

Publicado por em