Uma segunda-feira de visitas em Viana do Castelo

Não tinha como errar os endereços das agências e do escritório de uma das mais importantes operadoras de turismo em Viana. Todos ficam a poucos metros de distância. A primeira visita foi a Abreu, segundo o funcionário a operadora que mais vende o Brasil e

  
  

Não tinha como errar os endereços das agências e do escritório de uma das mais importantes operadoras de turismo em Viana. Todos ficam a poucos metros de distância. A primeira visita foi a Abreu, segundo o funcionário a operadora que mais vende o Brasil em Portugal. Segundo ele, somente em dezembro eles enviam para o Brasil mil pessoas por semana em vôos particulares. Além de entregar o nosso material, conseguimos os endereços das sedes em Porto e em Lisboa.

Visita ao escritório da operadora Abreu, em Viana do Castelo

Visita ao escritório da operadora Abreu, em Viana do Castelo

Enquanto esperávamos para sermos atendidas numa das agências, encontramos um senhor que estava a poucos dias de viajar para o Brasil. Realmente o Brasil é um destino bem procurado por aqui. Existem catálogos exclusivos para o país. Mas o mais freqüente é a venda de destinos com praias, como o Nordeste. Foz do Iguaçu aparece em pacotes que incluem várias cidades, como por exemplo: Foz, Rio, Salvador e Manaus.

Na vitrine do Natário, o pão-de-ló preferido de Jorge Amado

Na vitrine do Natário, o pão-de-ló preferido de Jorge Amado

Na volta para o carro um recorte de jornal numa vitrine de uma confeitaria nos chamou atenção. O pedaço de diário dizia que estávamos em frente à confeitaria preferida de Jorge Amado. Impossível não entrar e saber mais sobre a história. No salão onde são servidos os cafés, uma fotografia de Zélia e de Jorge Amado autografada e com dedicatória aos amigos e proprietários da confeitaria: sr. e sra. Natário. Uma funcionária nos explicou que sempre que o escritor brasileiro vinha para Viana do Castelo, aparecia no Natário para comprar um pão-de-ló. “O nosso era o preferido dele”, falou orgulhosa a funcionária.

O centro histórico de Viana do Castelo

O centro histórico de Viana do Castelo

Seguimos o nosso caminho e nos deparamos com um grupo de jovens com capas pretas de lã bem compridas. Tentamos fotografá-los, mas estávamos distantes demais. Fabiula correu até eles e pediu para que esperassem um pouco para que nós pudéssemos fotografá-los. Muito simpáticos, eram quatro moças e um rapaz, todos universitários do curso de Administração de Empresas (aqui em Portugal chamam de Gestão).

Os universitários em seus trajes especiais

Os universitários em seus trajes especiais

Eles nos explicaram que cada universidade aqui em Portugal tem um uniforme próprio. O deles era terno preto para os homens e traje com saia e blazer, também pretos, para as mulheres. Ambos usam uma camisa branca bordada à mão, desenho exclusivo do instituto. A roupa deles era mesmo bonita.

No lado esquerdo do terno ou do blazer, uma infinidade de “penduricalhos”: uma faixa colorida que indicava as cores da universidade e do curso, estrelas que indicam o ano que estão cursando... Na parte interna da capa, mais símbolos. Dessa vez, são distintivos bordados que indicam a cidade onde o universitário nasceu, o país, a universidade onde estuda, o curso que faz... “É possível conhecer toda a vida acadêmica do aluno observando a sua capa”, explicou um deles... Antigamente eles vestiam o traje também em dias de provas, mas agora somente em solenidades e dias especiais... Depois de muita conversa, finalmente eles posaram para uma fotografia...

A chuva começou a apertar e seguimos para o carro. Em poucos minutos estávamos na estrada. Foram apenas 70 quilômetros para que chegássemos no Porto. Dizer que essa cidade é a cara do Brasil não tem nada de exagero, pelo menos essa foi a nossa primeira impressão.

Partimos para a nossa “via crucis” até encontrarmos um lugar para parar o carro. Mas, na verdade, nem foi tão difícil assim. Conseguimos uma vaga, almoçamos e fomos à procura de informações para começar a trabalhar por aqui.

Porto é a segunda maior cidade de Portugal, com cerca de 300 mil habitantes e é um agitado centro industrial. Uma de suas pérolas é o vinho do Porto, encorpado e rico em álcool. A bebida de cor escura tradicionalmente é servida após as refeições, mas o Porto branco, ao contrário, é bebido resfriado, como aperitivo. O vinho do Porto vem nos acompanhando desde a Holanda, quando ganhamos uma garrafa da nossa querida amiga Mara e de seu marido, Harold. Agora que estamos aqui, que tal conhecer os detalhes da produção???

  
  

Publicado por em