Visita a agências em Bilbao

Depois de dar com o nariz na porta do Museu Guggenheim, descobrimos na volta pra casa (ainda no domingo à noite) que havia uma agência de viagens que operava com o Brasil, conseqüentemente com Foz do Iguaçu, a poucos metros de onde estávamos estacionadas.

  
  

Depois de dar com o nariz na porta do Museu Guggenheim, descobrimos na volta pra casa (ainda no domingo à noite) que havia uma agência de viagens que operava com o Brasil, conseqüentemente com Foz do Iguaçu, a poucos metros de onde estávamos estacionadas. Resolvemos passar a noite ali mesmo.

O dia amanhecendo em Bilbao, depois das oito da manhã

O dia amanhecendo em Bilbao, depois das oito da manhã

A escolha foi acertada porque na segunda não fizemos apenas uma, mas cinco visitas nas redondezas e encontramos um cyber café, onde pudemos atualizar a nossa página e responder os nossos e-mails. Mas o custo benefício talvez tenha sido um pouco alto. O estacionamento fica ao lado de uma avenida bastante movimentada, sem contar que está em andamento uma obra gigante bem perto de onde estávamos. Ainda de madrugada começou a barulheira de ferro batendo, caminhão manobrando, guindastes trabalhando... Tudo bem, sempre pode ser pior!!!

Agente de viagem espanhol com material de Foz do Iguaçu

Agente de viagem espanhol com material de Foz do Iguaçu

Quanto às visitas, todas as agências que visitamos trabalham com Foz do Iguaçu. Os operadores comentaram que o destino é bastante conhecido e procurado. Os pacotes que oferecem as Cataratas incluem também ou cidades da Argentina ou as praias brasileiras. Os agentes disseram ainda que nem todas as pessoas que visitam o Brasil conhecem Foz. “Vão para as Cataratas os espanhóis que dispõem de mais dias de férias”, comentou o funcionário da Viajes Ecuador, com 125 agências na Espanha.

Visita a outra agência que opera com o Brasil

Visita a outra agência que opera com o Brasil

Feito o trabalho, voltamos pro carro no exato momento em que começou a cair uma chuvarada que se estendeu durante todo o dia. Aqui quase ninguém é pego desprevenido pela chuva. A maioria das pessoas carrega um guarda-chuva como fiel escudeiro.

“Foz do Iguaçu é um destino antigo, levamos cerca de vinte pessoas por mês para o Brasil”, disse a agente Gloria Erkoreka Bengoetxea

“Foz do Iguaçu é um destino antigo, levamos cerca de vinte pessoas por mês para o Brasil”, disse a agente Gloria Erkoreka Bengoetxea

No País Basco há algumas particularidades quanto ao resto da Espanha. A região tem sua polícia própria, parlamento e depende muito pouco da capital Madri. Parte da população quer a separação da Espanha, defendendo a idéia de que é um povo diferente dos espanhóis, muito anterior a eles. Aqui se fala além do espanhol o euskera, um idioma completamente diferente do castelhano e que se assemelha um pouco à gramática alemã.

Vista de Bilbao

Vista de Bilbao

É possível aprender euskera na escola. Os pais é que escolhem se os filhos aprendem ou não. Existem escolas bilíngües de euskera e espanhol e outras que ensinam apenas o castelhano. Durante a nossa saída, conversamos com um espanhol que nos pareceu um pouco radical. “Os pais que não têm um dedo de visão fazem seus filhos aprenderem apenas o espanhol”, disse ele. Sendo assim, a gente não discute.

Não percebemos durante a nossa passada por Bilbao, mas ficamos sabendo que muitos aqui andam com guarda-costas. Normalmente são pessoas influentes contrárias à separação do País Basco da Espanha.

Nossa visita à imprensa não deu muito certo hoje. Passamos mais uma noite naquele estacionamento “silencioso” vizinho ao Guggenheim. Amanhã, depois da visita, seguiremos para Santander, a capital da Cantábria.

Ah! Estava esquecendo de comentar, o dia está amanhecendo bem tarde. Oito horas da manhã ainda é noite por aqui. A cidade é cheia daqueles armazéns que há muito não vemos mais nas grandes cidades brasileiras. E a tal da “siesta” é praticamente lei por aqui. Quase tudo fecha entre a uma e três da tarde, às vezes, quatro horas... Isso que é vida, você não acha?

  
  

Publicado por em