Visita oficial na Embaixada Brasileira

Apesar de um pouco barulhenta, a noite foi segura em um posto de gasolina que encontramos nos arredores de Madri. Acordamos bem cedo para, quem sabe, pegar alguma boa vaga para o carro antes dos espanhóis começarem a circular. Imaginem qual não foi o noss

  
  

Apesar de um pouco barulhenta, a noite foi segura em um posto de gasolina que encontramos nos arredores de Madri. Acordamos bem cedo para, quem sabe, pegar alguma boa vaga para o carro antes dos espanhóis começarem a circular. Imaginem qual não foi o nosso espanto quando ouvimos o vigia do posto batendo na nossa porta. Patrícia pensou que ele talvez quisesse uma carona, mas o motivo da visita na alvorada era outro, ele queria nos cobrar 10 euros (cerca de 35 reais) pelo uso do estacionamento. Nos assustamos e ficamos bastante chateadas, afinal porque ele não disse que teríamos que pagar no dia anterior? Achamos um abuso e não pagamos. Não há problema algum em cobrar, mas a estratégia de deixar para o dia seguinte nos pareceu de má fé. E somos nós brasileiros que levamos a fama de espertinhos...

José Carlos Villarreal, responsável pelo Brasil na operadora Abreu em Madri

José Carlos Villarreal, responsável pelo Brasil na operadora Abreu em Madri

Infelizmente a idéia não era assim tão original e apesar de ser ainda cedo, o trânsito já estava um tumulto só. Quando achamos que só um milagre nos salvaria, lá veio ele, encontramos uma ótima vaga bem ao lado de um ponto de informações turísticas. Só tivemos que esperar até o escritório abrir as 10h30. Os horários aqui na Espanha são realmente muito loucos pra gente que não está acostumada. Eles começam a trabalhar às 10 horas da manhã e seguem até à 1h30, 2 da tarde, quando começa a siesta, voltam às 4h30 e continuam até umas 7 horas. Nesta época do ano começa anoitecer às 6 horas e para podermos fazer o nosso trabalho acabamos tendo que ficar até de noite na rua, o que não gostamos. Além do frio, a cidade começa a ficar perigosa.

Wilson Itamar da operadora brasileira Lastra

Wilson Itamar da operadora brasileira Lastra

Pegamos as informações que precisávamos e seguimos para a Embaixada Brasileira. Fomos muito bem recebidas pelo Hildebrando Barboza, do departamento comercial e turismo, conhecemos também o Joel Sampaio, chefe do departamento comercial. Por coincidência ele também é jornalista e já foi chefe do departamento de jornalismo da TV Cataratas, emissora onde a Patrícia trabalha em Foz do Iguaçu, e está licenciada devido à expedição. Conversamos bastante e entregamos materiais promocionais da cidade. O departamento apesar de muito atuante, sofre com a falta de folheterias, fotos e vídeos para promover os destinos do Brasil.

O imponente Edifício Espanha, onde fica a operadora Lastra

O imponente Edifício Espanha, onde fica a operadora Lastra

Como sempre fazemos pedimos dicas de lugares seguros para estacionarmos o carro e foi aí que descobrimos que havíamos estacionado num lugar um pouco perigoso. Um outro funcionário mora bem próximo da embaixada e nos disse para mudarmos o motorhome para a rua dele ou numa paralela onde fica a Embaixada Alemã. Como o carro tem placa alemã ele achou que seria seguro. Por sorte encontramos uma vaga num dos locais que ele indicou. Mais tranqüilas, voltamos para a embaixada para planejar os próximos passos em Madri.

Detalhe da Igreja São José no centro de Madri

Detalhe da Igreja São José no centro de Madri

A tarde foi bastante produtiva, o Hildebrando conseguiu agendar para a manhã seguinte uma entrevista com uma jornalista do grupo Viajes por Excelência. Eles editam revistas especializadas em turismo que circulam em mais de 60 países, além do site. Aproveitamos ainda o dia e fizemos duas visitas a operadoras de turismo. Uma delas a Lastra, pertence a um brasileiro, Wilson Itamar. Segundo o Wilson, Foz do Iguaçu é destino certo de todas as pessoas que visitam o Brasil com eles. Apesar dele não possuir uma estatística do número de turistas que leva anualmente, a notícia foi bastante positiva. Só apontou um problema: Foz não tem entretenimento.

Chafariz na Praça Espanha, um dos pontos turísticos de Madri

Chafariz na Praça Espanha, um dos pontos turísticos de Madri

Seguimos para a outra operadora, a Abreu, uma velha conhecida nossa de Portugal. Nos reunimos com José Carlos Villarreal, responsável pelo Brasil e entregamos o material de Foz.

Já era noite quando voltamos para casa e pra espantar o frio que fazia do lado de fora, tomamos chá de frutas com um delicioso bolinho de chuva que a Patrícia preparou. Apesar de segura, a noite foi um pouco barulhenta. Mesmo de madrugada, muitas pessoas circulavam pela área e tivemos a “sorte” de ser justamente o dia da coleta do lixo reciclável. Dormimos ao som das garrafas de vidro se quebrando no caminhão. Coisas de expedição!

  
  

Publicado por em