Amterdã - Holanda

Fundada em 1200, Amsterdã era apenas uma vila de pescadores na foz do rio Amstel. Pouco mais de 400 anos depois já era considerado o principal porto comercial do norte da Europa. Hoje, a cidade abriga cerca de 1 milhão de habitantes e a fama de ser a capi

  
  

Fundada em 1200, Amsterdã era apenas uma vila de pescadores na foz do rio Amstel. Pouco mais de 400 anos depois já era considerado o principal porto comercial do norte da Europa. Hoje, a cidade abriga cerca de 1 milhão de habitantes e a fama de ser a capital da Liberdade. Aqui assuntos polêmicos como o aborto, a eutanásia, o casamento homossexual e a liberação do uso de drogas como maconha e haxixe não causam mais discussões. Mas, a tentativa de libertar dos preconceitos a capital holandesa deixou marcas. Em Amsterdã se convive com a beleza dos canais e dos prédios seculares e também com uma outra face bastante degradante. Jovens fumando maconha pelas ruas e mulheres expostas em vitrines mostram o lado decadente da liberdade e da tolerância religiosa, filosófica e política. Apesar dos problemas, Amsterdã também carrega o título de capital cultural do mundo e atrai mais de 1,5 milhão de turistas por ano. Museus, história e costumes deixados pelos povos que se misturam pelas diversas regiões da cidade guardam a magia deste lugar vibrante e moderno.

A bicicleta é o principal meio de transporte da capital

A bicicleta é o principal meio de transporte da capital

principais atrações - Amsterdams Historisch Museum, Bairro da Luz Vermelha, Begijnhof, Casa de Anne Frank, Cervejaria Heineken, Curva Dourada, Dam, Estação Central, Joods Historisch Museum, Jordaan, Koninklijk Paleis, Madame Tussauds, Magere BrugMuseu da Maconha, Museu Erótico, Museu do Sexo, Museu da Tatuagem, Museu van Gogh, Museu Rembrandt, Museu Amstelkring, Nederlands Scheepvaart Museum, Nemo, Nieuwe Kerk, Oude Kerk, Plantage, Rijksmuseum, Stedelijk Museum, Teasers Bar.

Canais movimentados no centro de Amsterdã

Canais movimentados no centro de Amsterdã

Bairro da Luz Vermelha - A prostituição em Amsterdã começou a despontar no século 13, quando a cidade se destacava com o movimento do porto. Em 1478 criou-se uma área restrita para a prática da atividade que já se estendia por toda a cidade. As prostitutas eram obrigadas a permanecer na zona de confinamento. Um século mais tarde, os calvinistas tentaram regulamentar a prática, sem sucesso. No século 17, a prostituição começou a ser abertamente tolerada. Hoje, o Bairro da Luz Vermelha ou Walletjes (pequenos muros), próximo à praça Dam, abriga em suas ruelas diversos sex shops, boates e vitrines onde mulheres semi nuas - e cuja beleza varia entre extremos - ficam expostas para atrair clientes. Durante a noite não é aconselhável andar pela região sozinho. Mas durante o dia, o movimento de visitantes torna o lugar menos decadente.

Em qualquer hora do dia, a fila sempre é longa para entrar na casa onde morou Anne Frank

Em qualquer hora do dia, a fila sempre é longa para entrar na casa onde morou Anne Frank

Casa de Anne Frank - Durante a Segunda Guerra Mundial, por dois anos, as famílias judias Frank e Van Daan permaneceram escondidas da fúria nazista. Dois andares e o sótão da casa localizada na Prinsengracht 263 foram chamados pela pequena Anne Frank de “o anexo secreto’. Neste lugar minúsculo, pouco ventilado e de iluminação escassa viveram oito pessoas, que mal podiam conversar ou se movimentar na casa para evitar que alguém percebesse a presença deles no lugar e os denunciasse para os alemães. A pequena Anne, então com 13 anos, iniciou o seu famoso diário que em 1947 - dois anos após sua morte no campo de concentração de Baden-Baden - expôs ao mundo um comovente relato de uma vida de perseguição e confinamento. Na casa, estão preservados apenas alguns móveis do escritório de Otto Frank, pai de Anne, a estante que escondia a passagem secreta para o anexo e alguns dos recortes que a menina pregava nas paredes de seu minúsculo quarto. A visita à casa é bastante disputada, durante todo o dia há fila, mas a espera é curta. Vídeos explicam a história do lugar e os horrores promovidos pelos nazistas na perseguição aos judeus.

Bebidas feitas a base da folha da maconha

Bebidas feitas a base da folha da maconha

Cervejaria Heineken - os apreciadores da boa cerveja podem se deliciar neste lugar, conhecendo a história, o processo de fabricação e variedades, além de provar esta bebida milenar e consumida em todo o mundo. A entrada é permitida apenas para maiores de 18 anos. Mais informações pelo telefone 31 (0)20 523 9666 ou no site www.heinekenexperience.com .

Tênis fabricado com a mais legítima cannabis

Tênis fabricado com a mais legítima cannabis

Rijksmuseum - Só o prédio, mesmo que não tivesse nada dentro, já mereceria uma visita. Mas, além de sua beleza exterior, o museu - considerado um marco de Amsterdã - ainda abriga um acervo magnífico e variado de artistas holandeses como van Gogh, Jan Vermeer, Frans Hals e Rembrandt. No Rijks ainda podem ser apreciadas belas peças da coleção de arte asiática e esculturas, assim como a parte dedicada à história da Holanda. Pare este museu reserve um ou dois dias.

Museu van Gogh - Vincent van Gogh começou a pintar aos 27 anos, dez anos antes de sua morte. As 35 anos, estabeleceu-se em Arles, no sul da França, onde pintou mais de 200 telas em 15 meses. Durante a permanência na França, van Gogh sifreu terríveis crises de depressão e alucinações, levando-o a cortar parte de sua orelha direita. Sua instabilidade mental o levou a um hospício. Grande parte de suas telas registram cenas e paisagens do lugar. Nos últimos 70 dias de sua vida, pintou 70 quadros, um por dia, até que em julho de 1890 uma nova crise o levou ao suicídio, com um tiro na própria testa. No museu, além das obras do mestre, estão alguns dos quadros que inspiraram o pintor em sua curta carreira. É possível ver ainda uma de suas últimas pinturas, ainda inacabada.

Estação Central - Alguns prédios de Amsterdã valem a visita. É o caso da Estação Central - construída em 1889 construída pelo mesmo arquiteto do Rijksmuseum: P. J. H. Cuypers.
atenção - Por ser uma cidade plana, Amsterdã oferece excelentes condições para quem gosta de dar umas pedaladas. As bicicletas aqui são quase sagradas e os ciclistas quase reis: as ruas, calçadas e pontes são deles. Os pedestres que não estão acostumados com o vai e vem das mais de 550 mil bicicletas precisam estar sempre atentos, caso contrário serão surpreendidos pelas campainhas características e até mesmo pela advertência, nem um pouco simpáticas, dos ciclistas.

Para quem gosta de um belo passeio mais tranqüilo e romântico, aproveite para descansar a bordo de um dos vários barcos com visão panorâmica que cortam os famosos canais de Amsterdã e fazem um tour pelos principais museus da cidade. As saídas são sempre do cais próximo à Estação Central. Ou se preferir, alugue uma bicicleta e percorra as ruas centrais sentindo-se um verdadeiro holandês na capital das utopias.

curiosidade - O uso de pequenas quantidades de maconha e haxixe é liberado em toda a Holanda. Em Amsterdã, estas drogas são livremente vendidas nos chamados cofee shops - bares identificados com desenhos de folhas de maconha na fachada. Mas cuidado, drogas mais pesadas são proibidas e quem fôr apanhado com mais de 5 gramas de maconha ou haxixe também pode ser preso por tráfico.

Mais informações no site www.visitamsterdam.nl

Amsterdã (Holanda)- A Lufthansa voa diariamente para Amsterdã, com conexão em Frankfurt. Até 25 de abril, a passagem aérea em classe econômica para Amsterdã, ida e volta, custa US$ 696 de segunda a quinta-feira e US$ 721, de sexta a domingo. De 26 de abril a 20 de junho, a passagem aérea em classe econômica para Amsterdã, ida e volta, custa US$ 724 de segunda a quinta-feira e US$ 749, de sexta a Domingo. Para mais informações e reservas, basta ligar (11) 3048 5800 e no Rio (21) 3687 5000. Ou pela Internet www.lufthansa.com.br

  
  

Publicado por em