Berchtesgaden - Alemanha (parte I)

Apesar da história anterior e posterior, a cidade de Berchtesgaden sempre vai ser lembrada como o reduto de líderes nazistas, tendo como seu maior freqüentador o ditador Adolf Hitler. A fortaleza construída nos Alpes bávaros era o lugar preferido do Führe

  
  

Apesar da história anterior e posterior, a cidade de Berchtesgaden sempre vai ser lembrada como o reduto de líderes nazistas, tendo como seu maior freqüentador o ditador Adolf Hitler. A fortaleza construída nos Alpes bávaros era o lugar preferido do Führer, onde ele passava a maioria de seus finais de semana, antes e durante a Segunda Guerra Mundial, longe da burocracia de Berlim. Lugar preferido também de Eva Braun, sua companheira e – para o povo alemão – sua secretária particular. Conforme a ideologia nazista, o Führer deveria ser só e ter a Alemanha como sua única esposa.

No museu, um dos quadros que exaltavam Hitler

No museu, um dos quadros que exaltavam Hitler

Hitler esteve pela primeira vez nas montanhas de Berchtesgaden no verão de 1923 para passar suas férias. A região era conhecida até então apenas pelas suas propriedades curativas. O ar fresco daqueles 970 metros de altitude, diziam, era bom para a saúde e curava várias doenças respiratórias, além de aliviar o cansaço físico e mental. Com a chegada dos nazistas, passou a ser tratado como um lugar praticamente “sagrado”, já que ali estava a Berghof, casa predileta do “Salvador da Alemanha”.

Entrada do bunker aberto à visitação

Entrada do bunker aberto à visitação

Conta a lenda que naqueles Alpes vivia adormecido o grande imperador Barba-Roxa. Ele e seus soldados permaneceriam ali à espera de um dia despertar de seu sono encantado e salvar o povo alemão de todo o sofrimento, trazendo a paz para a Alemanha. Aproveitando-se desta história, os mentores da propaganda nazista transferiram esta façanha ao Führer, que desempenharia o papel de Salvador da Pátria. Por isso, Berchtesgaden, até então um retiro terapêutico, foi transformada em refúgio e lugar de descanso do `grande líder`.

Uma das salas do bunker de Hitler

Uma das salas do bunker de Hitler

Panfletos turísticos da época e cartões postais estampam fotos de Hitler com crianças e animais. Imagens da casa com sua vista esplendorosa também eram alardeadas como se fossem imagens do próprio paraíso. O encontro com políticos destacados no mundo como o príncipe de Gales, Mussolini e outros presidentes eram manchetes nos principais jornais da região e da capital. Ao fundo, quase sempre o mesmo cenário dos Alpes.

Filmes sobre a Segunda Guerra Mundial e o nazismo são apresentados de hora em hora

Filmes sobre a Segunda Guerra Mundial e o nazismo são apresentados de hora em hora

Na fortaleza protegida por canhões antiaéreos e centenas de soldados alemães foram construídas casas também para outros importantes membros do partido nazista como Martin Bormann (secretário de Hitler), Hermann Göring (Comandante da Força Aérea Alemã) e Albert Speer (arquiteto). Escritórios da Gestapo (a Polícia Secreta) e do Serviço de Segurança do Reich também foram instalados na montanha Obersalzberg.

Museu onde antes funcionava a casa de hóspedes de Hitler

Museu onde antes funcionava a casa de hóspedes de Hitler

Em 1933, após ser nomeado Chanceler da Alemanha, Hitler se instalou definitivamente em Berchtesgaden, reformando e ampliando o chalé que já havia alugado pela primeira vez em 1928. Em 1936, o antigo chalé foi transformado em uma mansão com a maior janela retrátil do mundo. A visão que se tinha dali era sempre elogiada por todos que visitavam e conheciam a Berghof (casa de montanha) do Führer.

O partido nazista comprou todas as propriedades da região desde julho de 33 a julho de 37 para poder aos poucos construir a grande fortaleza de Hitler. Todos eram obrigados a se desfazer de suas casas e terras sob a ameaça de serem condenados a trabalhos forçados no campo de Dachau, próximo a Munique. Hoje, todo o complexo fica dentro do Parque Nacional de Berchtesgaden.

o bunker - A idéia de refúgio não poderia ser completa sem um esconderijo. Por isso, em meados de 1943 iniciou-se a construção de um complexo de túneis subterrâneos com cerca de 2775 metros de corredores e 79 salas em uma área de 4120 metros quadrados. A obra só foi concluída no início de 45, quando a Segunda Guerra já chegava ao fim e a Alemanha se rendia aos Aliados. Um ataque antiaéreo no dia 25 de abril destruiu completamente o quartel-general montado na região de Obersalzberg. Mas, o bunker sobreviveu e hoje é um dos poucos lugares mantidos quase na sua forma original e o mais interessante da visita ao museu. Dois espaços foram transformados em sala de vídeo, com projeções de hora em hora, e outra apenas de som.

Apenas 10% dos túneis estão abertos à visitação. Da porta de entrada, próxima ao museu, pode-se ver o lugar especialmente construído para Hitler no pico da montanha.

continua na próxima página...

A Lufthansa voa diariamente para a Alemanha, com conexão em Frankfurt para diversas cidades. Até 28 de julho, a passagem aérea em classe econômica para Alemanha, ida e volta, custa US$ 1.184 de segunda a quinta-feira e US$ 1.221, de sexta a domingo. Para mais informações e
reservas, basta ligar (11) 3048 5800 e no Rio (21) 3687 5000. Ou pela Internet www.lufthansa.com.br

  
  

Publicado por em

Nando

Nando

31/08/2008 00:46:57
Perfeita materia estao de parabens, so faltou o endereco desse museu em Brestgraden