Berlim - Alemanha

informações - Capital da República Federativa da Alemanha, Berlim conta com uma população de 4 milhões de habitantes. Entre as 160 nacionalidades que abriga, os estrangeiros de origem árabe são maioria, o que garante à cidade o título de terceira maior ci

  
  

informações - Capital da República Federativa da Alemanha, Berlim conta com uma população de 4 milhões de habitantes. Entre as 160 nacionalidades que abriga, os estrangeiros de origem árabe são maioria, o que garante à cidade o título de terceira maior cidade turca do mundo, atrás apenas de Istambul e Ankara. Sede do governo alemão unificado após a queda do “Muro da Vergonha”, a capital passa por um processo intenso de transformações sociais, econômicas e arquitetônicas – a mais visível delas. Um imenso e incansável canteiro de obras tomou Berlim nos últimos 13 anos, tornando-a a cidade dos duplos. Fisicamente, os lados oriental e ocidental se somaram e, além disso, novas construções são erguidas diariamente. Os guindastes gigantescos já fazem parte da paisagem berlinense, misturando-se aos diversos pontos turísticos e históricos.

transporte – A rede de transporte público em Berlim é bastante completa. A ampla rede de metrô cobre toda a cidade e periferia. A capital conta ainda com dezenas de linhas de ônibus e trens urbanos. O pagamento do serviço é baseado na confiança e contrariar esta prática é considerado crime. Quem for pego pelos fiscais - que fazem o controle furtivamente - sem o devido bilhete recebe uma multa de 40 euros e pode até ser preso, além do vexame de ser obrigado a descer do vagão.

curiosidade – Como bem observou o escritor João Ubaldo Ribeiro em seu livro “Um brasileiro em Berlim”, um costume já quase imperceptível para os berlinenses é o uso da bandejinha para receber o pagamento e devolver o troco nos estabelecimentos comerciais. Bem ao lado do caixa fica uma bandeja, pouco maior que um cinzeiro, onde o dinheiro deve ser depositado, quase nunca ele é entregue na mão dos funcionários ou dos clientes. Por isso, não estranhe quando ninguém estender a mão para receber o dinheiro ou ignorar a sua mão estendida e depositar a quantia na formal bandejinha. Coisa dos metódicos alemães!

o que ver – Reichstag, Siegessäule, Portão de Brandemburgo, Friedrichstrasse, Alexanderplatz, Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche, Neue Wache, Berliner Dom, Museu Egípcio, Potsdamer Platz, Schloss Charlottenburg, Zoologischer Garten, restos do Muro de Berlim, Checkpoint Charlie (Museu do Muro), Judishe Museum, Tier Garten e Fernsehturm (Torre de TV).

Portão de Brandemburgo – Este é o grande símbolo de Berlim. A estrutura neoclássica foi projetada por Carl Gotthard Langhans e modelada de acordo com a entrada da Acrópole de Atenas. O conjunto construído entre os anos de 1778 e 1795 é coroado por uma escultura de Johann Gottfried Schadow, a Quadriga – uma carruagem guiada por quatro cavalos. O portão presenciou diversos acontecimentos históricos como paradas militares, manifestações de trabalhadores e observou por mais de 30 anos a cidade dividida, até a queda do muro de Berlim, em 1989.

Reichstag – A sede do Parlamento Alemão foi construído entre os anos de 1884 e 1894 como símbolo da unidade nacional. Em fevereiro de 1933, o salão principal foi totalmente destruído durante um incêndio. O prédio foi reconstruído entre 1957 e 72, tendo o domo e a maior parte dos ornamentos da fachada removidos. O prédio que se vê hoje é resultado de uma reconstrução inaugurada em 1999 que leva a assinatura de Norman Foster, tendo incluído ainda o domo elíptico. O Reichstag é aberto diariamente à visitação pública e tem entrada gratuita. Na base do domo, uma exposição de fotos mostra a história do prédio. Em caracol, se chega até o topo da cúpula. A vista do alto é incrível. De lá se pode ver quase toda a cidade e seus principais pontos turísticos (www.bundestag.de)

Berliner Dom – A catedral protestante data de 1750 e foi construída para servir como igreja e mausoléu da família Hohenzollern. A primeira Berliner Dom tinha estilo barroco e em 1816 foi reformada recebendo um domo de cobre e detalhes neoclássicos. Hoje ela dispõe de uma estrutura neobarroca, assinada por Julius Raschdorff. Com a reconstrução após a Segunda Guerra Mundial, o mausoléu dos Hohenzollern foi demolido.

Schloss Charlottenburg – O palácio era usado por Sofia Carlota, mulher do eleitor Frederico III, como casa de veraneio. Construído em 1695, foi ampliado e ganhou a cúpula barroca em 1713. Entre 1740 e 1746 foi novamente reformado por Frederico, o Grande. O parque ao redor do palácio é um dos lugares mais pitorescos de Berlim.

Fernsehturm – Esta torre de televisão de 365 metros de altura é a estrutura mais alta da cidade e a segunda mais elevada da Europa, perdendo apenas para o Palácio da Cultura em Varsóvia, na Polônia. Elevadores levam o visitante até a plataforma de observação, situada dentro de uma esfera de metal gigante revestida de aço que fica a 203 metros de altura.

Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche – Bombardeada em 1943, a igreja teve seus destroços removidos, ficando no lugar apenas a torre da frente.Com o seu telhado danificado, tornou-se um dos pontos mais conhecidos de Berlim. Em 1963, Egon Eiermann projetou uma nova igreja octogonal de vidro azul com um campanário hexagonal fica ao lado do prédio destruído.

Checkpoint Charlie (Museu do Muro) – A história dos 28 anos (13.08.61 – 09.11.89) do Muro de Berlim esá exposta neste riquíssimo museu. Ilhada, Berlim Ocidental era vista pelos berlinenses do leste como uma espécie de paraíso. Por isso, tentavam alcancá-la de qualquer jeito, por terra ou debaixo dela, água ou pelo ar. Apesar de todo o aparato montado pelos comunistas para evitar as fugas, 5075 pessoas conseguiram ultrapassar a barreira de 155 quilometros de concreto construída em torno de Berlim para separar fisicamente as duas Alemanhas. Outras 574 foram detidas e 241 morreram. Histórias de sucesso e de fracasso podem ser acompanhadas passo a passo através das fotos e objetos reunidos na Friedrichstrasse, 43-45, no centro da capital. Esse é ainda um dos poucos lugares onde se pode ver instrumentos e máquinas usados da época. Vale a pena a visita. O museu fica aberto todos os dias das 9h às 22h. Na Potsdamer Platz, mais exatamente na Niederkirchnerstrasse, estão os últimos pedaços do muro ainda em pé. Mais informações podem ser obtidas através do site www.Mauer-Museum.com , ou pelo e-mail info@Mauer-Museum.com .

Quem prefere fazer um city tour por Berlim pode aproveitar e conhecer 14 dos principais atrativos da capital. Para mais detalhes, consulte o site www.bvb.net . Os onibus saem todos os dias da Kurfurstendamm, 225. O passeio dura duas horas. Outra opção é oferecida pela Tempelhoer (www.tempelhofer.de).

A Lufthansa voa diariamente para a Alemanha, com conexão em Frankfurt para diversas cidades. Até 28 de julho, a passagem aérea em classe econômica para Alemanha, ida e volta, custa US$ 1.184 de segunda a quinta-feira e US$ 1.221, de sexta a domingo. Para mais informações e reservas, basta ligar (11) 3048 5800 e no Rio (21) 3687 5000. Ou pela Internet www.lufthansa.com.br

  
  

Publicado por em