Paimpont – França

A pequena cidade de Paimpont é o ponto de referência para quem pretende conhecer os cenários franceses da Bretanha, onde se deu a “lenda do Rei Arthur”. Os contos da Távola Redonda e a vida dos personagens são tão vivos que é fácil se perder e

  
  

A pequena cidade de Paimpont é o ponto de referência para quem pretende conhecer os cenários franceses da Bretanha, onde se deu a “lenda do Rei Arthur”. Os contos da Távola Redonda e a vida dos personagens são tão vivos que é fácil se perder entre a ficção e a realidade. Muitos chegam a ficar em dúvida se de fato o Rei Arthur, Morgana, a fada Viviane, o mago Merlin e Lancelot existiram. Entre os moradores da região há quem garanta que sim e outros que, para não deixarem o encanto se perder, dizem que a história é real no coração de quem acredita.

A bela e misteriosa floresta de Paimpont

A bela e misteriosa floresta de Paimpont

O fato é que túmulos e escavações do povo celta foram batizados com os nomes dos personagens dos contos populares. Apesar da história ser fascinante, a rota turística é bastante precária, a sinalização praticamente não existe. Antes de se aventurar, é importante parar em um ponto de informação turística que existe na maioria das cidadezinhas da Floresta de Brocéliande e pegar mapas com as indicações. Mas atenção, mesmo com os mapas, encontrar os pontos não é uma tarefa fácil. Melhor do que seguir as indicações dos lugares é seguir as placas das cidades e torcer pra cruzar com alguma placa, mesmo que escrita à mão.

Dentro do Vale sem Retorno fica o lago Espelho das Fadas

Dentro do Vale sem Retorno fica o lago Espelho das Fadas

Apesar de ser proibido o camping na floresta de Paimpont, é comum ver mochileiros e pessoas que fazem o trajeto de bicicleta. O ideal é ficar em hotéis que existem em vários povoados do circuito. De carro é preciso uns dois dias para se ver tudo. A pé ou de bicicleta talvez seja necessário quase uma semana, já que toda a área tem 7000 hectares. Mesmo quem está de carro não escapa das caminhadas, existem alguns estacionamentos mais próximos dos pontos e outros nem tão pertos assim. Então é preciso seguir a pé pelo bosque nos caminhos já formados.

O Castelo de Trecesson, como é particular não se pode visitar o interior

O Castelo de Trecesson, como é particular não se pode visitar o interior

Os lugares que fazem parte do circuito são os seguintes:

Sepultura Druida batizada com o nome de Hôtie de Viviane

Sepultura Druida batizada com o nome de Hôtie de Viviane

A Fonte de Barenton (Fontaine de Bareton) – O acesso é pela aldeia de Folle Pensée e tem 1,5 km de caminhada. Dizem ser uma fonte com virtudes maravilhosas e que perto dela se encontram Merlin e Viviane. Nos séculos 12 e 13, os nobres Gael-Monfort e Comper, descendentes dos druidas, tinham o poder de fazer chover pingando algumas gotas de água na rocha próxima à fonte.

Carvalho centenário usado como esconderijo por um sacerdote durante a Revolução Francesa

Carvalho centenário usado como esconderijo por um sacerdote durante a Revolução Francesa

O Castelo do Rei (Château du Rox) – Casa de pedra do século XVIII. O lugar é particular e pode ser avistado da rodovia.

A árvore de Guillotin (Chene a Guillotin) - Com mil anos de existência, 10 metros de altura e 9,65 metros de largura, a árvore, que é oca, serviu de abrigo a um sacerdote chamado Guillotin. Conta a história que ele se escondeu na árvore durante o período de “terror” na Revolução Francesa.

Castelo de Comper (Chateau de Comper) – Lugar onde a Fada Viviane teria criado Lancelot do Lago, que se tornaria mais tarde um dos cavaleiros da Távola Redonda.

A tumba de Merlin (Tombeau de Merlin) – Vestígios de uma alameda coberta de cerca de 1500 a.C.. SEgundo a lenda, ali o mago Merlin teria sido preso em nove círculos mágicos pela sua amante a fada Viviane. Quem acredita nos poderes do mago pode deixar entre as rochas um bilhetinho com alguns pedidos. Em 1846 foi publicado pela primeira vez um artigo a respeito da “suposta” Tumba de Merlin. Anos mais tarde, Felix Bellamy encontrou alguns papéis do sr. Poingnant, quem originalmente no século XIX atribuiu os rochedos ao Mago Merlin e a Viviane. O que hoje pode ser visitado é formado por um círculo de pedras no chão e no centro rochas dispostas de maneira vertical com uma árvore.

Fonte da Juventude (Fontaine de Jouvence) – Fica a poucos metros da Tumba de Merlin. Durante o solstício de verão se realizava uma cerimônia onde os bebês nascidos naquele ano eram batizados e registrados por um padre na beira da fonte. Por acaso, se alguma criança não comparecesse, ela era registrada apenas no ano seguinte como recém-nascida, apesar de já ter mais de um ano de idade. Assim começou a lenda da Fonte da Juventude.

A Abadia de Paimpont (Abbaye de Paimpont) – Antigo monastério fundado pelo Rei da Bretanha Judicael no século VII. A igreja é do século XVIII.

Plélan o Grande (Village du Gue et la Motte Salomon) – Igreja de São Pedro de 1850 e a antiga residência do Rei Salomão da Bretanha.

Os Forges de Paimpont (Les Forges) – Centro industrial desde o século XVII até o século XIX. Ali era explorado mineral de ferro.

Trecesson – Castelo particular do século XV, uma bela construção militar da época.

Capela de S. João (Chapelle Saint Jean) – Antiga capela dos cavaleiros do Templo, ao redor existem ruínas de onde viveu um eremita.

A Tumba do Gigante (Tombeau du Geant) – Uma estrutura arqueológica da Idade do Bronze (entre 2000 e 1500 a.C.) com 4 metros de comprimento, 1 de largura e 1 de altura.

Casa de Viviane (Hôtie de Viviane) - Sepultura coletiva dos druidas datada entre 3.500 e 2.500 a.C..

Vale sem Retorno (Val Sans Retour) - Segundo a história, era aqui que a feiticeira Morgana abandonava os seus amantes infiéis. Morgana era meia-irmã do Rei Artur, foi criada por Viviane (amante do mago Merlin) e seguia os princípios celtas, que tinham o domínio das forças da natureza. No local existe ainda um lago chamado “Espelho das Fadas”.

Mais informações podem ser adquiridas com o escritório de turismo de Paimpont, anote o e-mail:
syndicat-dinitiativepaimpont@wanadoo.fr

A Lufthansa voa para Paris saindo de São Paulo - para embarque até 12 de outubro na classe econômica, a passagem aérea custa US$ 815 durante a semana e US$ 842 de sexta a domingo, com conexão em Frankfurt. Para mais informações e reservas, basta ligar (11) 3048 5800 e no Rio (21) 3687 5000. Ou pela Internet www.lufthansa.com.br

  
  

Publicado por em