Salzkammergut - Áustria

Conhecida como o mundo das águas, é aqui na região de Salzkammergut que fica a maioria dos lagos e picos do país, muitos formados pelo degelo das montanhas. A natureza é pródiga e ainda oferece minas de sal e cavernas. Para os amantes da natureza este é o

  
  

Conhecida como o mundo das águas, é aqui na região de Salzkammergut que fica a maioria dos lagos e picos do país, muitos formados pelo degelo das montanhas. A natureza é pródiga e ainda oferece minas de sal e cavernas. Para os amantes da natureza este é o local ideal para caminhadas, esportes náuticos, escaladas e mountain bike. Os maiores lagos da região são o Traunsee, Attersee, Mondsee e Wolfgangsee, todos ladeados por pequenos vilarejos.

Paisagem em Gossausee

Paisagem em Gossausee

Localização – Salzkammergut fica no noroeste do país. Apesar da região ser montanhosa e as estradas simples, o acesso de carro é tranqüilo.

Geleiras na grande caverna

Geleiras na grande caverna

Altmünster – A pequena cidade fica às margens do lago Traunsee. Vale a pena passar pelo menos uma noite para apreciar o pôr do sol nas montanhas. No final da tarde o sol começa a bater nas rochas e transforma o visual. Apesar da água do lago ser um pouco gelada, ela é cristalina e muitas pessoas aproveitam o final do dia para dar um mergulho.

Outra bela formação de gelo

Outra bela formação de gelo

Hallstatt – Às margens do lago Hallstätter See, a principal atração da cidade é a mina de sal (salz welten), considerada Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade pela Unesco desde 1997. Depois disso foram investidos mais de 4 milhões de euros na mina de sal e ela foi reaberta para o turismo em 2002. No primeiro milênio antes de Cristo, os povoados da região prosperaram graças à mineração de ferro e à produção do sal. Durante a Idade do Ferro, a cultura de Hallstatt se espalhou pela Europa e foi o ferro que atraiu os romanos para região.
Considerada a mais antiga mina do mundo, ela foi descoberta no início da Era do Ferro (800 – 400 a.C.). Em 1734 foi encontrado no coração da montanha o corpo intacto de um homem solidificado junto à rocha. Na época, por falta de conhecimento arqueológico, o corpo acabou sendo enterrado.
Para chegar até a mina de sal é preciso pegar um teleférico para subir a montanha. Na entrada da mina fica a Rudolfsturm, uma torre construída em 1284 para proteger o lugar. Dentro da mina é possível ver uma sala de cristais de sal, um lago e o lugar onde o homem de sal foi encontrado.
Época de visitação – do final de abril ao final de outubro. Crianças com menos de 4 anos não podem visitar o local.

As passarelas levam o turista ao centro das geleiras

As passarelas levam o turista ao centro das geleiras

Altausee – Abriga uma outra mina de sal. A curiosidade aqui é conhecer uma sala que foi usada para esconder obras de arte da destruição dos nazistas. Mais de 6.500 obras, entre quadros e esculturas foram escondidas na Capela de Santa Bárbara, no meio da montanha. A obra mais famosa preservada aqui é a Madona de Michelangelo.
Época de visitação – do final de abril ao final de outubro. Crianças com menos de 4 anos não podem visitar o local.

Obertraun – Daqui saem os teleféricos para as cavernas de Dachstein, um parque nacional que abriga a Caverna de Gelo, a Caverna do Mamute e a Caverna Koppenbrüller, consideradas Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco.
Apesar de serem três cavernas no parque, aqui vamos dar as dicas da mais interessante, a grande Caverna de Gelo. No mundo só existem três cavernas de gelo que podem ser visitadas pelos turistas.
Até a entrada da Caverna de Gelo é preciso caminhar uns 700 m depois de um bom trecho feito de bondinho, a distância não é grande, o problema é que a altitude aumenta o cansaço. No percurso existem vários pontos de descanso, vale a pena parar e apreciar a vista. É bom levar agasalhos e usar um calçado quente e confortável para tornar o passeio ainda mais agradável.
A grande Caverna de Gelo fica na face leste da montanha Schönbergalpe (1365 m) sobre o vale de Traun. O passeio turístico é de 1 km e começa numa altitude de 1418 m num sistema de túneis dentro da caverna. Logo na entrada encontramos a sala das estalactites e estalagmites, o frio começa a ser sentido, a temperatura é de apenas 3 graus. Seguindo pela Catedral do rei Arthur vemos uma grande caverna com imensos blocos de rochas desprendidas pela ação do gelo. A próxima parada é na Caverna do Urso, onde foram encontrados ossos de um urso pré-histórico (muitos ursos morriam durante o período de hibernação no inverno), presa predileta do homem paleolítico. Subindo uma escada dentro da montanha, começam a aparecer os primeiros sinais de gelo e a temperatura cai ainda mais e fica negativa, em alguns pontos chega a 6 graus abaixo de zero. São incríveis formações de gelo que ganham uma atmosfera especial com um show de luzes. O guia é quem vai acendendo e apagando as luzes conforme o passeio vai seguindo. A sensação dentro da caverna é maravilhosa, uma viagem no tempo da Era Glacial. Na Catedral de Tristan, a formação de gelo é a mais espessa, chegando a 25 m.
A caverna de gelo foi descoberta no dia 17 de julho de 1910, por espeleólogos do Império Austro-húngaro, comandados pelo Dr. Friedrich Simony (1813 – 1896).
Duração - o passeio leva cerca de 50 min.
Período de visitação – de maio a outubro.
Localização - no extremo sul do Hallstäter See, a 21 km de Hallstatt.

Mais informações nos sites:
www.salzkammergut.at
www.dachsteinregion.at

A Lufthansa voa diariamente para a Áustria, com conexão em Frankfurt, na Alemanha. Até 28 de julho, a passagem aérea em classe econômica, ida e volta, custa US$ 1.205 de segunda a quinta-feira e US$ 1.240, de sexta a domingo. Para mais informações e reservas, basta ligar (11) 3048 5800 e no Rio (21) 3687 5000. Ou pela Internet
www.lufthansa.com.br

  
  

Publicado por em