Paraty e Mamanguá

A histórica Paraty. Praias, ilhas, cahoeiras. E um belo passeio pela cultura caiçara viva no Saco Mamanguá.

  
  

Saindo de Ubatuba, tínhamos no caminho de volta ao Rio para as festa de fim de ano a nossa última parada, a bela e histórica Paraty.

Paraty

Sempre ficamos impressionados com todas as belezas desse grande Brasil, que reúne características de todos os continentes, que tem uma beleza única e muito diversificada. Sempre penso que não preciso sair daqui pra conhecer as paisagens mais belas do mundo, penso que todas elas estão no meu país e Paraty é um bom exemplo disso: tem mata atlântica para todos os lados, muitas cachoeiras para se banhar, trilhas para passear, uma arquitetura colonial bem preservada e, claro, praias e mais praias de pura beleza.

Dados históricos rápidos: Paraty cresceu devido aos engenhos de cana de açúcar, chegando a ter mais de 250. No século XVIII o porto era usado para escoar das Minas Gerais pedras preciosas e ouro que eram mandados para Portugal. Com a constante ameaça de Piratas que se refugiavam em praias como Trindade, a rota de ouro mudou e a cidade passou por sérios problemas econômicos. Graças as suas belezas naturais e conservação das construções, Paraty passou a ser um ponto turístico muito procurado e hoje é ponto mais do que recomendado para qualquer viajante.

Albergue Don Quixote

Hospedamos-nos num albergue muito charmoso e confortável e fazemos questão de falar dele aqui. A proprietária, Luciana, nos recebeu super bem, deu muitas dicas e fez a gente se sentir em casa.
O albergue fica na Rua da Lapa que é a rua principal do Centro Histórico. Fica perto do Porto de embarque para passeios de barco e facilita muito pra quem gosta de sair a noite pra jantar ou badalar. Pra quem gosta de agitação, nada melhor mesmo que ficar em um albergue, pois ali sempre temos a oportunidade de conhecer pessoas legais, com muita experiência em viagens e aventuras e com muitas histórias interessantes para contar. Realmente recomendamos a hospedagem no Don Quixote Hostel! E o preço é mais do que justo!
ALBERGUE DON QUIXOTE Tel: 24 33711782

Centro Histórico

Chegando a Paraty, depois de nos instalarmos, a primeira coisa gostosa que fizemos foi passear pelo Centro Histórico. Entramos nos diversos ateliers de arte e tomei um delicioso sorvete. A cidade está cada vez mais conhecida pela movimentação cultural. Há muitos artistas locais, artesãos, teatro, música, um clima realmente agradável.

Cachoeira

Em Paraty há várias opções de passeios: pode-se visitar cachoeiras subindo a estrada em direção à Cunha, passear de barco pelas ilhas, conhecer praias fazendo trilhas e ainda há o roteiro histórico pelos antigos engenhos nas fazendas. Existem várias operadoras de turismo e nós optamos pela PARATY ADVENTURE para o nosso passeio de barco. Foi a empresa que melhor nos atendeu melhor e o passeio de barco vale a pena pra quem quer passar um dia na tranqüilidade.

passeio de escuna

No passeio, o barco estava bem cuidado, o capitão era muito simpático e a comida servida a bordo bem gostosa. O passeio sai do porto de Paraty e segue pela tranqüila baía de águas calmas e límpidas passando por várias ilhas, ilhotas e praias. Paramos na Ilha Redonda para um mergulho com snorkel depois seguimos para a movimentada Praia Vermelha onde a escuna deu uma parada para desembarque. Almoçamos abrigados do vento atrás da ilha do Mantimento e seguimos para a praia Jurumirim onde pudemos observar a casa do famoso navegador Amyr Klink. Voltamos com aquela brisa agradável para o porto.
Paraty Adventure passeios 24 33716175

Praia do sono

Infelizmente o tempo ruim não estava dando muita trégua então não conseguimos explorar muitos cantos da região. João chegou a passear por Trindade pra fotografar e fez uma trilha até a praia do Sono. No mesmo dia fomos em direção à Cunha, na serra da Bocaina, até a cachoeira da Pedra Branca. Apesar do tempo um pouco frio, o banho foi super relaxante. Subindo um pouco o rio descobrimos um cantinho mágico com uma pequena queda d’água que parecia um cenário cinematográfico, ficamos mais de uma hora fotografando.

Saco do Mamanguá

No dia que a chuva parou um pouco seguimos viagem para acampar no Saco do Mamanguá, que abriga o único fiorde tropical da costa brasileira e, no seu fundo, um manguezal. Fomos de carro até Paraty-Mirim e de lá um barqueiro nos levou na praia que acampamos (na residência da família do Sr. Orlando – pessoal pra lá de especial). Logo na chegada havia algumas crianças brincando com seus barquinhos. João foi fotografá-los e disse mais uma vez ter lembrado de sua infância em Itacuruçá.

Hoje moram no Mamanguá cerca de 120 famílias caiçaras (miscigenação do índio com o negro escravo e o branco europeu) que vivem do turismo, pesca e artesanato. Sr. Orlando, nosso anfitrião caiçara, cuja família já mora lá faz quatro gerações, nos contou um pouco sobre a situação de muitos caiçaras que por ingenuidade perderam suas terras para pessoas com poder ($). Hoje estas famílias têm como vizinhos enormes mansões que nem se preocupam com a preservação ambiental e muito menos com a cultura caiçara.

João ficou fascinado pelo “seu Orlando”, ouvindo suas histórias de pescador. Disse que já pescara em todo o litoral brasileiro e que esteve em Fernando de Noronha de barco há 40 anos atrás!

Na manhã que não choveu fizemos a trilha pra subir o morro do Pão de Açúcar, com cerca de 400 metros de altura. A vista é maravilhosa mostrando todo o Saco do Mamanguá.

Caiçaras

Teríamos ficado mais tempo por lá se não fosse a chuva e a invasão dos mosquitos. Eu sabia que ia chegar o dia em que eu realmente iria entrar numa batalha com os mosquitos, só que não sabia que eu ia perder por tanto! Era aquele mosquitinho pequeno, o Maruim, que não voa muito alto mas pica que é uma beleza! Entraram mais de cinqüenta na nossa barraca e não tinha repelente que segurasse. No dia seguinte de manhã dei uma de madame e falei que queria ir embora no mesmo dia. Tinha esgotado a minha cota de bicho do mato no ano!
Voltamos para Paraty e no dia seguinte pegamos a estrada pra voltar pro Rio e festejar o fim de ano com a família.

Criança Caiçara
  
  

Publicado por em

Patricia Neto

Patricia Neto

29/01/2010 11:24:42
Oi,tudo bem?
Li seu artigo e lembrei que fui para Mamanguá a uns 15 anos atrás, existe ainda uma pousada lá de uma senhora que eu não lembro o nome? Amei aquele lugar, sem luz,e com uma natureza exuberante!!Ah foi um Ano Novo, foi bem legal! Abraços Patricia

Mauro Viana de Oliveira

Mauro Viana de Oliveira

15/07/2009 14:34:11
Boa tarde Jõao Viannaa e Amelia Clark
Navegando, viajando. Na verdade viajo muito, Estava zapiando pelos locais maravilhosos do nosso Brasil. e fiz uma viagem em Março/2009. Conheci Paraty e Ilha Grande adorei esse maravilhoso pedeço do nosso país e encontrei essas suas fotos parabens do fundo do coração...
confesso que tenho pensado muito em fazer uma grande viajem pelo Brasil..adorei as fotos e naturalmente a reportagem..um abraço grande muito sucesso ao casal

Priscilla Pimentel

Priscilla Pimentel

09/06/2009 16:15:28
Adorei tudo no artigo, sou apaixonada pela cidade, sua historia, e toda paisagem turistica de Paraty. E uma das principais cidades da historia do nosso Brasil...Parabens pela reportagem, esta belissima...abraços Priscilla Pimentel.

Priscila

Priscila

12/04/2009 21:39:12
muito legal... as fotos todas lindas...
ee uma boa historia da cidade...
bacana!!!

João Vianna e Amelia Clark

João Vianna e Amelia Clark

Obrigado Priscila!