Expedição Madeira - Histórias Pitorescas

O que ouvíamos durante a Expedição Madeira e como foi construída esta trilha sonora.

  
  

Ola!

Este será um post rápido, só para lhes contar uma novidade (se não quiserem ler, pulem até o fim do post para ver o vídeo).

Quando partimos rumo ao norte do Brasil, a primeira coisa que levei até o carro no momento de carregá-lo foi um bag repleto de CDs. Achei sinceramente que Maeda faria o mesmo, uma vez que ambos somos viciados em música, mas com gostos musicais totalmente distintos. Para minha surpresa ele disse que iria ouvir o que eu tinha levado, sem maiores problemas. - OK, retruquei. Mas aqui só tem Punk-Rock e Hardcore Californiano. É isso que você vai ouvir pelos próximos 30 dias, disse rindo. Ele riu de volta e me assegurou que nós passaríamos boa parte do tempo ouvindo música de raiz. Não entendi o comentário, deixei pra lá. Liguei o carro e começamos a viagem.

Da capital de São Paulo até Três Lagoas no Mato Grosso do Sul, ouvimos algumas grandes bandas: Offspring, NoFx, Misfits, GreenDay e por aí vai. Após quase 8, 9 horas de viagem, eu mesmo não aguentava mais o som alto no ouvido. Já com dó de Maeda, desliguei pela primeira vez o cd-player do carro. Olhamos aliviados um para o outro e continuei a dirigir. Passamos pela capital Campo Grande e rodamos mais algumas centenas de quilômetros. Quando a noite chegava e um certo tédio se fazia presente, tomei um susto com um berro vindo do amago de Maeda, quebrando o costumeiro barulho do pneu rodando sobre o asfalto.

O berro na verdade era ele começando a cantar suas versões de clássicos da nossa música caipira. Maeda sempre foi um cara requisitado em churrascos e comemorações dos amigos. "Maeda, vem aqui tocar uma moda pra mó da gente ouvir", alguém próximo à churrasqueira grita. E lá vai ele com seu violão entreter a galera. Essa fama eu já conhecia, havendo escutado inúmeras vezes o dito-cujo cantando e tocando. No entanto, naquele contexto, longe de tudo e rumando ao extremo do Brasil, parecia que sua música caipira de raiz se encaixava como uma luva. Então, ele passou os próximos 40 minutos cantando de maneira afinada e consistente: Menino da Porteira, India, Majestade o Sabia, Chico Mineiro, Marvada Pinga.

Pessoalmente não sou o que se pode chamar de fã deste estilo. Como um amigo costuma dizer, sou restrito, restritivo e chato quando o assunto é música. A minha verdade é sempre mais verdade que a dos outros. Todavia, ao contrário do que muitos pensam, sei sim apreciar boa música quando ela é realmente boa. Passamos os dias seguintes intercalando meu Punk-Rock com a música Caipira de Maeda. Me acostumei tanto que já cantava mentalmente as músicas. Sabe, quando a música gruda na cabeça e não sai de jeito nenhum?? Aconteceu isso comigo com a "Jão de Barro". Dormia e acordava com o João de Barro na cabeça. Nestes casos não há muito o que fazer, só o tempo cura.

Maeda grava violão e voz no estilo mais old school possivel. Estudio Baroli & Sia em Campinas.

Enfim. Gostei tanto de Maeda cantando à capela dias a fio, que prometi que o levaria de qualquer jeito ao estúdio de um amigo para grava-lo. Foi extremamente difícil convence-lo, mas nada que um pouco de chantagem emocional não pudesse resolver.

Quando voltamos a São Paulo conversei com meu bom amigo Felippe, do Estudio Baroli & Sia e logo agendamos um sábado. A princípio não contamos ao Maeda. Falei que era apenas um churrasco na casa de um amigo. Íamos apenas comer uma picanha, tomar cerveja e jogar conversa fora. E os 15 primeiros minutos foram realmente mais ou menos assim. Como já estávamos lá, deveríamos aproveitar o estudio para gravar uma brincadeira, disse. :-)

Pronto! Felippe posicionou os microfones para Voz (AKG) e Violão (Shure), testou os timbres e mandamos ver. Fizemos a gravação no estilo mais old-school possível. Maeda cantava e tocava ao Vivo e os microfones captavam a ambiência. O resultado foi, sob meu ponto de vista, excepcional. Em uma única tarde conseguimos gravar 13 musicas inteiras, sem parar. Coisa que a maioria de artistas de grandes gravadoras não faria em 1 semana (é sério).

Bom, pra encurtar a conversa, criei um canal no Youtube para colocar estes devaneios do Maeda.
Para acessá-lo basta ir para: www.youtube.com/expedicaomadeira. Aproveitando, incluí aqui mesmo neste post, uma das gravações.

Espero que gostem.


  
  

Publicado por em