Na capital do Amazonas - Parte II

Ainda em Manaus, pouco antes de embarcarmos no Catamarã com destino a Belém

  
  

Continuando nosso décimo segundo dia de expedição, visitando Manaus.

Após a visita ao Teatro Amazonas, voltamos ao hotel para tomar banho, descansar um pouco e comer algo. Ja eram quase 3 da tarde e a caminhada de alguns quarteirões nos fez suar em bicas. É impressionante como absolutamente todos os locais fechados de Manaus, são climatizados. Sinceramente, não sei como as pessoas não ficam tortas com tamanha mudança de temperatura, tão repentinamente. Não sei se fora é muito quente ou se é o a regulagem do ar-condicionado quer deseja transformar aquele lugar perto do trópico de capricórnio em polo norte. Sei apenas que ao entrar num lugar destes (seja hotel, banco, restaurante), a mudança de temperatura é tão forte e rápida, que te dá uma sensação estranha. Parece que atravessa um portal para outra dimensão.

Tomei banho e enquanto Maeda dormia, aproveitei para atualizar este blog (sim, vocês não me dão descanso). Quando era cerca de 05:30pm, Maeda acordou. O bicho estava alucinado de fome. Eu também. Àquela altura, meu último alimento havia sido o jantar da noite anterior, à bordo do Paulão e servido exatamente às 05:00pm. Além é claro, das 2 latas de redbull que havia acabado de tomar. A fome é uma coisa estranha. Se você fica umas 10 horas sem comer nada, ela aperta. No entanto, quanto mais tempo passa sem comer, parece que ela começa a ir embora, como se não fosse necessário se alimentar.

Ok. Queria comer em Manaus mas queria comer com estilo. No meio da tarde, enquanto estávamos no museu de arqueologia, um grande fotógrafo holandês que me segue no twitter e acabou se tornando um bom amigo -- Cornell Evers ficou bastante tempo em Manaus fotografando os portos e estivadores para um projeto pessoal--, passou a dica do boteco mais famoso da cidade: o bar do Armando. O que ele recomendava ali era a geladíssima cerveja e o prato mais famoso do Armando: Sanduiche de Pernil. Pois bem, fomos para lá. Coincidentemente, o bar do Armando tambem era proximo ao nosso hotel. Chegamos: um lugar simples, com arquitetura antiga, fotografias em preto-e-branco, azulejos antigos, discos de vinil e é claro, mesas de plástico dispostas na calçada. Sentamos e logo avistamos ao lado do caixa, um Senhor Grisalho, portador de um jaleco branco. Aquele só podia ser Seu Armando.

Maeda descansa no Bar do Armando. Ao fundo, Teatro Amazonas. Manaus, AM

Ouvimos a história. Já se passaram mais de três décadas desde que seu Armando, um legítimo Portugues, abriu as portas de seu bar, logo em frente ao Teatro Amazonas. Pelo que nos contou, sua idéia original era que ali funcionasse uma mercearia. No entanto, a concorrência das grandes redes de supermercado que começavam a chegar em Manaus o forçou a mudar de foco. Teve a idéia então de montar o célebre boteco. Aos 74 anos é o próprio Seu Armando quem fecha o caixa todas as noites, depois de passar o dia inteiro atendendo aos turistas e fregueses. Anda pelo salão, pega pedidos, leva cerveja às mesas e observa o movimento. O pernil assado é servido no sanduíche ou também como porção. Quem tempera e assa a carne por quatro horas, todos os dias, é a Dona Maria, esposa de seu Armando.

Embora tenha achado o pernil um pouco salgado, o lugar é bastante agradável e de história viva. O preço, pouco parecido com os da região, chegando a me lembrar São Paulo (uma cerveja de ampola por 5,50, salvo engano de minha parte). Ficamos ali umas 2 horas enquanto o trânsito de Manaus de acalmava. Relembramos a viagem até o momento e nos preparamos para o dia seguinte, quando embarcaríamos no catamarã rumo à Belém.

Pagamos seu Armando e voltamos ao hotel. Escrevi mais um pouco e a fome voltou a bater. Nao havia comido muito o pernil porque o achei muito salgado. Assim, fui à portaria do hotel perguntar sobre algum restaurante nas redondezas. Impressionantemente, a unica coisa que havia, era uma cantina, uns 3 quarteirões dali. Putz, comida italiana num calor umido estupefante de sei la quantos graus?? Não, definitivamente não era uma boa idéia. Minha barriga roncou novamente. Agora, aquela cantina parecia estar cada vez mais perto de mim, assim como, a idéia de ir num italiano começava a fazer algum sentido. Voltei para o quarto e chamei o Maeda. Ele virou para o lado, roncou e gruniu algo como 'nao quero ir'. Peguei minha carteira e caminhei. Chegando no restaurante vi o cardápio que mostrava massas, pizzas, e (ufa!) algumas opções de salada. Nao titubeei, peguei a salada da casa: rucula, tomate, aspargos, palmito e outras cositas. Foi a primeira vez na vida que comi apenas salada. Com o calor insessante, nao havia outra escolha possível.

Barriga cheia, pedi um sorvete como sobremesa. Ahhh, aí era querer demais. Nao serviam sorvetes mas poderia escolher por um sem fim de doces quentes, italianos. No way. Paguei a conta (12,50!!!!) e voltei satisfeito ao hotel. Capotei e só fui acordar na manhã seguinte.

Chamei o Maeda, arrumamos nossas coisas, tomamos café, fui até o palacete provincial para tirar algumas fotos. Na volta, fechamos a conta do hotel, fomos ao banco pegar mais um pouco de dinheiro e rumamos ao infernal trânsito e caos do porto de Manaus. Caía uma chuva muito fina, que ao invés de resfriar ajudava o lugar a se tornar uma sauna. Estavamos dentro do carro, na fila do porto, a caminho de embarca-lo. Como não tinhamos ar-condicionado, optei por deixar o vidro aberto e me molhar. Era melhor que ficar ali dentro, cozinhando lentamente como um pernil em véspera de natal.

Porto de Manaus

Enfim chegou nossa vez. Pagamos a taxa de entrada (estes portos são todos esquisitos. Taxas são cobradas a deriva. Pagamos 10,00. Um amigo com uma camionete Frontier pagou 50,00. Outro que havia embarcado uma moto, pagou 70,00. Nada disso faz sentido) e o pessoal do navio se encarregou em colocar o carro no porão.

Agora sim, estávamos prontos para nos despedir de Manaus e partir para Belém.
Aguardem os próximos capítulos.

Este post foi feito ao som de Mariza Monte - Barulhinho bom.

  
  

Publicado por em

Ytegner

Ytegner

03/06/2009 13:43:59
lindo...