Seres aculturados exóticos

Faltam 30 dias para o início da expedição

  
  

Estive pensando em como somos um povo irreal. 7 em cada 10 pessoas torcem o nariz quando conto que usarei minhas férias para viajar pelo norte do Brasil. Elas não entendem o que o Brasil e o próprio povo Brasileiro tem a nos oferecer em termos de cultura, belezas naturais e boas histórias.

Tenho ouvido comentários capazes de fazer Chico Mendes se revirar no tumulo. No geral as pessoas dizem nao entender o motivador de uma viagem à região Amazonica, dizem quao perigoso é devido à doenças como malária, febre amarela. Que o saneamento básico inexiste, que é uma região selvagem e sem-lei.

Esta visão estúpida e preconceituosa é exatamente a que nos queixamos quando ouvimos em certas ocasioes, estrangeiros –principalmente Europeus e Norte-Americanos– falando sobre o Brasil. Um país da América Latina, com selva densa, doenças infecto-contagiosas a torto e direito, macacos correndo pelas ruas e obviamente, cuja capital é Buenos Aires.

Ora bolas, se isso nao é hipocrisia, nao sei o que o é. Reclamamos de comentários imbecis e sem fundamento feitos por estrangeiros em relação ao nosso País. No entanto, internamente fazemos exatamente o mesmo quando se trata da região Norte. Na verdade, é até um pouco pior do que parece. As pessoas não tem sequer o minimo embasamento ou conhecimento para soltar estes comentarios. Dia desses, conversando em uma roda de profissionais de alto gabarito do mercado de tecnologia, ouvi:

- ‘Rondonia??? Vocês vao até o fim do Brasil, pra cima do Amazonas?’

respirei fundo e com toda educação que me é peculiar, respondi descontraidamente:
- ‘Você tá de sacanagem? Conhece a **** do mapa do Brasil??? Roraima que é pra cima do Amazonas, ***! Rondonia é do lado do Mato grosso, sua mula’.

Nesta mesma conversa outro ser me indagou:
- ‘Vai para Belem tambem? Mas a unica coisa que tem lá é manga caindo na cabeça das pessoas. Alem disso, é tão quente que você soa o dia inteiro.’

respondi que realmente odeio mangas mas vou passar por cima deste trauma. E quanto a soar, quem soa é sino. Os humanos suam.

Aproveitei a conversa para jogar uma pergunta-chave, para colocar meu colegas em cheque.
- ‘E entao pessoal qual é mesmo a capital de Roraima? Por gentileza, resposta em 5 segundos, sem direito a google’.

Ninguem respondeu. Alias, um respondeu. Disse que era ‘Rio Branco’.

Pois bem, esta história foi só pra ilustrar a hipocrisia que gruda no Brasileiro quando fala de seu próprio País. O quem mais me impressiona é que no geral as pessoas costumam achar romântico os roteiros famosos nos anos 70, como por exemplo, viajar pela rota 66 no USA (estrada que cortava os Estados Unidos de Los Angeles a Chicago. Uma rota de poeira e desolação por uma regiao muito arida e extremamente famosa).

Ora bolas, ainda temos a chance de fazer algo parecido mas com certeza muito mais legal e não nos damos conta. Ficamos presos à velhos preconceitos e nao conseguimos evoluir uma linha de raciocínio. Somos seres aculturados exóticos.

Em tempo: neste momento, o interior de São Paulo está em alerta por causa da febre-amarela.
Leia mais no Globo.com

É isso o que tinha pra falar hoje.

A partir de 02/05 este blog virará um diário de bordo da expedição madeira, atualizado diariamente com histórias e relatos do front.

  
  

Publicado por em