O Brasil que a escola esquece de ensinar

Depois de um dia cheio e emocionante conhecendo o Ver-O-Peso e tudo o que ele agrega...

  
  

Jambo! (agora você sabe como dizer "Oi" em Suaile!)

Depois de um dia cheio e emocionante conhecendo o Ver-O-Peso e tudo o que ele agrega --Mercado de Ferro, Mercado da Carne, Praça do Relógio, Doca, Feira do Açaí, Ladeira do Castelo, o Solar da Beira-- e obviamente após alguns chopes amazônicos artesanais na Estação das Docas, estávamos prontos para voltar ao hotel e enfim, dormir.

Viela no Centro Histórico de Belém

Quando fomos até a Estação das Docas, resolvemos deixar o carro de lado e aproveitar a caminhada de pouco mais de 2 quilômetros para conhecer melhor a real Belém. Por toda a cidade é possível presenciar construções seculares, onde o estilo europeu se faz fortemente presente. Seja nas vielas do centro histórico ou nas largas avenidas que permeiam as Docas, a bela arquitetura enche os olhos. --Caros, abro um parenteses aqui pois acredito ser importante lhes situar historicamente. No momento em que a família real portuguesa desembarcou no Brasil, Belém tinha a mesma importância que a então capital Rio de Janeiro. Neste contexto, Belém se tornou a Capital das Especiarias. Mais tarde, no período áureo da borracha, o município recebeu inúmeras famílias européias, fato que efetivamente influenciou a arquitetura de suas edificações. Nesta época Belém ficou conhecida como Paris n'América. Atualmente moderna como só uma cidade cosmopolita pode ser, impressiona pelo fato de não ter perdido o ar tradicional das fachadas dos casarões, das igrejas e capelas do período colonial. -- Pois bem, descemos até a Estação das docas presenciando tudo isso, o velho e o novo, o preservado e o abandonado. Cruzamos quarteirões, pegamos atalhos, entramos em ruazinhas, pedimos informação.

Construção Secular no centro de Belé. Parece estar abandonada

Tá. Tudo muito bonito, bem legal, pessoas gentis, chope excelente, boa conversa. Chegou a hora de deixar as Docas e voltar ao hotel. Pagamos a conta e rumamos em direção ao que, em nossa cabeça, era a direção do hotel. Andamos, andamos e andamos. Passamos por ruas escuras, largas, pequenas, desertas, cheias de gente e nada de chegar ao dito-cujo. Maeda não quis dar o braço a torcer. Na cabeça teimosa dele, pedir informação era assumir um atestado de incompetência. Ele tentava fitar o horizonte procurando por onde o sol se pôs. Desta forma, conseguiria descobrir os pontos cardeais e nos dar a direção correta até o hotel. Não dava pra usar o cruzeiro do sul porque o céu da cidade não permitia.

Foto tirada a esmo enquanto procuravamos o caminho de volta ao hotel.

Andamos mais 1 hora e nada. O pior é que não tínhamos o endereço do hotel e (pasmem!!!) havíamos esquecido tambem seu nome: hotel Regente. Saímos num amadorismo de botar medo. Sem saber a direção por onde voltar, sem saber a rua, bairro, nome do hotel ou qualquer outra informação que nos situasse. Lembrei do conselho dado por uma amiga, quando cheguei à São Paulo ha uns 11 anos. -"Quando se perder, basta ir no reto eterno. Vá sempre reto sem hesitar. Em algum momento você deve sair numa grande avenida que irá lhe levar até seu destino". Parece bizarro mas eu garanto que isso funciona. Ja usei várias vezes em São Paulo e neste dia usei em Belém. Subimos e subimos até chegar numa grande avenida. Maeda lembrou de termos passado por lá e enfim conseguiu nos dirigir até o hotel. Chegamos, deitamos e dormimos como pedra.

Nada como uma noite de sono numa cama de verdade, sem se preocupar com pernilongos, pulgas, jacarés, onças, anacondas e afins. Acordamos cedo, tomamos café, malas pro carro e fomos direto para o que seria nosso último passeio em Belém antes de seguirmos com a expedição: o Forte do Castelo do Senhor Santo Cristo do Presépio de Belém (ufa!), mais conhecido como Forte do Presépio. :-)

Forte do Presepio - Belém, Pará

O Forte, assim como a primeira capela de Belém, tiveram sua construção iniciada em 1616, por Castelo Branco. No contexto do levante dos Tupinambás, a povoação e o forte foram atacados pelas forças do chefe Guaimiaba, que pereceu em combate em 1619. Danificada, essa primitiva fortificação foi substituída por outra mais sólida, com forma quadrada, feita de taipa de pilão. Depois, passou por sucessivas obras, sendo que a última delas foi finalizada em 1868. O Forte contava agora com quartéis, casa, uma ponte sobre o fosso, um portão e uma muralha de pedras pelo lado do mar. Este patrimônio está na origem da fundação de Belém e da colonização portuguesa da Amazônia, no século XVII. É um lugar que transcende aventuras, lutas e descobrimentos, nos levando à um Brasil cuja magnífica história de sangue e suor não é contada em nossas escolas.

Turisticamente falando, o Forte do Presépio e todo o seu entorno é um patrimônio que está preparado pelo governo do Pará para receber adequadamente seus visitantes. O lugar é de fácil acesso, limpo, bonito, com pessoas preparadas para atender e conversar com propriedade sobre o local.

Se você é um canhão do Forte do Presépio, esta será sua visão por muito tempo

Depois de ficar por quase 3 horas ali, voltamos ao carro e nos preparamos para dar continuidade à aventura. Ha quase 2 semanas não dirigia de verdade e naquele momento iríamos voltar à nossa jornada pelo asfalto --que em alguns momentos seria melhor que não existisse. Você entenderá o porque mais para frente. Agora vamos para a terceira e última fase da Expedição Madeira, passando pelo interior do Pará, Maranhão, Tocantins, Goias, Distrito Federal, Minas Gerais e enfim de volta a São Paulo.

  
  

Publicado por em

MARIA DO SOCORRO FONTES TORRES

MARIA DO SOCORRO FONTES TORRES

07/08/2009 00:00:16
Pois é, Joao Nelson, como podemos esquecer de uma comida tão exótica e de gosto tão diferente e ao mesmo tempo tão saboroso? Tem um gosto meio amargo, diferente de todos os pratos que já tivemos o prazer de provar. Confesso que da 1 vez que comi, não gostei muito. Mas ainda bem q/ tive a curiosidade de repetir e, adorei.Lembrei-me agora de outra parada obrigatória em Belém do Pará é na Sorveteria "CAIRU". Tem uma filial na Estação das Docas. Tem sorvetes de açaí, cupuaçu, tapioca, de milho e + uma infinidade de frutas tropicais. É pra quem quer se deliciar com as coisas boas da terra e que não tá preocupado em voltar da viagem com uns quilinhos a mais. O segredo é tomar sem remorso. Aproveitando a oportunidade, gostaria que alguém que já visitou a cidade de Afuá, a famosa Veneza Paraense, me mandasse algum comentário sobre ela. Ela está nos meus planos p/ as próximas viagem. Fui à Ilha de Marajó,e ela é um dos muncípios q/ fazem parte da ilha e assim mesmo não houve tempo de ir até lá. Dependendo dos comentários de quem conhece, decidirei se vale a pena o risco dos mosquitos... Desde já agradeço a quem prestar essas informações. Socorro Fontes.

Athaides Maeda e Marcos Bonas

Athaides Maeda e Marcos Bonas

Excelente comentário Maria. Sobre a sorveteria Cairu, passamos por lá. Experimentamos o clássico Açai + Tapioca. Realmente ótimo. :) Valeu!
MARIA DO SOCORRO FONTES TORRES

MARIA DO SOCORRO FONTES TORRES

03/08/2009 00:29:50
Belém do Pará é roteiro que todo turista deveria conhecer. Há muito o que se ver: o Mercado Vero o Peso, o Forte do Presépio, A casa das 11 janelas,A Extaçao das Docas,Igrejas, Teatros , Museus,não esquecendo da famosa gastronomia, encontrada por toda parte da cidade e nos grandes restaurantes como o "Maná das Garças" e na Extação das Docas. Lembrem-se de apreciar o famoso Açaí na tigela, que só em Belém existe daquele jeito. O resto é imitação. Sugiro, para quem ainda não teve a ideia ou a oportunidade de visitar Belém, inclua no próximo roteiro de viagem. O trâsito até que deveria ser + organizado, mas isso a gente tira de letra...

João Nelson Silva

João Nelson Silva

02/08/2009 22:29:23
Vocês esqueceram de falar o melhor de Belém: o TACACÁ.

Athaides Maeda e Marcos Bonas

Athaides Maeda e Marcos Bonas

Diga lá João, tudo bem? Nós não podíamos esperar, então provamos o Tacacá em Santarém, antes mesmo de chegar a Belém. Veja em [[http://ecoviagem.uol.com.br/blogs/expedicao-madeira/boletins/santarem-embaixo-das-aguas-e-ainda-elegante-9689.asp.|]] De qualquer forma, a cidade de Belém se mostrou a capital gastronômica do planeta. Cheiros e sabores estão todos misturados lá. Valeu.