PN dos Lençóis Maranhenses - MA

Recentemente, os Lençóis Maranhenses foi citado por uma renomada revista estrangeira de turismo como um dos dez destinos mais belos do planeta.

  
  

Chamar a região dos Lençóis de deserto é uma incoerência, pois o que não falta aqui é água pura e cristalina. Explicar ou entender esta região tem sido um trabalho difícil para estudiosos que tentam, por exemplo, saber como pode haver peixes nas grandes lagoas formadas pelas chuvas que ocorrem de janeiro a julho e que no resto do ano estão secas. As chuvas são responsáveis por todas as mudanças que cercam os Lençóis. Deixando de lado estas questões, o que se tem nesta região é uma paisagem espetacular e maravilhosa, que enche os olhos dos mais céticos viajantes.

A imensidão dos grandes Lençóis preenchem o cenário

A imensidão dos grandes Lençóis preenchem o cenário
Foto: Eduardo Issa

Recentemente, os Lençóis Maranhenses foi citado por uma renomada revista estrangeira de turismo como um dos dez destinos mais belos do planeta. Quando se caminha por entre as centenas de dunas, banhando em lagoas refrescantes de cor azul ou verde dependendo da região, você começa a sentir realmente a imensidão dos Lençóis. A área do parque totaliza 155.000 hectares e atinge vários municípios, sendo que o ponto de partida normalmente é a cidade de Barreirinhas, no Maranhão. A cidade que sempre foi uma pacata vila de pescadores vem sendo atropelada pelo turismo trazido com a chegada do asfalto. Há apenas 3 anos era preciso cerca de 12 horas para percorrer o trecho entre São Luís e a pequena Barreirinhas, hoje esta mesma distância é feita em 3 horas de carro e 4 de ônibus.

A vista 360º do Farol de Mandacaru

A vista 360º do Farol de Mandacaru
Foto: Eduardo Issa

O parque não estava preparado para esta explosão e com isso muita coisa acontece sem estar devidamente aprovada ou prevista no plano de manejo da unidade. Segunda Érica Fernandes Pinto, atual chefe da unidade, muita coisa precisa se adequar ao parque, principalmente em relação aos veículos que muitas vezes entram na área do parque sem autorização, entrando em regiões consideradas intangíveis. Alguns destes visitantes são despreparados e não conhecem os perigos escondidos nas dunas e rios que serpenteiam os grandes Lençóis. O parque necessita de recursos e na minha opinião deveria ser feito um trabalho intenso de educação ambiental, orientação nas agências de turismo e a implantação de placas de sinalização e informativas. Vários veículos já foram engolidos pelas dunas ou afundaram nas águas do rio Negro. Andar pelo parque sem guia ou um morador local é arriscado, no meio das dunas as paisagens são parecidas, confusas e sem um bom senso de direção você se perde facilmente.

No meio ambiente hostil, alguns seres sobrevivem

No meio ambiente hostil, alguns seres sobrevivem
Foto: Eduardo Issa

As dunas podem chegar a 20 metros de altura e os ventos sopram fortemente atingindo até 70 km/h, transportando dunas e remodelando a paisagem, transformando o relevo num visual que lembra lençóis espalhados numa cama. Algumas regiões são pouco visitadas pelos turistas convencionais e se tornaram oásis escondidos entre dunas. Um destes tesouros é o povoado de Atins, lugar perfeito para quem quer conhecer os Lençóis sem pressa, poucas pessoas, curtindo toda a paz e tranqüilidade. Em Atins você vai sentir um pouco do estilo de vida de quem vive na região, saber que aqui a noção de tempo e espaço tem novos conceitos para este povo bravo e simples mas de coração valente. A região do rio Negro é inóspita e deserta, uma paisagem desoladora e ao mesmo tempo envolvente que abriga o pequeno povoado de Baixa Grande que tem ritmo e vida própria. Seguindo mais adiante está a região mais protegida do parque, a Queimada dos Britos, nada de compara a este tesouro dos Lençóis.

Lagoas de águas cristalinas e refrescantes em Atins

Lagoas de águas cristalinas e refrescantes em Atins
Foto: Eduardo Issa

Pelo caminho é possível ver momentos raros da natureza como uma cachoeira formada pelo acúmulo de águas das chuvas nas dunas e que descem em direção ao mar. As mutações não param por aí, a região que já foi uma vasta área de mangue desapareceu coberta por areias e dunas. Atualmente a areia está se movendo e os resquícios do mangue começam a vir à tona, transformando novamente a paisagem. Outras regiões como Paulino Neves e Santo Amaro também têm seus encantos, vale conferir. O que é mesmo imperdível é o passeio pelo rio Preguiças, o principal rio da região.

Se arriscar de carro pelos Lençóis sem guia pode custar muito caro

Se arriscar de carro pelos Lençóis sem guia pode custar muito caro
Foto: Eduardo Issa

De lancha você navega pelas águas calmas emolduradas por buritizais, manguezais e dunas até encontrar o mar. Lugares mais visitados como Caburé, tem uma extensa praia de um lado e o rio Preguiças do outro, já o Farol de Mandacaru vale pela vista de cima, onde se tem uma noção da grandiosidade dos grandes lençóis e todo seu redor. É difícil convencer alguém a visitar algum lugar em poucas palavras, mas o parque dos Lençóis é um destes lugares que vai te envolver e te transportar para uma paisagem que é um sonho real.

Seguindo para o PN da Serra Capivara.

  
  

Publicado por em