A mágica ilha de Chiloé - 1

Visitar a ilha de Chiloé, no sul do Chile, significa entrar em outro mundo em relação ao resto do país. Em Chiloé, o tempo parece passar mais devagar diante dos olhos do visitante. Ruas tranqüilas, estradas floridas e a agricultura artesanal emprestam a

  
  

Visitar a ilha de Chiloé, no sul do Chile, significa entrar em outro mundo em relação ao resto do país. Em Chiloé, o tempo parece passar mais devagar diante dos olhos do visitante. Ruas tranqüilas, estradas floridas e a agricultura artesanal emprestam a cada cidade chilota um ar bucólico. Não que a ilha seja atrasada, muito pelo contrário, há muitos anos a região ostenta o menor índice de analfabetismo do país. Isto se deve em grande parte a colonização Jesuítas, que construiu escolas e igrejas por toda parte. Na verdade o sacerdócio e o magistério são as profissões mais almejadas pelos chilotas, como são conhecidos os habitantes das ilhas. Hoje o arquipélago possui mais de 150 igrejas e um número ainda maior de escolas, todas elas administradas pela própria comunidade. Estas igrejas são um dos grandes atrativos turísticos da ilha. Construídas em madeira e sem uso de pregos, são um verdadeiro testemunho da fé e da habilidade deste povo tranqüilo e pacífico. A igreja de San Carlos é um exemplo. Localizada na cidade de Chonchi, é a maior de todo arquipélago com 730 m2 de área. Sua construção foi iniciada em 1754, mas só foi concluída em 1859. Totalmente feita em madeira, possui uma torre de três andares e um portal com cinco arcos. Ali se pode ver o esmerado trabalho dos artesãos, que transformaram a madeira nativa em luxuosos altares, nichos e arcos. Ainda hoje, o artesanato é uma das principais fontes de renda dos ilhéus. Duas vezes por semana eles chegam a ilha principal e se reúnem em feiras, com a que acontece na cidade de Dalcahué na região central da ilha. Dalcahué significa “lugar das canoas”. Todas as quintas e domingos o centro desta pequena cidade é tomado por centenas de artesão e comerciantes que trazem seus produtos para serem vendidos ou trocados. Vende-se de tudo, desde peixe até finos cobertores de lã tecidos a mão. A feira de Dalcahue é uma excelente oportunidade de se entrar em contato com o verdadeiro chilote, descendente da mistura dos espanhóis com os índios nativos e representantes fiéis desta cultura centenária.
Mas Chiloé também esconde outros encantos. Você vai conhece-los na próxima reportagem. Não perca!

Rua de Castro, a capital da ilha

Rua de Castro, a capital da ilha
Foto: PPG

Dalcahué, cidade das canoas

Dalcahué, cidade das canoas
Foto: PPG

Feira de artesanato

Feira de artesanato
Foto: PPG

Igreja de Chonchi, a maior da ilha

Igreja de Chonchi, a maior da ilha
Foto: PPG

Os Goldschmidt na praça de Dalcahué

Os Goldschmidt na praça de Dalcahué
Foto: PPG

  
  

Publicado por em