Descobrindo a nossa história - Ilha da Madeira 2

Nossa visita a ilha da Madeira foi espetacular.

  
  

Nossa visita a ilha da Madeira foi espetacular. Como dissemos ontem, fomos recebidos pelo pessoal da Madeira-Seeker, um ótimo receptivo local que organizou toda nossa visita. Depois de conhecermos o peculiar aeroporto suspenso por pilastras, fomos conhecer a vila de Machico. Nesta pequena baia, desembarcaram no século XV os primeiros portugues e construiram ali um fortim e uma pequena comunidade. Hoje a vila de Machico tem um patrimônio arquitetônico muito bem conservado e ruas simpáticas com restaurantes e cafés. Não deixe de subir ao mirante e observar não só a vila, mas também todo o vale e a parte norte da ilha, praticamente selvagem.

Seguimos depois para o interior da ilha, subindo pelo vale de Machico e depois pelo vale de Faial. Chegamos quase a 1.500 metros de altura. Lá no alto, conhecemos um criadouro de carpas e fomos apresentados a duas tradições locais. A primeira foi a Poncha, uma bebida típica que lembra um pouco a nossa caipirinha. É feita com aguardente de cana, limão e mel de abelha. É servida em bares e restaurtantes de toda ilha, mas o melhor, dizem que é servido no bar do John. Na hora do almoço, paramos no Restaurante do Faísca na região do Ribeiro Frio. Lá experimentamos a espetada, um churrasco de Lombo de vaca, feito em espetos de Louro, acompanhado de: polenta temperada, salada e um pão mouro com azeite e ervas aromáticas. Não deixe de esperimentar o refrigerante local chamado Brisa. Uma delícia!

Depois do fabuloso repasto, votamos para a estrada e atravessamos uma alta cordilheira coberta de pinheiros, nos aproximando da capital Funchal pelo lado norte. No caminho paramos para conhecer a região do Monte. Esta parte de Funchal foi habitata por imigrantes ingleses durante muito tempo. Eles viviam na parte alta da cidade, por seu mais frio e fresco. Para evitar a longa caminhada montanha abaixo até o centro da cidade, os ingleses contratavam homens que empurravam uma espécie de trenó de madeira em forma de cesto pelas ruas de pedra. Isto foi há mais de 150 anos. Desde então, este diferente meio de transporte foi adotado pelos madeirenses e hoje é um dos principais atrativos turisticos de Funchal. Adivinha se a Familia não desceu nos cestos? É claro que sim, não perderia isto por nada.

O Cesto não tem rodas, apenas duas laminas de madeira untadas com banha. Dois homens conduzem cada cesto empurrando e freiando quando é necessário. Eles usam roupas tradicionais com chapeus parecidos aos dos antigos estudantes de Cambridge (Inglaterra), além de botas com solas feitas de pneus. O trajeto dos cestos segue montanha abaixo por vias estreitas e não exclusivas, ou seja, junto com carros, motos e caminhões. Uma verdadeira emoção.

Depois da emocioante descida, seguimos para a última parada de nossa visita, o Cabo Girão. Este promontório rochoso possui uma parede vertical com 580 metros de altura e ostenta o posto de segunda maior falésia do mundo. É uma queda impressionante!

Infelizmente chegou a hora de voltarmos para o navio. O tempo foi pouco para conhecer tanta beleza. Creio que percorremos apenas 20% de toda ilha e vimos paisagens maravilhosas. Para quem vier visitar a Ilha da Madeira, recomendo ficar entre 5 a 7 dias. Há muito o que ver e aprender sobre este pedacinho de Portugal no meio no Atlântico.

Amanhã chegaremos Cadiz, a última parada antes do final de nossa travessia. Espero voces lá!

Você poderá acompanhar nossa aventura aqui ou em www.familiagold.com.br

Peter Goldschmidt
Membro da Família Goldschmidt.
Aventureiro, palestrante e Consultor de turismo da Gold Trip www.goldtrip.com.br

  • Se vier visitar a Ilha da Madeira, use o serviços da Madeira-seekers. Profissionais competentes e excelente preço. Tel: (351) 918 375 661 / 934 026 255

www.madeira-seekers.com // email: madeira.seekers@gmail.com

  • Este diário faz parte de um relato sobre a viagem de travessia de Santos a Lisboa no navio Vision of the Seas em Abril de 2010.
  • Fotos Família Goldschmidt e Eduardo Bovo Junior
Vila de Machico
Vale de Machico
Igreja de Funchal
Monte
Praça do Monte
Cesto do Monte
Erick no Cabo Girão
  
  

Publicado por em

AlbinoCosta

AlbinoCosta

27/04/2010 09:06:59
Visitar a Ilha da Madeira e não conhecer Santana e o seu Parque Temático é como ir a Roma e não ver o Papa. Volte para trás e conheça o norte da Madeira com o seu clima europeu e as suas trilhas. E não pode perder o Jardim Botânico nem deixar de comer o renomado filet de atum. A ilha tem apenas 50 Km de extensão mas são bem precisos 5 dias para se poder apreciar convenientemente uma pequena parte das suas belezas.