Descobrindo a nossa história - Lisboa 1

Depois de 14 dias de viagem e mais de 9 mil quilômetros navegados, finalmente chegamos a Lisboa, capital de Portugal.

  
  

Depois de 14 dias de viagem e mais de 9 mil quilômetros navegados, finalmente chegamos a Lisboa, capital de Portugal. Foi uma travessia muito bonita e cheia de surpresas , porém, faltava chegar na Pátria -avó, ou seja, na mãe da Pátria-mãe. Afinal, o objetivo da nossa aventura é conhecer a nossa história, entender de onde viemos e como tudo aconteceu. Por isto precisavamos terminar esta viagem em Lisboa, o lugar onde tudo começou, de onde partiram os exploradores que desbravaram a África, a Índia e o nosso Brasil.

Logo que chegamos ficamos impressionados com a beleza da cidade. Apesar de ser uma capital, a cidade de Lisboa não é grande, tem pouco mais de 600 mil habitantes (a grande Lisboa tem mais de 2 milhões). Assim que chegamos fomos recebidos pela Sra. Carmo, a jornalista e guia da Turismo de Lisboa, nossa anfitriã. Ela nos acompanhou durante todo o dia e nos ensinou muito sobre a história e costumes locais.

Começamos pelo bairro do Rossio, onde caminhamos e exploramos um pouco da parte comercial da cidade. Dali embarcamos no Elétrico (bonde) número 28, que percorre os principais pontos turisticos da cidade e suas sete colinas. São bondes pequenos, antigos e cheios de charme. Depois de algumas subidas chegamos ao alto de uma colina de onde avistamos boa parte da cidade. Lá encontramos o Castelo de São Jorge, uma fortaleza muito importante para Lisboa e para Portugal. Foi neste lugar que, em 1147, o cavaleiro Don Afonso Rodrigues expulsou os invasores Mouros que ocupavam a região e fundou a cidade, tornando-se o primeiro rei de Portugal. Na fortaleza não há um castelo mas, por entre seus muros tem-se uma das melhores vistas da capital portuguesa. Uma beleza de lugar!

Depois do Castelo, resolvemos descer a colina através das escadarias de Alfama. Este antigo bairro era o reduto dos Mouros, Judeus e pescadores, pois ficava perto do mar. É uma das partes mais antigas da cidade e sobrevivente do grande terremoto de 1745, que devastou Lisboa. Possui muros antigos e casas forradas de azulejos brancos e azuis, uma decoração tipicamente portuguesa. Outra “decoração” tipica daqui são as roupas secando nas janelas dos prédios. Praticamente em todo o edificio existem alguma roupa pendurada ao sol. As ruas de Alfama são estreitas e vão revelando a beleza do bairro a cada esquina ou escadaria.

Aos pés de Alfama, passamos rapidamente pela casa dos Bicos, uma construção do século XV que passa facilmente por uma obra de um arquiteto pós-modernista. Depois, fomos novamente até a região central para conhecer o bairro de Chiado, o mais turístico e chique da parte antiga da capital. Caminhamos por várias ruas passando por igrejas e cafés até chegarmos a parte mais baixa onde está a rua Augusta. Esta movimentada avenida, aberta somente para pedestres, nos conduziu através de um grande portal até a antiga praça do Comércio. Era neste local que viviam os reis e onde chegavam as mercadorias vindas de todas as partes do mundo. Vale mecionar que toda esta parte da cidade é conhecida como Baixa Pombalina, pois foi destruída pelo grande terremoto e depois reconstruída pelo visionário Marques de Pombal.

Após almoçarmos no excelente restaurante Flores, fomos para a parte mais moderna da cidade, conhecida como Parque das Nações. Esta região foi revitalizada para receber a Feira Mundial de 1998 e desde então se transformou em uma área das mais caras da capital. Ali nós visitamos o Oceanário de Lisboa, um dos mais completos e belos do mundo. O próprio prédio é construido lembrando o mar. Em cada ponta do edifício existem aquários e ambientes representando os quatro oceanos do mundo: Antártico, Pacífico, Atlântico e Índico. No centro há um imenso aquário com a altura de dois andares. Neles encontramos peixes pertencentes aos quatro oceanos vivendo no mesmo ambiente, representando que a vida da nos mares (e na terra) é uma só e precisa ser preservada. Diante da bela arquitetura e do espetáculo marinho, o tempo passou mais rápido do que deveria. Eu poderia ficar horas e horas observando este verdadeiro mar em terra.

Como voces puderam perceber hoje foi um dia muito corrido, pois desembarcamos cedo do cruzeiro e não paramos mais. Agora vamos descansar. Amanhã vamos para o interior e creio que teremos grandes surpresas. Até lá!

Você poderá acompanhar nossa aventura aqui ou em www.familiagold.com.br

Peter Goldschmidt
Membro da Família Goldschmidt.
Aventureiro, palestrante e Consultor de turismo da Gold Trip www.goldtrip.com.br

  • Em Lisboa tivemos o apoio da Turismo de Lisboa
  • Fotos Família Goldschmidt e Eduardo Bovo Junior
  • Este diário faz parte de um relato sobre a viagem de travessia de Santos a Lisboa no navio Vision of the Seas em Abril de 2010.
Bandeira de Portugal
Símbolo de Lisboa
Bairro do Rossio
Bonde elétrico
Vista Lisboa Pombalina
Entrada do Castelo de São Jorge
Bairro do Chiado
Portal da rua Augusta
Família Goldschmidt na praça do Comércio
Teleférifo no Parque das Nações
Aquário Gigante
Alfama
Oceanário Peixe Lua
  
  

Publicado por em

Manuel

Manuel

08/10/2011 08:41:58
Dom Afonso HENRIQUES! Pô, o pai da nacionalidade.