VIAJE COMIGO 18 | QUÊNIA

Jambo! Karibu!

  
  

Estas duas palavras em Kisuahili, língua oficial do Quênia, significam olá e seja bem-vindo, respectivamente. Foram as que eu mais ouvi durante minha viagem neste simpático país da África Oriental. Apesar de passarem por dificuldades econômicas, os quenianos mantêm o bom humor e a simpatia, característica deste país com quase 40 milhões de habitantes. O Quênia é um país jovem, pois foi apenas em 1963 que ele se libertou da Inglaterra e tornou-se uma República Democrática. Hoje sua economia se baseia na exportação de chá e café, na exportação de flores, agricultura familiar e turismo.

A vocação turística começa já pela sua capital, Nairobi, com quase quatro milhões de habitantes. A poucos minutos do centro é possível fazer safáris no Parque Nacional de Nairobi, alimentar girafas e elefantes, bem como visitar programas de reintrodução de animais na natureza. Mas o grande atrativo do Quênia está nas dezenas de reservas e parques nacionais localizados no interior, onde são conservados com todo rigor milhões de animais selvagens. Em nossa passagem por este país, visitamos alguns deles:

Parque Nacional Lago Nakuru
Localizado apenas a 2 horas e meia de Nairobi, o parque nacional lago Nakuru é muito especial, pois mistura savana com selva tropical, facilitando assim a observação dos animais. Nele podemos encontrar as duas espécies de rinocerontes (branco e negro), além de búfalos, javalis, antílopes, zebras e todos os grandes felinos. Aqui, encontramos os famosos leões que dormem sobre as árvores. Eles fazem isso para fugir dos insetos que os atormentam no meio da vegetação rasteira. O lago é lindo e repleto de pássaros. Em alguns lugares as águas são totalmente tomadas por milhares de pelicanos, biguás (cormorão), cegonhas e flamingos.

O melhor lugar para observar a região e o lago é do Babbon Clift (penhasco dos babuínos). Os primatas que batizam o lugar estão por toda a parte, sempre prontos a roubar um pouco de comida dos visitantes. Cuidado com eles! Não se aproxime muito. Esta é uma regra importante que vale para todos os animais e para todos os safáris que fizer. Não se deixe enganar pela carinha simpática de um filhote de leão ou pela placidez de um búfalo ou uma zebra. Todos são animais selvagens seguem seus instintos de defesa e auto-preservação. São imprevisíveis e por isto, perigosos. Fique sempre no interior do veículo e os observe com respeito e silêncio. Desta maneira você fará safári super seguro e aproveitará o melhor da África.

Reserva Maasai Mara

A Reserva Maasai Mara é a mais importante do Quênia. Um santuário para milhões de animais com uma área de 1.510 km². A reserva é toda coberta por suaves colinas forradas por uma savana baixa. Enxerga-se longe e por isto é mais fácil encontrar grandes manadas. O Maasai Mara é o local de migração de milhões (isso mesmo, milhões) de gnus, zebras e gazela de Thompson. Durante todo o ano eles fazem um percurso circular entre este parque e o Serengeti, na Tanzânia. No início de Agosto eles cruzam o rio Mara e permanecem no Maasai Mara até Outubro. Esta travessia do rio é um dos pontos altos da migração e atrai milhares de turistas. Todo o parque se transforma em um paraíso para fotógrafos e amantes da natureza. Mesmo em outras épocas do ano, podemos ver grandes manadas, além de muitos javalis, girafas, elefantes búfalos e outros animais. Mas este grande desfile de animais não faz somente a alegria dos turistas. Junto com as manadas, chegam também os grandes predadores como o leão, leopardos, guepardo e hienas. Eles vêm atrás da comida farta e fácil. Por isto, a Reserva Maasai Mara é o melhor lugar para observações de carnívoros em ação. Em apenas um dia vimos um grupo de 20 leões descansando, dois machos caçando e uma grande família de leões se banqueteando com uma zebra. Incrível!

Ao redor da reserva é possível encontrar várias aldeias da tribo Maasai, uma das mais importantes etnias do Quênia. São cerca de 4 milhões de indivíduos, muitos deles ainda vivendo como seus antepassados nômades. Os Maasais são pastores, guerreiros e caçadores. Vivem em aldeias circulares na forma de um grande curral. Eles amam seu gado e o recolhem todas as noites no centro da vila. São muito altos e esguios, orgulhosos de sua cultura e aparência. Sempre estão armados com uma lança, uma faca de dois gumes e uma clava de madeira. São caçadores habilidosos, mas respeitam os animais selvagens e não os utilizam em sua alimentação. Até pouco tempo atrás, para um jovem Maasai ser considerado adulto e poder casar, teria que antes matar um leão. Com o número de Maasais crescendo e os de leões diminuindo, o governo do Quênia proibiu a caça, não só de leões, mas de todo animal selvagem. Sua alimentação é baseada na carne de cabras, leite de vacas e sangue de boi (que misturam ao leite). Outro orgulho dos Maasai é sua música e dança. Eles dizem que o homem que salta mais alto durante a dança consegue as melhores namoradas. Visitar e conhecer o povo Maasai é uma experiência fascinante e imprescindível para quem visita esta região.

Parque Nacional Amboseli
O ponto mais alto da África é o monte Kilimanjaro, que fica na Tanzânia e tem uma altitude de 5.896 metros. É a montanha isolada mais alta do mundo. Por estranho que possa parecer, o melhor lugar para observá-la não é na Tanzânia, mas o Parque Nacional Amboseli, localizado a cerca de 200 quilômetros da capital Nairobi. Ver o monte Kilimanjaro já seria razão suficiente para vir até aqui. O que dizer então se somarmos milhares de animais selvagens passeando pelas suas planícies. Segundo me disseram, aqui estão os elefantes com as maiores presas da África. Ficamos frente a frente com uma grande manada onde dois jovens machos testavam suas habilidade brigando entre si. Foi um espetáculo incrível. Também acompanhamos duas hienas que vierem em nossa direção. Uma delas passou bem ao lado do nosso carro. Tudo muito seguro. Os animais não vêem os carros de safári como um ameaça e não distinguem os humanos dentro deles. Para os animais o carro e as pessoas são uma coisa só, ou seja, um ser maior que eles e, portanto digno de respeito. Vimos também muitos babuínos, girafas, zebras, gazelas e búfalos que passeavam tranqüilos a nossa frente.

Como você pode ver, o Quênia é lugar fantástico. O país é simples, porém com uma excelente estrutura turística. Ótimo receptivo, ótimos hotéis, maravilhosos safáris. Por estar próximo ao Equador tem clima temperado durante todo o ano. Chove mais em Março, Abril e Novembro, mas são chuvas rápidas, geralmente no final da tarde ou à noite. Quando vier, faça todos os safáris possíveis e visite pelo menos uma aldeia Maasai. Se puder, faça um passeio de balão em um dos parques nacionais. Vale a pena! Para saber mais detalhes, entre no site da Gold Trip – www.goldtrip.com.br. Kwaheri – Tchau!

Peter Goldschmidt – Família Goldschmidt
Peter é membro da Família Goldschmidt e diretor-consultor de turismo da agência Gold Trip. www.goldtrip.com.br // www.familiagold.com.br

  • Fotos: Família Goldschmidt e André Pereira
  • Este diário refere-se a viagem da Família Goldschmidt ao Quênia em Junho 2011.

Fonte: http://www.goldtrip.com.br/viaje-comigo-africa-quenia/

  
  

Publicado por em