VIAJE COMIGO 57 | ARGENTINA | BARILOCHE

A cidade de Bariloche tem uma localização privilegiada, ao norte da Patagônia argentina, próxima a cordilheira dos Andes e cercada por lagos e montanhas.

  
  

A cidade de Bariloche tem uma localização privilegiada, ao norte da Patagônia argentina, próxima a cordilheira dos Andes e cercada por lagos e montanhas. Uma das mais altas é o Cerro Catedral, um ícone do inverno e a maior pista de esqui da América Latina. Bariloche é muito conhecida por sua neve e durante os meses mais frios é invadida por milhares de brasileiros. São tantos que a cidade recebeu a alcunha de “Brasiloche”.

Porém, nos meses mais quentes do ano, a situação muda radicalmente. Poucos brasileiros se aventuram a região e assim deixam de conhecer um dos lugares mais lindos da Argentina. Os lagos azuis, os rios transparentes, as montanhas verdejantes salpicadas por glaciares branquíssimos formam uma paisagem como poucas e encantam qualquer visitante. Entre os meses de Novermbro a Abril, Bariloche se tinge de verde, azul, amarelo e vermelho. Verde pelos bosques que cobrem suas montanhas e vales. O azul é divido entre o céu e seu lagos de origem glaciar. O amarelo do Amacay, a flor mais típica de Bariloche. O vermelho proveniente das rosas, das tulipas e vários frutos silvestres como a Framboesa, a Amora e a Rosa Mosqueta, dos quais são produzidos doces, geléias, chás e até perfumes.

A palavra Bariloche que dizer: Povo de trás da montanha. Tem origem na língua dos Mapuches, povo indígena que habitou no passado esta região. A cidade foi fundada oficialmente em 1902 com o nome de San Carlos de Bariloche. Esta localizada ao lado do Parque Nacional Nahuel Huapi, o primeiro parque nacional argentino e até hoje o maior de todos. Dentro do Parque está o Cerro Tronador, uma das montanhas mais altas da região e onde encontramos vários glaciares. Eles podem ser visitados durante todo o ano e o mais acessível é o glaciar Negro. Ele tem este nome devido ao seu gelo que se mistura com as rochas vulcânicas, ganhando listas e manchas escuras. O Parque também abriga vários lagos, cachoeiras e trilhas com diferentes níveis de dificuldades.

A cidade de Bariloche é bem receptiva e oferece uma boa rede de hotéis e restaurantes. No verão há menos turistas e por conseqüência mais promoções e um melhor atendimento no já bem conceituado comércio local. Os preços são mais baixos nesta época, especialmente na hotelaria. Há um grande comercio de roupas e artesanato, além de várias fábricas de chocolates e alfajores.

Um passeio imperdível é a navegação no imenso lago Nahuel Huapi (o mesmo nome do parque). Os catamarãs têm saídas diárias e visitam a ilha Victoria e o bosque dos Arrayanes. A ilha Victória, uma das maiores do lago e está coberta por vegetação não nativa, fruto de um reflorestamento feito no começo do século XX. Por isto, encontramos aqui espécies como o Cedro do Líbano, coníferas de mais de 40 espécies e as gigantescas Sequóias trazidas dos Estados Unidos. Outra parada dos catamarãs é a Península de Quetrihue. Ali encontramos o Bosque de Los Arrayales. O Arrayal é um arbusto que normalmente cresce isolado nas margens dos lagos e tem cerca de 5 metros de altura. Em Quetryhue, por alguma razão inexplicável, os Arrayais se transformaram em árvores de até 20 metros e formaram um imenso bosque. Como o tronco desta planta é muito claro, cor de canela e repleto de manchas brancas, o interior do bosque adquire um brilho mágico, quase místico. Impressionante!

Há muito o que se ver e fazer durante o verão em Bariloche. É possível fazer rafting no Rio Manso, que de manso só tem o nome. Descer de caiaque o tranqüilo e transparente rio Limay. Pescar trutas em vários lagos. Caminhar pelas trilhas do refúgio Neumeyer. Fazer mountain bike, escalada, cavalgadas, enfim, quase todos os esportes de aventura e natureza, sempre cercados de uma natureza viva e intocada. Há também passeios diários para outros atrativos da região. O lugar mais visitado é Villa La Angostura, distante apenas 80 quilômetros de Bariloche. No caminho para lá, conhecido como Circuito Grande, também se conhece o Vale Encantado e o belíssimo lago Traful. Entre Villa La Angostura e San Martin de los Andes está a rota dos Sete lagos, um maravilhoso caminho que margeia a cordilheira dos Andes. Outro destino interessante é a região de El Bolson, repleta de fazendas, rios e lagos cinematográficos.

Como vocês viram, Bariloche é um destino para o ano inteiro. A única época que não recomendo visitá-la é no mês de Maio, conhecido pelas fortes chuvas. No verão, as opções de passeios são enormes. Recomendo ficar pelo menos de 5 a 7 dias neste destino. Bariloche pode ser usada também como base para se conhecer o lado chileno dos lagos andinos. Diariamente, durante todo o ano, tem inicio uma travessia dos Andes com destino a Puerto Varas, no Chile. A travessia é feita por catamarãs e ônibus exclusivos. Uma das viagens mais lindas do continente. Para saber mais, sugiro que entre no site da Gold Trip e veja dicas de viagem e roteiro.

Boa viagem!

Peter Goldschmidt

  • Peter Goldschmidt é membro da Família Goldschmidt que desde 1999 viaja pelo mundo descobrindo e divulgando novos roteiros turísticos.

É também diretor da agência de turismo Gold Trip – www.goldtrip.com.br
Fone: (11) 4411-8254

Fonte: http://www.goldtrip.com.br/viaje-comigo-bariloche/]

  
  

Publicado por em