A visita de Alice

Ontem eu falei sobre a emoção da chegada na Fazenda Pouso Alegre. Só que não parou por ai. Depois da chegada, a Sandra e as crianças foram fazer um passeio a cavalo e eu fiquei perto da sede para tentar ver algumas araras azuis. Sucesso total.

  
  

Ontem eu falei sobre a emoção da chegada na Fazenda Pouso Alegre. Só que não parou por ai.

Depois da chegada, a Sandra e as crianças foram fazer um passeio a cavalo e eu fiquei perto da sede para tentar ver algumas araras azuis. Sucesso total.

Enquanto minha família cavalgava em direção a um belíssimo pôr-do-sol, eu fotografei e filmei dezenas de araras.

Como descobri mais tarde, um grande grupo delas vem sempre nos finais de tarde para dormir próximo a fazenda, o que proporciona um show impressionante aos visitantes.

Minha surpresa foi maior quando avistei um outro tipo de tucano, que só havia visto em livros.

Ele tem um bico um pouco diferente e cores mais amareladas.

Quase cai de costas quando o vi botar a cabeça para fora de um buraco de uma árvore próxima. Não consegui fotografar, só filmar.

Depois que minha família voltou e contamos cada um as suas novidades, fomos tomar um banho e nos reunimos na sede da fazenda para jantar.

Foi só então que descobri que todos os hóspedes da Pouso Alegre naquele dia eram estrangeiros.

Havia italianos, ingleses, australianos, alemães e canadenses. Uma babilônia. Somente nós e os guias éramos brasileiros.

Conforme descobri depois, 90% dos ecoturistas do pantanal são estrangeiros.

Eles valorizam como ninguém a nossa terra e aproveitam o custo baixo da nossa moeda para conhecê-la, mais do que nós mesmos.

Acho isto errado e que algo deveria ser feito para promover mais o turismo interno. Não sei bem o que, mas algo.

Protestos a parte, vou continuar minha história.

Estamos conversando tranqüilamente após o jantar, quando de repente, não mais que de repente, um tamanduá bandeira invadiu a sala.

Era a Alice, uma tamanduá que foi alimentada na mamadeira quando filhote pelos peões da fazenda e ainda hoje volta algumas noites para se alimentar.

Ela não era muito grande, mas do focinho até a calda deveria ter uns 2 metros e meio.

A Sandra e eu tivemos o privilégio de alimentá-la, sempre tomando cuidado com suas unhas afiadas e seu abraço mortal.

Ela mamou mais de um litro de leite e foi embora da mesma maneira que veio. Foi um dia emocionante, como pouco que já vivi.

Tamanduás, tucanos, araras azuis, veados e Tuiuiús.

Um dia bem próximo à criação de Deus. Obrigado Senhor!

  • Pouso Alegre Hotel Fazenda

Fones: (65) 626-1545 / 9968-6101
Website: www.pousalegre.com.br

  
  

Publicado por em