Arequipa – A cidade Branca

Hoje tiramos o dia para conhecer Arequipa, a segunda maior cidade do Peru com 850 mil habitantes. Apesar de estar somente 2.300 metros de altitude, todos nós sentimos um pouco de Soroche, o mal de altura. Nada como sentimos em Huaraz, mas, sair do n

  
  

Hoje tiramos o dia para conhecer Arequipa, a segunda maior cidade do Peru com 850 mil habitantes. Apesar de estar somente 2.300 metros de altitude, todos nós sentimos um pouco de Soroche, o mal de altura. Nada como sentimos em Huaraz, mas, sair do nível do mar direto para 2.300 causou um leve desconforto.

Arequipa

Arequipa foi fundada em 1540 e é uma das cidades mais antigas da América do Sul, palco de revoluções e conflitos. Sua principal característica é a arquitetura colonial dos séculos XVI e XVII, bem preservada apesar da cidade ter sofrido vários terremotos. Arequipa possui mais de 39 igrejas ricamente decoradas por fora e por dentro. Muitos dos seus altares são cobertos de folhas de ouro (chamadas de Pan de Oro), além de imagens barrocas e altares de prata pura. Suas ruas são estreitas, repletas de casa coloniais e sacadas. Arequipa é também conhecida como “Cidade Branca”, pois grande partes de suas construções são feitas de uma pedra vulcânica esbranquiçada chamada “Sillar”, encontrada em dois vulcões da região. Esta pedra tem vantagem de ser muito resistente e ao mesmo tempo fácil de ser trabalhada. A igreja de Yanahuara é um exemplo disto. Construída no século XVI (e ainda de pé), tem sua fachada toda decorada com figuras nativas, um estilo conhecido com Barroco Mestiço.

A praça central do distrito de Yanauhara é um ótimo lugar para observar os vulcões que cercam a cidade, alguns deles com mais de 6 mil metros. Dentre os vulcões mais próximos podemos citar o Chachani, Pichu-Pichu e Misti, o mais próximo, a apenas 17 quilômetros da praça principal. Foi na praça que a Sandra experimentou o Queso Helado Charito, que de queijo (queso) não tem nada, só o formato. É m sorvete de baunilha com canela. O curioso é que o gelo onde é preparado é trazido de um dos três vulcões que mencionei.

Um outro lugar para ver a cidade e seus arredores é o mirante de Carmen Alto. Foi ali que conhecemos dois produtos típicos do Peru. Um é a Maca, fruta produzida na floresta amazônica e depois transformada em licor, balas ou pó. É considerado o Viagra natural do Peru e muito consumida em todo o país. Conhecemos também o Cuy, um animal igual ao nosso porquinho da Índia, usado no Brasil como animal de estimação. Aqui chamado de “Cuy”, é uma iguaria gastronomica peruana e muito consumido em eventos importantes e festas tradicionais. A arqueologia comprova que seu consumo como alimento remonta a 4 mil anos atrás. Eu ainda não me acostumei com a idéia de ter um porquinho da Índia como almoço.

Estamos hospedados na Praza de Armas, no centro da cidade. Daqui é muito fácil sair caminhando para qualquer parte. Há pelo menos três lugares que recomendamos conhecer:

Monastério de Santa Catalina - uma verdadeira cidade entre muros. Construído apenas 10 anos depois da fundação da cidade, hoje cobre uma área de 20.400 metros quadrados. Por volta de 1650 era uma honra para as famílias coloniais ter uma filha religiosa. Por isto, pagava-se um grande dote a igreja para que as meninas pudessem se tornar freiras Dominicanas. Elas entravam no monastério com suas serviçais e ali ficavam até o final de suas vidas. Como a ordem é de freiras reclusas, elas nunca mais poderiam sequer ver suas famílias. Hoje o Monastério tem sua maior parte aberta o turismo e apenas uma pequena aérea é reservada as 24 freiras que ainda moram ali.

A Catedral de Arequipa também é um monumento digno de ser visitado. Construída em 1621, possui estilo Neo-clássico e está localizada em frente a Plaza de Armas.

Agora, se passar um dia em Arequipa não deixe de conhecer a Juanita. Trata-se de uma múmia Inca apelidada carinhosamente com este nome. Esta menina, que deveria ter entre 12 a 14 anos quando foi morta, foi deixada como oferenda no alto do vulcão Ampato a mais de 500 anos. Encontrada congelada em 1995 (junto com outros sacrifícios humanos), se tornou um dos maiores achados arqueológicos deste período. Sua fama correu o mundo e ela também. Juanita já foi levada para os Estados Unidos, Europa e até para o Japão. Ela é tão importante que tem um museu só para ela.

Nossa visita em Arequipa está terminando. Dedicamos apenas um dia para esta cidade. Amanhã viajaremos 5 horas para o interior dos Andes para conhecer o Cânion de Colca, o segundo mais profundo das Américas. Muitas surpresas nos aguardam lá. Quer saber mais? Então nos vemos amanhã.

Obs: Ainda não descobri o mistério do Santuário das caveiras que visitamos ontem na rodovia Panamericana, mas descobri outra coisa interessante. Nosso guia Homer me explicou que em algumas regiões do Peru dá sorte ter uma caveira em casa. É como se fosse uma protetora da família e dos negócios. Já pensou se a moda pega? Ninguém terá mais sossego, nem os mortos.

Peter Goldschmidt - www.familiagold.com.br

A Família Goldschmidt tem o apoio das seguintes empresas:

GOLDTRIP - www.goldtrip.com.br
TIMBERLAND – www.timberland.com.br
TACA AIRLINES - www.taca.com
PIGMENTUM - Comunicação Visual - www.pigmentum.com.br
MTK - Artigos para aventura – www.mtkacess.com.br
BEEPHOTO – Tudo para fotográfica – www.beephoto.com.br
TRAVEL ACE Seguro – www.travelace.com.br
RENAULT – www.renault.com.br
Membro da Brazilian Adventure Society - BAS

Catedral de Arequipa
Igreja de Yanahuara
Erick com Cuy
Fruto da Maca e Licor
Arte em pedra sillar
Múmia Juanita

|Monastério Santa Catalina|Família Goldschmidt]]

  
  

Publicado por em

Rosangela Gondo

Rosangela Gondo

08/05/2010 22:48:14
Olá
fiz essa viagem em janeiro de 2009
foi muito bom compartilhar com vocês
amei relembrar esses momentos.

Maria Antonia

Maria Antonia

21/10/2009 12:20:37
Amei conhecer um pouco da cidade de Arequipa!!!!