Aventura no Tabuleiro

Continuamos nos aventurando pela Serra do Cipó. Desta vez fomos convidados pelo Claudinho da Brasil Aventura e o Gigi da Secretaria de Turismo para conhecer a terceira maior cachoeira do Brasil, a do Tabuleiro. Já tinham me falado dela, que era linda e et

  
  

Continuamos nos aventurando pela Serra do Cipó. Desta vez fomos convidados pelo Claudinho da Brasil Aventura e o Gigi da Secretaria de Turismo para conhecer a terceira maior cachoeira do Brasil, a do Tabuleiro. Já tinham me falado dela, que era linda e etc e tal, mas toda vez que eu perguntava quanto tinha que caminhar para chegar até lá o pessoal me dizia: Três ou quatro horas só para ir. Pôxa, isto desanima qualquer um! Mas meu amigo Claudinho deu um jeitinho e nos levou até bem perto do local, há somente uma hora de caminha (depois de 1 e meia de 4x4). Já antes de chegar a cachoeira, já estava extasiado. A trilha, principalmente quando ela entra pelo cânion formado pelo rio, é fantástica. É uma sucessão de cascatas e quedas d´água, uma mais bonita que a outra, intercalada por poços de água transparente e cercada por flores e arbustos. Junto com a gente estava a cadela Maria Tereza (Tetê para os íntimos). Foi ela que nos avisou de uma cobra no caminho, que quase picou o Gigi. Apesar dos perigos, a beleza era tanta que não dava vontade de seguir adiante. Relutante, após parar para nadar em 3 piscinas naturais, descemos todo o cânion e chegamos no alto da cachoeira com 270 metros de altura. Não teve jeito, deitamos na beira do precipício e ficamos quase uma hora admirando tanto a força da água que descia até o poço lá embaixo, como também toda a paisagem ao nosso redor, que era magnífica. Aí eu me empolguei. Apesar de cansado (especialmente por ter carregado todo o equipamento de filmagem e fotografia), decidi caminhar mais meia hora e ver a cachoeira de frente. Valeu o esforço! Uma visão única! A água cai de tão alto que no meio do caminho é desviada pelo vento formando curvas no ar. Cheguei a ver uma foto onde a água caia a mais de 100 metros da base da cachoeira por causa do vento forte. Hoje, ela chegava nos pés do penhasco, mas quase em forma de vapor.
Depois da visão, o chão (escrevi só para rimar). Foi cansativo, mas valeu. Recomendo a todos.

Família em cima da Cachoeira do Tabuleiro

Família em cima da Cachoeira do Tabuleiro

A cobra que estava em nosso caminho

A cobra que estava em nosso caminho

Conceição do Mato Dentro Jaboticatubas Distrito de Cardeal Mota

  
  

Publicado por em

FAGUNDES

FAGUNDES

29/05/2010 22:48:51
KARA ISTO E O Q REFRIGERA A ALMA