Cachoeiras e acidente

A nossa simpática guia Natally nos levou para conhecer a trilha das cachoeiras dentro do parque. O nosso amigo inglês apelidou-a de Miss-guia pela sua simpatia e beleza. Junto com ela nos acompanhou o Ciliney, um dos melhores guias do parq

  
  

A nossa simpática guia Natally nos levou para conhecer a trilha das cachoeiras dentro do parque.

O nosso amigo inglês apelidou-a de Miss-guia pela sua simpatia e beleza.

Junto com ela nos acompanhou o Ciliney, um dos melhores guias do parque e participante da brigada contra incêndio.

Depois de seguir por cima de vários paredões de arenito (com um vista maravilhosa), entramos na mata de cerrado até encontrar um pequeno rio.

Este rio desce por um cânion levemente aberto e na sua descida forma de dezenas de cachoeiras, uma mais linda que a outra.

A primeira é a do Pulo, que como o nome já diz, é ideal para mergulhos, pois tem uma piscina bem funda.

Eu, a Ingrid e o Erick aproveitamos para espantar o calor na água gelada.

A Sandra ficou só nas fotos e na filmagem. Desta vez a Pepita não veio (infelizmente), pois é proibido animais domésticos dentro do Parque Nacional.

Ela ficou amarrada debaixo do Kangoo, esperando nossa volta.

Fomos descendo o cânion seguindo de cachoeira em cachoeira até que o rio despencou de uma só vez uns 50 metros de altura.

Era a cachoeira da Andorinha. A descida foi perigosa e íngreme, com pedras soltas e amontoadas.

Debaixo desta queda, havia uma piscina natural (onde pretendíamos nadar) e logo alguns metros à frente, o rio despencava novamente em outra cachoeira de igual tamanho, batizada de Independência.

Quando estávamos já na parte plana da trilha, bem em frente à primeira queda d’água aconteceu um acidente.

O Erick tropeçou em um cipó e caiu de joelho em cima de uma pedra.

Fez um corte de 5 centímetros na perna do qual saiu muito sangue.

Apesar da dor, ele agüentou firme enquanto limpávamos o ferimento e fazíamos um improvisado curativo.

Pela gravidade da ferida, achei que iríamos ter que carregá-lo no caminho de volta, mas não foi necessário.

O Erick conseguiu caminhar mancando e apoiado em um bastão.

O mais difícil foi subir a trilha por onde viemos, mas depois disto ele seguiu bem.

Conversamos muito com ele na intenção de distrair a dor que devia ser grande.

No final, ele caminhou os 4 quilômetros de volta sem reclamar (muito) e seguimos de carro até o hospital da cidade.

Lá fomos atendidos prontamente e o meu Erickão levou 5 pontinhos no joelho.

É lógico que ele valorizou um pouco para ganhar mais carinho da mãe, mas isto até eu faria (e faço!) hehehehehe!

Joelho costurado, passeio terminado. Amanhã vamos escalar o morro São Gerônimo, o mais alto da Chapada, um lugar que o Erick queria muito ir.

Não vai dar! É uma pena!

  
  

Publicado por em

Wanderson Bernardes dos Santos

Wanderson Bernardes dos Santos

18/09/2008 17:20:43
Navegando pela net dei uma olhado no passeio que vocês fizeram e achei muito legal,estão de parabéns pelos lugares onde foram, meu nome é Wanderson moro na região da Serra da Canastra MG trabalho como guia aqui na região e por ter uma exuberante paisagem com lindas cachoeiras e muitas trilhas pensei em convidar vocês à conhecer nossa região que é famosa pela Nascente do Rio São Francisco na Serra da Canastra com a cachoeira Casca Danta com seus 180 mts de queda livre, espero respostas e muito prazer em falar com vcs e obrigado pela atencão.