De Pouso Alegre a Santa Teresa

Logo cedo, o Reginaldo nos convidou para uma caminhada na mata para procurar o pássaro mais misterioso do Pantanal, o Urutal, também conhecido como pássaro invisível. As crianças não entendiam como iríamos ver um pássaro invisível e tivemos que ex

  
  

Logo cedo, o Reginaldo nos convidou para uma caminhada na mata para procurar o pássaro mais misterioso do Pantanal, o Urutal, também conhecido como pássaro invisível.

As crianças não entendiam como iríamos ver um pássaro invisível e tivemos que explicar que a arte do Urutal era se camuflar o melhor possível em um tronco de árvore.

Na verdade, sua plumagem é da mesma cor que os galhos do Ipê e ele se posiciona como se fosse a ponta de um galho quebrado.

Somente os olhos treinados de nosso guia foram capazes de encontrá-lo.

O Urutal é um verdadeiro mestre na arte da camuflagem. Voa de noite e dorme de dia.

Deixamos a fazenda Pouso Alegre para trás e seguimos a Transpantaneira para o sul, sempre parando para observar os animais.

De vez em quando passamos por um desvio lateral das pontes, para não desgastá-las ainda mais.

Paramos no Km 65 e fomos conhecer a Fazenda Santa Tereza.

O proprietário Marcos nos recebeu na porta da sede transformada há pouco tempo em pousada.

Em sua companhia, trouxe um cateto, uma espécie de porco do mato domesticado. Seu nome era Sheik.

Ele e a Pepita não se entenderam muito bem, e por isto nossa cachorrinha ficou “estacionada” sobre a carroceria da caminhonete.

Depois de um belo almoço típico pantaneiro, fomos conhecer o rio Pixaim que corre por trás da pousada.

A bordo de uma confortável voadeira, descemos alguns quilômetros pelo meio de uma densa mata nativa.

Até o momento, já tinha visto muitos pássaros, mas não em tamanha quantidade.

Eram tuiuius, cegonhas, garças, piaçocas, biguá, maguaris, araçá-bois e uma infinidade de aves que parecia não ter fim.

Como expliquei antes, o final do período de seca proporciona este tipo de visão.

Todas as aves disputando os peixes em lugares com pouca água.

A busca aflitiva de comida pelas aves era o nosso deleite. Como diz o ditado: “desgraça de um, alegria de outro”.

Passamos várias horas no rio e acabamos atrasando nosso já corrido roteiro.

No entanto, ainda tivemos tempo de alimentar o Zico, um jacaré de 3 metros que ronda a pousada em busca de comida.

Em um pedaço de pau, eu espetei uma piranha e coloquei dentro da sua boca. Rendeu ótimas imagens.

Foram muitas coisas que aconteceram neste dia, por isto vou contar o resto amanhã.

Tchau!

  • Hotel Fazenda Santa Tereza

Fones: (65) 9971-9417 / 9971-1963
Website: www.santaterezahotel.hpg.com.br

  • Pantanal Mato Grosso Hotel

Fones: (65) 614-6205 / 0800-110098
Website: www.hotelmatogrosso.com.br

  
  

Publicado por em