Fazenda Flecheiras

Depois do acidente, apesar do ar pesado na fisionomia de todos, seguimos nossa viagem em direção a fazenda Flecheiras. O humor só melhorou quando fizemos um outro resgate a alguns quilômetros a frente. Desta vez foi um porquinho que não c

  
  

Depois do acidente, apesar do ar pesado na fisionomia de todos, seguimos nossa viagem em direção a fazenda Flecheiras.

O humor só melhorou quando fizemos um outro resgate a alguns quilômetros a frente.

Desta vez foi um porquinho que não conseguiu atravessar o rio. Batizamos a leitoazinha de “Salva-te a mim”.

Depois de subir o rio até onde pudemos, pulamos para terra e começamos a parte mais difícil de nossa viagem, a cavalgada.

Não que eu não goste de cavalos, gosto muito. Mas ele lá e eu aqui.

Devo confessar que as minhas partes “sentantes” não estão muito preparadas para tamanho esforço.

Quatro horas em sela marajoara, mais dura do que a de passeio. Mas fazer o que?

Para conhecer coisas diferentes é preciso fazer alguns sacrifícios.

Seguimos por uma enorme planície, ora passando por pasto seco, ora por imensas áreas alagadas.

O cavalo marajoara é especialmente adaptado a estas condições extremas.

Pequeno, porém muito forte, ele enfrenta bem o solo acidentado da ilha.

Com o passar do gado pela terra úmida, são formados enormes buracos e rachaduras que quando secam são um enorme perigo.

Este solo gretado tem o nome de Terroada. Depois de três horas de muito paisagens chegamos a Fazenda Tabera, vizinha do nosso objetivo.

A Tabera já foi uma das mais ricas fazendas da região e possui uma bela sede e uma bela igreja com uma torre muito alta, que pode ser vista a quilômetros de distância.

Ali nós descansamos e tivemos a oportunidade de conhecer uma das mais belas e completas coleções de cerâmica marajoara que eu já havia visto.

Depois de refeitos, cavalgamos os últimos quilômetros que nos separava da fazenda Flecheiras.

Assim que chegamos, descarregamos a bagagem e sem cerimônia deitamos de barriga numa cama macia.

Ai, ui, aiaiai!! Era este o diálogo entre eu e a Sandra.

Enquanto nós dois sofríamos com dores por todo lado, as crianças pareciam que tinham acabado de acordar.

Corriam por todo lado e perguntavam se iríamos andar de cavalo novamente.

Êta saudades do meu tempo de menino, sô!

Salvaterra (Ilha de Marajó) Soure (Ilha de Marajó)

  
  

Publicado por em