Lago Januarí

Outro lugar bastante visitado em Manaus é o Lago Januari. É um ponto comum de todos os roteiros de turismo, mas nem por isto deixa de ser interessante. Lá você tem a oportunidade de caminhar por passarelas suspensas na altura das árvores e

  
  

Outro lugar bastante visitado em Manaus é o Lago Januari.

É um ponto comum de todos os roteiros de turismo, mas nem por isto deixa de ser interessante.

Lá você tem a oportunidade de caminhar por passarelas suspensas na altura das árvores e de conhecer um lago repleto de vitória-régias, estas fantásticas plantas cujas folhas chegam a ter 2 metros de diâmetro.

Neste mesmo lago existem vários jacarés e das passarelas pode-se observá-los com tranqüilidade.

Alugamos um pequeno barco e junto com o Zilmar, fomos conhecer os Igapós, que são trechos de florestas inundadas pelas águas do rio.

No caminho, fomos assediados por várias crianças em canoas e que traziam bichos para serem fotografados.

Eram preguiças, jacarés, cobras, araras, etc. Mal elas encostam no nosso barco e já estendem a mão pedindo dinheiro.

Fiquei dividido pensando se aquilo era certo ou errado. No começo achei legal, pois poderia ter contato direto com os bichinhos.

Depois achei errado, pois pagando as crianças eu as estava incentivando a capturar mais animais selvagens para mostrarem aos turistas

Por mais vontade que temos e tocá-los, isto não é prudente nem correto, pois podemos prejudicá-los de diversas formas.

Minha cabeça rodava de perguntas porque também pensei nas crianças.

Neste lugar, não há muitas maneiras de se conseguir dinheiro a não ser mostrando a natureza para os visitantes. Confuso né?

Deixando as crianças para trás, entramos vários quilômetros pelo Igapó.

Estávamos bem no meio do trajeto, quando nuvens negras encheram o céu e um tremendo vento começou a soprar.

Ficamos assustados e a mata fechada acrescentava um tom de filme de terror ao quadro.

Seguimos adiante pelo meio das árvores e conforme avançávamos, enormes galhos caiam com força no rio.

Quase no final do igapó, escutamos o característico som de árvore partindo e quase fomos atingidos por m enorme tronco que caiu com o vento.

Depois de muita oração, conseguimos sair do igapó e entramos em um braço mais largo do rio.

Enfrentando um vento forte e uma garoa fina, iniciamos nosso retorno.

Começamos a ver tucuxis (botos cinza) saltando no rio e dali a pouco vimos também uma enorme preguiça dependurada pela pontinha dos pés numa árvore.

Parecia que ele (ou ela) ia cair na água a qualquer momento, e por isto paramos o barco bem debaixo dela.

Assustada com a nossa presença e com os gritos de incentivo, ela resolveu dar um jeito na vida e subiu definitivamente no galho.

Foi um susto e uma visão emocionante, muito melhor do que tocar aquela pobre preguiça nos braços no menino na beira do rio.

A vida selvagem, quando somente observada, nos trás emoções memoráveis.

  • Manaustur – www.manaustur.com.br
  
  

Publicado por em