Nada é igual na Amazônia

Ontem eu falei dos ribeirinhos e do tráfego enorme de navios pelos rios do Norte. São oito dias de viagem vendo a floresta passar por nós. Mas não pense que a paisagem é monótona porque não é. A cada trecho do rio a floresta se apresenta de

  
  

Ontem eu falei dos ribeirinhos e do tráfego enorme de navios pelos rios do Norte.

São oito dias de viagem vendo a floresta passar por nós. Mas não pense que a paisagem é monótona porque não é.

A cada trecho do rio a floresta se apresenta de uma forma, às vezes nem floresta tem.

É o caso da região de Santarém, onde fazendas e pântanos ocupam todas as margens do rio.

Na região de floresta também há variações. Em alguns momentos as árvores crescem até uns 40 metros de altura, enquanto em outros não passam de dez.

O relevo também muda. Antes de Santarém uma enorme chapada apareceu ao norte com montanhas de até mil metros.

Perto de Parintins as barrancas baixas do rio se transformaram em grandes falésias.

Os rios também mudam de cor. O Amazonas tem um tom barrento, enquanto o Xingú é de um tom azul mais escuro.

O Tapajós tem águas claras e praias de areia branquinha e é conhecido como “O Caribe das selvas”.

O rio Negro não poderia ser de outra cor. A mudança no relevo, na floresta, nos rios, nas marés não permitem que a viagem seja monótona.

Além disto, temos trabalhado bastante. A Sandra tem feito uma verdadeira escola intensiva com os pimpolhos, acertando todas as matérias que estavam atrasadas.

O colégio Espaço tem mandado muitas provas e trabalhos e as crianças têm muito o que fazer.

Eu sentei no meu computador (ligado ao gerador do barco) e tirei um pouco do enorme atraso que tinha.

Não deu para escrever tudo, mas aproveitei bem o tempo.

Naquele que sobrava, íamos os quatro (ou cinco, com a Pepita ) esticar as redes debaixo das carretas onde havia sombra e era mais fresco.

Isto ajudava a diminuir o calor que as vezes chegava a 40 graus.

A Pepita coitada, acho que sonhava com uma graminha verde para fazer suas necessidades.

Ela olhava para fora da balsa com uma carinha tão triste, vendo aquelas enormes árvores passarem tão perto.

Que tristeza! O jeito foi se virar na balsa mesmo.

  
  

Publicado por em