Panelas de barro

Hoje fomos matéria em dois dos principais jornais do Estado e também de 3 reportagens na TV Globo. Esta overdose de mídia nos tirou um pouco a privacidade e nos fez dispor de algum tempo extra para conversar com as pessoas que se aproximavam a nós. Quem

  
  

Hoje fomos matéria em dois dos principais jornais do Estado e também de 3 reportagens na TV Globo. Esta overdose de mídia nos tirou um pouco a privacidade e nos fez dispor de algum tempo extra para conversar com as pessoas que se aproximavam a nós. Quem nos recebeu em Vitória e tem nos ajudado durante nossa visita ao Espírito Santo é o Cacau Monjardim, sub-secretário de Turismo do Estado e conhecedor profundo das riquezas naturais e culturais do Espírito Santo. Foi ele, junto com o Rômulo, seu assessor, que nos levaram para conhecer um pouco da cidade. A primeira parada foi na CST (Companhia Siderúrgica de Tubarão) onde fomos conhecer um programa de educação ambiental. O que mais nos chamou a atenção foi um borboletário instalado no meio de um enorme bosque. Eu nunca tinha visto um borboletário antes! Lá, eles estudam, reproduzem e re-introduzem na natureza dois tipos de borboletas. Muito interessante!

Processo de manufatura da panela

Processo de manufatura da panela

Nossa segunda parada foi na Associação das Paneleiras, no bairro das Goiabeiras. Não sei se eu já havia mencionado antes, mas é em Vitória que se produzem as melhores panelas de barro de todo o Estado. Esta arte teve sua origem na época da colônia e é passada de mães para filhas há vários séculos. As panelas de barro aqui não são torneadas e sim raspadas com pedaços de madeira até atingirem o formato redondo. Depois de secarem um pouco, são novamente raspadas só que desta vez com seixos redondos para dar a textura. Depois de secarem mais um pouco as panelas são queimadas em fogueiras rudimentares. Depois de queimadas, as peças são retiradas e enquanto ainda estão quentes, são salpicadas com Tanino, um produto extraído das plantas do mangue que cerca a região. O Tanino é que confere às panelas a sua cor preta característica. Existem outros produtores de panelas na região, mas nenhum trabalha de modo tão artesanal como no bairro das Goiabeiras. A parte triste da história é que mesmo sendo este um dos maiores atrativos turísticos da cidade e do Estado, a Associação está localizada em um galpão feio e mal acabado, situado em um terreno sujo à beira de um rio. Muito pitoresco, mas nada convidativo. Acho que uma arte tão diferente deveria ter um tratamento mais digno. Será que é esta imagem de decadência e abandono que o Espírito Santo quer passar para os turistas que a visitam?

Uma das espécies de borboleta

Uma das espécies de borboleta

OBS: Caros amigos, hoje é Natal e vocês devem estar se perguntando onde estamos e porque não mencionamos nada do Natal ainda. Acontece que, para atualizar o diário de bordo todos os dias (senão não será diário) sempre o fazemos com alguns dias de atraso. Isto acontece porque antes de escrever temos que conseguir as informações, escolher e manipular as fotos e enviar tudo para nosso escritório central. Então em breve você amigo vai estar sabendo também sobre nosso Natal. Onde estou agora? Nem eu sei.Eu já escrevi isto há alguns dias. Fui! (de novo)

Borboletário

Borboletário

FELIZ NATAL!!!

Erick observa o trabalho das paneleiras

Erick observa o trabalho das paneleiras

Artesã em ação

Artesã em ação

  
  

Publicado por em

Maria de Fátima Bezerra Cordeiro

Maria de Fátima Bezerra Cordeiro

24/11/2008 19:01:18
Eu estive lá fiz um curso com a ex: presidenta da associação das paneleiras Dana Berenicia Correa Nascimento; fui apenas para comprar minhas panelas, e valorizar estas artesãns! pois irei fazer um fogão a lenha em minha casa resgatando as minhas tradições; pois quando era criança lá no Ceará , costumava acompanlhar minha avo nas compras de suas panelas, e ganhava as minhas que fazia meus gizadinhos, e oferecia aos meus avos que comiam com gosto e carinho, me motivando a ser uma otima cozinheira; sim eu cozinho maravilhosamente bem rsrs. Ainda ne desfiz os caixotes, e já vou voltar pra buscar as panelas que fiz, pois não secaram. eu acho tudo maravilhoso meu queridos. Beijos, Mariade Fátima Bezerra Cordeiro