Pedro II - Redes e gritador

Ontem esqueci de dizer que fomos recebidos em Pedro II por uma festa organizada pela prefeitura. Assistimos a apresentação da quadrilha Mexe-Mexe, uma quadrilha tradicional, co noivo e noiva e muito bem ensaiada. Hoje as guias da secretaria de Turismo, a

  
  

Ontem esqueci de dizer que fomos recebidos em Pedro II por uma festa organizada pela prefeitura. Assistimos a apresentação da quadrilha Mexe-Mexe, uma quadrilha tradicional, co noivo e noiva e muito bem ensaiada. Hoje as guias da secretaria de Turismo, a Rosinha e a Betânia nos levaram para conhecer a fabricação de rede, outra atividade que torna Pedro II famosa em todo meio-norte. Em quase todas as casas da zona rural e em muitas casas da cidade existe uma artesã que faz alguma etapa da fabricação de redes. Visitamos também uma cooperativa onde várias mulheres produzem verdadeiras obras de arte em teares rudimentares. Um verdadeiro teste de paciência e força, duas habilidades necessárias para tecer metros de rede nestas máquinas simples, porém eficientes. Notei que o mesmo tipo de tear é usado pelas mulheres da Patagônia na Argentina, pelas índias do deserto do Atacama no Chile. Mais uma prova da eficiência destas máquinas e da integração de povos ancestrais. Ainda bem que Deus criou as mulheres com tanta determinação e paciência, pois se dependesse de mim, ninguém jamais iria deitar-se numa rede.
Ainda na parte da manhã fomos até o Gritador, um enorme abismo de pedra na borda da serra. Este local tem este nome por causa do eco que produz. Outra curiosidade é que quase todo objeto que se joga no abismo, volta voando para as mãos do dono. Isto se deve aos fortes ventos e as impressionantes térmicas que surgem na base do penhasco. Fizemos várias tentativas com galhos de árvores e copos de plásticos e todos voltaram para cima. Porém quando jogamos um boné ele não voltou. Chegamos então a seguinte conclusão: Ou o boné é pesado demais, ou esta lenda foi inventada por um caboclo esperto que fica debaixo do penhasco recolhendo as coisas de valor que os trouxas jogam lá para baixo. É, dancei!
Restaurante Estação Vila - Av. Itamaraty, 693

  
  

Publicado por em