Sapo e Chicha

Saímos no trem das oito horas com destino ao Vale Sagrado. Optamos por não ir direto de trem até Cusco para conhecer um pouco mais a região do rio Urubamba.

  
  

Saímos no trem das oito horas com destino ao Vale Sagrado. Optamos por não ir direto de trem até Cusco para conhecer um pouco mais a região do rio Urubamba. Utilizamos o trem Vista Dome, este, é o da classe intermediaria dos três disponíveis. O mais simples é o Backpacker, e o mais luxuoso é o Hiram Bingham. O nosso trem tinha parte do teto de vidro e serviços de bordo, incluindo um pequeno show folclórico e desfile com roupas de lã de alpaca vendidas no próprio trem.

Urubamba

Descemos na estação de Ollantaytambo e continuamos pela estrada nossa viagem a Cusco. Entre Ollantaytambo e Pisac encontramos várias casas que tinham na frente uma vara de bambu com um plástico vermelho na ponta. Descobrimos que este sinal marca as Chicherias, lugares onde se vende a Chicha, uma bebida alcoólica feita de milho. A Chicha tem teor alcoólico baixo (2 graus) e é muito consumida pela população. Nos finais de tarde muitos trabalhadores se reúnem nestes bares improvisados para um Happy Hour Andino. Em muitas das Chicherias existe um jogo rudimentar e antigo chamado Sapo. Dizem que vem desde a época da colonização. Trata-se de um tablado com vários buracos marcando pontos. No alto, um sapo de metal com boca aberta é o que tem maior valor. À uma certa distância, o jogador atira fichas de metal e tenta fazer o maior número de pontos possível. Resumindo, é o tataravô do fliperama.

Chegamos a Cusco no começo da tarde, a tempo de passear pela cidade e fazer algumas compras. É praticamente impossível não levar uma lembrança ou alguma roupa. O artesanato em geral é muito bem feito, colorido e com preços razoáveis. De todos os lugares que visitamos, Cusco e Puno tem preços mais interessantes. Em Machu Picchu os preços são mais caros. Recomendo sempre viajar com uma mala extra para levar suas compras. Comprar uma sacola de lã de ovelha também é uma opção.Também pode-se encontrar quase tudo em Lima, no Mercado Índio em Miraflores por um preço um pouco mais alto. No entanto, recomendo comprar sempre no local onde são produzidos, pois assim coopera-se com o desenvolvimento do comercio e turismo regionais. É muito importante fortalecer as populações através da compra de serviços e produtos locais.

Amanhã planejamos conhecer duas ruínas que poucos conhecem, as fontes de Tipon e cidade pré-inca de Pikillarca. Conto tudo depois.

Peter Goldschmidt - www.familiagold.com.br

A Família Goldschmidt tem o apoio das seguintes empresas:

GOLDTRIP - www.goldtrip.com.br
TIMBERLAND – www.timberland.com.br
TACA AIRLINES - www.taca.com
PIGMENTUM - Comunicação Visual - www.pigmentum.com.br
MTK - Artigos para aventura – www.mtkacess.com.br
BEEPHOTO – Tudo para fotográfica – www.beephoto.com.br
TRAVEL ACE Seguro – www.travelace.com.br
RENAULT – www.renault.com.br
Membro da Brazilian Adventure Society - BAS

Chicha na Chicheria
Copinho básico
Jogo do sapo
Show a bordo
Erick tentando o sapo
Trem vista dome
No outro trem...
Viagem feliz
Mercado de Cusco
  
  

Publicado por em

Francis

Francis

25/01/2009 14:39:43
reportagem excelente nem preciso ir lá p conhecer costumes da regiao

Família Goldschmidt

Família Goldschmidt

Vá sim. viajar é isto, aprender. Abraços