No Peru

4.046,30km rodados para entrar num país cheio de história, ruínas e muitas paisagens naturais. Chegamos ao Peru!

  
  
Tacna

Deixamos o Chile no dia 7 de março e nossa primeira cidade no Peru foi Tacna. Tacna nos surpreendeu muito. Pensávamos que era uma pequena cidade, sem muitos atrativos, porém é muito encantadora, cheia de vida, com muito verde, praças coloridas e uma lindíssima Catedral. Apenas estranhamos os milhares táxis que circulavam na cidade buzinando para tudo e todos!!

Neste dia estávamos um pouco preocupados com o documento Carnet de Passage de Douanes, que talvez não fosse chegar na Venezuela a tempo de nosso vôo para a Nova Zelândia. Então, acabamos mudando nossos planos: ficaremos mais um mês explorando a América do Sul e somente dia 18 de abril partiremos para o outro lado do mundo.

Plaza de Laz Armas - Arequipa

Em seguida fomos para Arequipa, conhecida no país como a "Cidade Branca", devido ao sillar, lava branca utilizada na construção de diversos edifícios. Ela está situada perto da base do Vulcão Misti (5.821m), o qual domina por completo a paisagem da cidade. Infelizmente não pudemos ver este Vulcão, pois ele estava cercado de nuvens.

Nesta cidade também se encontram diversos edifícios históricos dos séculos XII e XIII. Visitamos o Monastério Santa Catalina, construído em 1579. Desde o seu início, mulheres de diversas classes sociais ingressaram como Monjas para nunca mais sair ou ter qualquer tipo de contato com o mundo! Somente em 1970 é que este monastério abriu suas portas e hoje todos podem viver um pouco de sua história.

As águias da praça Pueblo Yanque - Chivay

Arequipa é o centro mais importante da Indústria Têxtil de Lã de Alpaca do país e nela pode-se experimentar a famosa bebida peruana chamada Pisco, uma bebida de 42% de álcool, feita da uva.

De Arequipa, fomos a Chivay conhecer o famoso Colca Cânion, de onde pudemos observar o vôo dos Condores, maior ave voadora do mundo com até 2,80 metros de envergadura. O Colca Cânion possui como maior profundidade 3400 metros de paredão e ao longo dos seus 100km de extensão encontram-se diversas cachoeiras e Pueblos isolados. Nesta região, dirigimos no ponto mais alto da viagem até agora, 4.893 metros de altitude.

Em Chivay, aconteceram dois fatos muito engraçados. O primeiro foi na noite de chegada, quando fomos jantar uma sopinha para nos esquentarmos do frio. Junto com a sopa vieram limões e rodelas do que parecia um pimentão amarelo. O Roy, curioso como sempre, deu uma mordida nesse ‘pimentão’ que na verdade era uma fortíssima pimenta. Foi de sair lágrimas dos olhos! Já no outro dia, a Michelle para compensar, pensou que estava filmando o vôo de um exibicionista Condor, que passava muito perto de nós. Mas de tão entusiasmada, ela não apertou o Rec da filmadora, hehehe. Perdemos a filmagem, mas não esqueceremos esta cena.

Pôr-do-sol em Titicaca - Copacabana, Bolívia

Saímos no dia 10 de março de Chivay em direção a Puno, porém saímos muito tarde e tivemos que viajar a noite. Como a Michelle estava passando mal durante a viagem e o Roy já estava cansado de dirigir, acabamos pegando um hotel na horrível cidade de Juliaca. No outro dia, a Michelle ainda não estava recuperada e passou a manhã de cama, enquanto o Roy foi resolver uns problemas mecânicos do carro. No caminho, naquela impressionante muvuca do transito, a propina foi a saída para evitar uma multa... que o guarda de transito inventou! Este tipo de acontecimento é muito normal no Peru, principalmente para estrangeiros.

Mais alguns km’s e chegamos em Puno, que beira o mais alto Lago Navegável do Mundo. O Titicaca se encontra a 3810 metros ao nível do mar. O Lago, que em seu meio divide os Países Peru e Bolívia, é muito rico em peixes sendo a Truta, o prato principal da região. E para conhecer um pouco mais deste lago, fomos costeando-o até cruzarmos a fronteira com a Bolívia e nos desfrutarmos de um maravilhoso pôr do sol na cidade de Copacabana. Ali passamos um dia e meio reorganizando nossas coisas.

Ontem pela manhã chegamos em Cuzco e já compramos nosso passe para a famosa Caminhada Inca (4 dias), que nos levará a Machu Picchu! Mas esta história ficará para o próximo diário, até lá...

  
  

Publicado por em