Viaje quase de graça com Milhas Aéreas

Blogs > Os Caminhantes > Viagens Nacionais > 

Trilha do Ouro- o final da travessia

Da Pousada do Tião até Mambucaba

4 de Outubro de 2011.
Publicado por Os Caminhantes  

Cachoeira do Veado

Cachoeira do Veado - Foto: Os caminhantes

Quarto dia- da Pousada do Tião até o final da Trilha do Ouro
No dia seguinte, café da manhã com bisnaguinha, bolo, queijo branco, manteiga, leite, café e achocolatado. Dei o recado para o Tião do Zé Milton, da MW que provavelmente na semana seguinte, ele estaria por lá com um grupo (daí também pude comprovar que os recados chegam assim, através de outros viajantes, ou como nós, através da Pousada Barreirinha, ou de alguma forma semelhante, esqueça internet ou telefone)
Como disseram em todos os relatos que o terceiro dia era o mais puxado, tentamos sair o mais cedo possível, e às 8:00 hs já nos despedíamos do pessoal. Já começamos errado logo de saída. Saindo do Tião, você não precisa atravessar de volta a gaiola, é só seguir direto, beirando o rio Mambucaba.
Acontece que pegamos uma trilha que subia o morro e fomos parar no curral dos cavalos, achando que estávamos no caminho certo... Quem veio nos socorrer foi um outro hóspede, o Rogério, que havia chegado um dia antes, e estava percorrendo toda a Serra só que a cavalo. Ele disse que não foi ele que viu que erramos o caminho. Disse que o burro (é verdade, gente, não é história!), que estava perto do cavalo que ele estava selando para o seu passeio, levantou as orelhas, alertando que havia alguma coisa errada! Foi aí que ele começou a olhar e viu que estávamos subindo o morro, em vez de descer e veio em nosso socorro.
Ele perguntou se havíamos feito a trilha antes, dissemos que não, e gentilmente, (na verdade, ele estava bem preocupado com a gente- o que nos fez ficar (mais) preocupados também) nos levou até a porteira, explicando que deveríamos seguir sempre o rio e procurar o calçamento colonial. Disse ainda que havia feito este percurso a pé, no ano passado e à cavalo no dia anterior, e para seguirmos sempre o calçamento.
Também disse para prestarmos atenção entre os kms 8 e 10, depois da primeira bananeira, haveria um marco, e entrando cerca de 50~100 m, encontraríamos as ruínas de uma construção antiga...

O calçamento de pedra

O calçamento de pedra
Foto: Os caminhantes

Nos despedimos, muito agradecidos e continuamos nosso caminho. Mais um erro, que deve ter nos custado uns 500 m de “andada” a mais, pois na primeira bifurcação, acabamos descendo, à direita, tentando seguir o rio, logo à direita, mas como não achamos o calçamento, subimos tudo de volta e depois da bifurcação, à esquerda, encontramos os sinais do calçamento. Isso ocorre por volta de 3 km depois da saída da Pousada do Tião, e a subida referida do Clube dos Aventureiros. Também, de acordo como mapa do Fábio, deve ser a parte que diz sobre “... início da subida (subida difícil!)- Atenção! Trilha estreita, seguir pegadas de mulas... “Aqui avistamos também a Cachoeira dos Veados, só de longe... mas ainda assim, uma visão impressionante! Também referenciado no mapa do Fábio.
Depois deste trecho, praticamente é só descida. Tudo o que já foi falado sobre o calçamento de pedra, é real, e novamente, os tombos foram inevitáveis...

Uma pequena cachoeira

Uma pequena cachoeira
Foto: Os caminhantes

Mas passamos por trechos muito bonitos, como uma pequena cachoeira, com uma “ponte de pedra”, por volta dos 7 km. Procuramos por volta do km 8 ao 10 a primeira bananeira, mas já havíamos passado por várias bananeiras no caminho, e lógico, que não conseguimos achar o marco, e tão pouco as ruínas da construção, fica aqui a dica, quem sabe você consiga encontrar...
E descendo, descendo, naquele mar de pedras. Brincamos que se dizem que as pedras trazem energia, em alguns “estudos esotéricos”, então estávamos energizados até o fim da vida! Hehehe...

A ponte de madeira

A ponte de madeira
Foto: Os caminhantes

Finalmente chegamos no local no relato do Clube dos Aventureiros, que fala sobre a ponte de madeira, para atravessar o rio. Ficamos com medo de atravessar, pois ela estava com vários pontos falhos e os cabos não pareciam nada seguros. Descemos num ponto, uns 50~100 metros, (eu acho), num ponto mais raso do rio (você vai perceber, pois mais abaixo, o rio se transforma, num rio enorme e não dá mais para atravessar) e continuamos a trilha.
Depois desta travessia, realmente cerca de 2 km depois,o terreno vai ficando menos inclinado, a vegetação muda, percebemos que estamos beirando alguma propriedade particular e novamente, como um oásis, surge a ponte de arame do nosso lado direito!!!

A Ponte de Arame

A Ponte de Arame
Foto: Os caminhantes

O pedômetro marcava na Júlia cerca de 16 km e 15:45 hs. Disseram que os trilheiros faziam este trecho num período de 6 horas e fizemos em 8 hs! Sei que para os mais velozes pode ser considerado lento mas para nós foi uma vitória! Corremos porque havíamos marcado de nos buscar às 17:00 hs e nosso medo (de novo) era pegar a trilha no escuro. Cronometramos nossos passos o dia todo, quase não paramos, só em paradinhas bem rápidas, para tomar fôlego e uma água e chegamos a caminhar comendo, para ganhar tempo, mas valeu a pena.
Como marcado às 16:45 hs, avistamos o “resgate” vir nos buscar, com o Dobló do Daniel. Creia-me, vale a pena e garanto que todos pagariam o que fosse para sermos levados até Mambucaba de carro. São 15 km, mas para quem já andou 17~18 km naquele calçamento de pedra , foi um grande alento!

Pousada Aldeia do Mar

Pousada Aldeia do Mar
Foto: Os caminhantes


O percurso foi feito em 1h aproximadamente, pois a estrada é de chão batido, plano, mas não dá para correr como no asfalto. Chegamos na Pousada Aldeia do Mar http://www.poupousadaaldeiadomar.com/ uma gracinha!
Nos instalamos, tomamos um banho demoradíssimo cada um e fomos jantar na Estrela do Norte, ou como dizem no local, na costela no bafo. Acho que nunca andamos tão devagar uns 3 quarteirões. Os joelhos rangiam, as panturrilhas estavam endurecidas feito pedras, as bolhas imploravam clemência a cada passo, mas lá fomos, passo a passo...
Comemos o prato da casa, claro, por sugestão do garçom: costela no bafo, com mandioca cozida, porção para duas pessoas por R$ 29,00 mais uma porção de baião de dois, também para duas pessoas, por R$ 17,00 e uma porção de queijo coalho, por R$ 8,00. Quando vimos o tamanho dos pratos chegando, assustamos e tivemos a certeza que não éramos páreo para aquela montanha de comida, mas com a esfarrapada desculpa que tínhamos que descontar tudo o que havíamos caminhado durante o dia, nossa gula foi maior do que a educação e o estrago foi feito!
Voltamos para a Pousada descansar, felizes de termos realizado mais uma travessia e desta vez mais devagar ainda, com os 5 kg adquiridos na comilança!

Missão cumprida!!

Missão cumprida!! - Foto: Os caminhantes


Nossas impressões finais: ficamos felizes de cumprir mais uma travessia, mas não sabemos se faríamos novamente. Apesar de todo o planejamento, ficamos o tempo todo com receio de errar de caminho, pois apesar de ser um Parque Nacional, a estrutura ainda é precária (aliás, não existe estrutura).Neste caso, saudades da estrutura do Pq. Torres del Paine, no Chile. Nos sentimos muito mais seguros, apesar do país estrangeiro e da língua diferente, as placas e marcações ao longo de todo o caminho não deixavam dúvidas.

Não falamos aqui, em hipótese nenhuma, de restaurantes e lanchonetes aos pés das cachoeiras, achamos isso um atentado a qualquer roteiro que se diz ecológico, na verdade... aquele monte de gente, bebedeira, música alta da pior qualidade, gritaria não combina com cachoeiras e lugares para contemplar a Natureza. Não temos do que reclamar com relação às hospedagens. Através dos relatos que acompanhamos, sabíamos exatamente o que encontrar, e na verdade, comentamos que poderíamos ter fatiado ainda mais o caminho e ter passado mais uma noite em uma das casas, para descansar e aproveitar mais o lugar, pois são lugares bastante isolados, calmos e muito bonitos!

Se (se) fizéssemos a trilha novamente, certamente optaríamos pela escolha do S. Sebastião da Pousada Barreirinha. Assim, não teríamos levado tanta bagagem e os apetrechos para a segunda viagem, teriam ficado no carro...tornado a travessia mais tranquila. Mais um aprendizado...

Compartilhar nas Redes Sociais

Comentários

Anderson Clemes

 postado: 13/10/2011 12:19:25editar

Fiz esta travessia a muito tempo, acho que uns 15 anos ou +, foi no final do mês de junho, era aniverssário de São José do Barreiro. Lugar lindo travessia espatacular.
Tenho planos de refazer a travessia no proximo ano, agora estou me preparando, após uma cirurgia na coluna, para ir a Patagonia no proximo carnaval.
Abx
Anderson Clemes.

Olá Anderson!
Obrigada pela leitura e pelo comentário!
Também achamos bem bonita a travessia, foi uma aventura para nós!
Fizemos o contrário dos seus planos, a Patagônia no começo deste ano, e é fantástica! Acho que foi um dos melhores trekkings que já fizemos, para ficar para sempre na memória!
Uma ótima viagem a você, e um grande abraço!
Os caminhantes

Gerri A. Soares

 postado: 26/2/2012 14:40:49editar

Muito legal.Cada lugar mais maravilhoso que outro. Nosso país tem uma riqueza natural imensurável. Moro em Lajinha, leste de Minas Gerais.na região montanhosa e cercada pela Mata Atlântica, gosto muito de praticar ecoturismo, e sempre que posso, faço acampamentos, trilhas e subida em montanhas.
Blogs:
gerrisoares.spaceblog.com.br
catremoaventura.spaceblog.com.br

Olá Gerri!
Nossa, peço desculpas, não sei o que aconteceu, não recebi as notificações dos comentários...
Muito obrigada pela leitura e comentário! Nosso país é imensamente rico e com um potencial riquíssimo ainda não explorado como se deve! Já vou lá dar uma visitinha no seu blog!
Um grande abraço!
Marcia, João e Júlia


 

Últimos boletins

Veja também

Ilha GrandeTrilha do Ouro- continuando a Travessia

 

editar    editar    editar    0 visitas    2 comentários